Versões:

(ARC) - 1969 - Almeida Revisada e Corrigida


O evangelho isenta-nos da lei
4:1
DIGO, pois, que todo o tempo que o herdeiro é menino em nada difere do servo, ainda que seja senhor de tudo;
4:2
Mas está debaixo de tutores e curadores até ao tempo determinado pelo pai.
4:3
Assim também nós, quando éramos meninos, estávamos reduzidos à servidão debaixo dos primeiros rudimentos do mundo,
4:4
Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei,
4:5
Para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos.
4:6
E, porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai.
4:7
Assim que já não és mais servo, mas filho; e, se és filho, és também herdeiro de Deus por Cristo.
4:8
Mas, quando não conhecíeis a Deus, servíeis aos que por natureza não são deuses.
4:9
Mas agora, conhecendo a Deus, ou antes, sendo conhecidos de Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir?
4:10
Guardais dias, e meses, e tempos, e anos.
4:11
Receio de vós, que não haja trabalhado em vão para convosco.
4:12
Irmãos, rogo-vos que sejais como eu, porque também eu sou como vós: nenhum mal me fizestes.
4:13
E vós sabeis que primeiro vos anunciei o Evangelho estando em fraqueza da carne;
4:14
E não rejeitastes, nem desprezastes isso que era uma tentação na minha carne, antes me recebestes como um anjo de Deus, como Jesus Cristo mesmo.
4:15
Qual é, logo, a vossa bem-aventurança? Porque vos dou testemunho de que, se possível fora, arrancaríeis os vossos olhos, e mos daríeis.
4:16
Fiz-me acaso vosso inimigo, dizendo a verdade?
4:17
Eles têm zelo por vós, não como convém; mas querem excluir-vos, para que vós tenhais zelo por eles.
4:18
É bom ser zeloso, mas sempre do bem, e não somente quando estou presente convosco.
4:19
Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós:
4:20
Eu bem quisera agora estar presente convosco, e mudar a minha voz: porque estou perplexo a vosso respeito.
Sara e Agar são uma alegoria dos dois concertos
4:21
Dizei-me, os que quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei?
4:22
Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava, e outro da livre.
4:23
Todavia o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa.
4:24
O que se entende por alegoria: porque estes são os dois concertos: um, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar.
4:25
Ora esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos.
4:26
Mas a Jerusalém que é de cima é livre; a qual é mãe de todos nós.
4:27
Porque está escrito: Alegra-te, estéril, que não dás à luz: esforça-te e clama, tu que não estás de parto; porque os filhos da solitária são mais do que os da que tem marido.
4:28
Mas nós, irmãos, somos filhos da promessa como Isaque.
4:29
Mas, como então aquele que era gerado segundo a carne perseguia o que o era segundo o Espírito, assim é também agora.
4:30
Mas que diz a Escritura? Lança fora a escrava e seu filho, porque de modo algum o filho da escrava herdará com o filho da livre.
4:31
De maneira que, irmãos, somos filhos, não da escrava, mas da livre.

Pesquisando por Gálatas 4:1-31 nas obras literárias.

Procurar Vídeos Sobre Gálatas 4:1

Referências em Livro Espírita


Saulo Cesar Ribeiro da Silva

gl 4:1
Evangelho por Emmanuel, O – Comentários às Cartas de Paulo

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 0
Francisco Cândido Xavier
Emmanuel
Saulo Cesar Ribeiro da Silva
Detalhes Comprar
gl 4:26
Vinha de Luz

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 55
Página: 121
Francisco Cândido Xavier
Emmanuel
Saulo Cesar Ribeiro da Silva
Detalhes Comprar

Wanda Amorim Joviano

gl 4:6
Sementeira de Paz

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 25
Francisco Cândido Xavier
Neio Lúcio
Wanda Amorim Joviano
Detalhes Comprar

Referências em Outras Obras


CARLOS TORRES PASTORINO

gl 4:6
Sabedoria do Evangelho - Volume 4

Categoria: Outras Obras
Capítulo: 13
CARLOS TORRES PASTORINO
Detalhes Comprar

Locais

ARÁBIA
Atualmente: ARÁBIA SAUDITA, JORDÂNIA, SÍRIA, IÊMEN, OMÃ, EMIRADOS ÁRABES UNIDOS, QATAR, BAHREIN
Relacionado à península Arábica. Região de grandes desertos. Estende-se desde a foz do Rio Nilo até o Golfo Pérsico no sentido oeste-leste e desde a Síria até o sul da Península Arábica no sentido norte-sul. Foi na parte ocidental da Arábia, também chamada Arábia Pétrea, incluindo-se nela a Península do Sinai, que os israelitas peregrinaram durante 40 anos e receberam a lei por intermédio de Moisés. Os hebreus antigos chamavam a Arábia de Partes do Oriente (Gênesis 25:6). Seus habitantes primitivos foram os amalequitas, edomitas, ismaelitas, midianitas, amonitas e cenitas. O sogro de Moisés, Jetro, pertencia aos cenitas. Estes povos eram nômades e seminômades e cada um pertencia a um reino. A terra de Ofir, famosa por possuir ouro (II Crônicas 9:10), foi apontada por alguns autores no extremo sul da Arábia, e por outros, na Somália ou Eritréia na África. Muitas regiões da Transjordânia, a leste do rio Jordão, são citadas no Antigo Testamento, como Basã, Galaad, Rabá-Amon, Moab e Edom. A partir de 300 a.C. a região foi ocupada pelos nabateus, um grupo de árabes que desenvolveram uma cultura baseada no comércio de incenso. A capital da Arábia foi a cidade de Petra, que ficava próximo ao Golfo de Ácaba. No tempo do Novo Testamento os nabateus estenderam seu domínio até leste de Damasco, cujo governo era feito por um representante do seu rei Aretas (II Coríntios 11:32). O apóstolo Paulo passou algum tempo neste lugar após sua conversão, conforme registra a carta aos Gálatas 1:17.

