Enciclopédia de Êxodo 20:13-13

Tradução (ARC) - 2009 - Almeida Revisada e Corrigida

Índice

Perícope

ex 20: 13

Versão Versículo
ARA Não matarás.
ARC Não matarás.
TB Não matarás.
HSB לֹ֥֖א תִּֿרְצָֽ֖ח׃ ס
BKJ Não assassinarás.
LTT Não matarás.
BJ2 Não matarás.
VULG Non occides.

Referências Cruzadas

As referências cruzadas da Bíblia são uma ferramenta de estudo que ajuda a conectar diferentes partes da Bíblia que compartilham temas, palavras-chave, histórias ou ideias semelhantes. Elas são compostas por um conjunto de referências bíblicas que apontam para outros versículos ou capítulos da Bíblia que têm relação com o texto que está sendo estudado. Essa ferramenta é usada para aprofundar a compreensão do significado da Escritura e para ajudar na interpretação e aplicação dos ensinamentos bíblicos na vida diária. Abaixo, temos as referências cruzadas do texto bíblico de Êxodo 20:13

Gênesis 4:8 E falou Caim com o seu irmão Abel; e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel e o matou.
Gênesis 9:5 E certamente requererei o vosso sangue, o sangue da vossa vida; da mão de todo animal o requererei, como também da mão do homem e da mão do irmão de cada um requererei a vida do homem.
Êxodo 21:14 Mas, se alguém se ensoberbecer contra o seu próximo, matando-o com engano, tirá-lo-ás do meu altar para que morra.
Êxodo 21:20 Se alguém ferir a seu servo ou a sua serva com vara, e morrerem debaixo da sua mão, certamente será castigado;
Êxodo 21:29 Mas, se o boi dantes era escornador, e o seu dono foi conhecedor disso e não o guardou, matando homem ou mulher, o boi será apedrejado, e também o seu dono morrerá.
Levítico 24:21 Quem, pois, matar um animal restituí-lo-á; mas quem matar um homem será morto.
Números 35:16 Porém, se a ferir com instrumento de ferro, e morrer, homicida é; certamente o homicida morrerá.
Deuteronômio 5:17 Não matarás.
Deuteronômio 19:11 Mas, havendo alguém que aborrece a seu próximo, e lhe arma ciladas, e se levanta contra ele, e o fere na vida, de modo que morra, e se acolhe em alguma dessas cidades,
II Samuel 12:9 Por que, pois, desprezaste a palavra do Senhor, fazendo o mal diante de seus olhos? A Urias, o heteu, feriste à espada, e a sua mulher tomaste por tua mulher; e a ele mataste com a espada dos filhos de Amom.
II Reis 21:16 De mais disso, também Manassés derramou muitíssimo sangue inocente, até que encheu a Jerusalém de um ao outro extremo, afora o seu pecado, com que fez pecar a Judá, fazendo o que era mal aos olhos do Senhor.
II Crônicas 24:22 Assim, o rei Joás não se lembrou da beneficência que Joiada, pai de Zacarias, lhe fizera; porém matou-lhe o filho, o qual, morrendo, disse: O Senhor o verá e o requererá.
Salmos 10:8 Põe-se nos cerrados das aldeias; nos lugares ocultos mata o inocente; os seus olhos estão ocultamente fixos sobre o pobre.
Provérbios 1:11 Se disserem: Vem conosco, espiemos o sangue, espreitemos sem razão os inocentes,
Provérbios 1:18 E estes armam ciladas contra o seu próprio sangue; e a sua própria vida espreitam.
Isaías 26:21 Porque eis que o Senhor sairá do seu lugar para castigar os moradores da terra, por causa da sua iniquidade; e a terra descobrirá o seu sangue e não encobrirá mais aqueles que foram mortos.
Jeremias 26:15 Sabei, porém, com certeza, que, se me matardes a mim, trareis sangue inocente sobre vós, e sobre esta cidade, e sobre os seus habitantes, porque, na verdade, o Senhor me enviou a vós para dizer aos vossos ouvidos todas estas palavras.
Mateus 5:21 Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; mas qualquer que matar será réu de juízo.
Mateus 19:18 Disse-lhe ele: Quais? E Jesus disse: Não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho;
Atos 28:4 E os bárbaros, vendo-lhe a víbora pendurada na mão, diziam uns aos outros: Certamente este homem é homicida, visto como, escapando do mar, a Justiça não o deixa viver.
Romanos 13:9 Com efeito: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não cobiçarás, e, se há algum