Relacionado à península Arábica. Região de grandes desertos. Estende-se desde a foz do Rio Nilo até o Golfo Pérsico no sentido oeste-leste e desde a Síria até o sul da Península Arábica no sentido norte-sul. Foi na parte ocidental da Arábia, também chamada Arábia Pétrea, incluindo-se nela a Península do Sinai, que os israelitas peregrinaram durante 40 anos e receberam a lei por intermédio de Moisés.

JERUSALÉM
Clique aqui e abra o mapa no Google (Latitude:31.783, Longitude:35.217)
Nome Atual: Jerusalém
Nome Grego: Ἱεροσόλυμα
Atualmente: Israel
Jerusalém – 760 metros de altitude (Bronze Antigo) Invasões: cercada por Senequaribe em 710 a.C.; dominada pelo Faraó Neco em 610, foi destruída por Nabucodonosor em 587. Depois do Cativeiro na Babilônia, seguido pela restauração do templo e da cidade, Jerusalém foi capturada por Ptolomeu Soter em 320 a.C., e em 170 suas muralhas foram arrasadas por Antíoco Epifânio. Em 63 a.C. foi tomada por Pompeu, e finalmente no ano 70 de nossa era foi totalmente destruída pelos romanos.

Localizada em um planalto nas montanhas da Judeia entre o Mar Mediterrâneo e o mar Morto, é uma das cidades mais antigas do mundo. De acordo com a tradição bíblica, o rei Davi conquistou a cidade dos jebuseus e estabeleceu-a como a capital do Reino Unido de Israel, enquanto seu filho, o rei Salomão, encomendou a construção do Primeiro Templo.

SINAI
Atualmente: EGITO
Sinai, monte – península do Sinai, constitui o cenário da aliança, quando Deus lhes deu as suas leis e os declarou o seu povo


Comentários

Beacon

Comentário Bíblico de Beacon - Interpretação abrangente da Bíblia por 40 teólogos evangélicos conservadores






Champlin

Antigo e Novo Testamento interpretado versículo por versículo por Russell Norman Champlin é cristão de cunho protestante






















































































































































Genebra

Comentários da Bíblia de Estudos de Genebra pela Sociedade Bíblica do Brasil para versão Almeida Revista e Atualizada (ARA)






Matthew Henry

Comentário Bíblico de Matthew Henry, um pastor presbiteriano e comentarista bíblico inglês.












Wesley

Comentário bíblico John Wesley - Metodista - Clérigo Anglicano






Wiersbe

Comentário bíblico expositivo por Warren Wendel Wiersbe, pastor Calvinista






Russell Shedd

Comentários da Bíblia por Russell Shedd, teólogo evangélico e missionário da Missão Batista Conservadora.






NVI F. F. Bruce

Comentário Bíblico da versão NVI por Frederick Fyvie Bruce, um dos fundadores da moderna compreensão evangélica da Bíblia






Moody

Comentários bíblicos por Charles F. Pfeiffer, Batista


























































































Francis Davidson

O Novo Comentário da Bíblia, por Francis Davidson
























John MacArthur

Comentario de John Fullerton MacArthur Jr, Novo Calvinista, com base batista conservadora






Barclay

O NOVO TESTAMENTO Comentado por William Barclay, pastor da Igreja da Escócia







Mapas Históricos

ABRAÃO NA PALESTINA








GEOLOGIA DA PALESTINA








HIDROLOGIA, SOLO E CHUVAS NA PALESTINA








O CLIMA NA PALESTINA








CIDADES DO MUNDO BÍBLICO








JERUSALÉM NO TEMPO DO NOVO TESTAMENTO








ESTRADAS E TRANSPORTE NO MUNDO BÍBLICO








As condições climáticas de Canaã








A ROTA DO ÊXODO








A Agricultura de Canaã








OS PATRIARCAS: AS EVIDÊNCIAS BÍBLICAS

Início do segundo milênio a.C.








Colaboradores

Esta é uma área reservada para apresentar os materiais enviados pelos colaboradores.
Contribua conosco. Envie seus estudos sobre Gálatas 4:1-31.
Podem ser texto, planilha, áudio, apresentação ou vídeo.

Enviar meu Material


Referências Bíblicas de Gálatas 4:1-31

Como a bíblia foi escrita por diversos autores e em períodos e regiões diferentes, a ocorrência de conteúdo cruzado é um ponto útil para o estudo já que explica o texto com referências da própria bíblia.

Ver referências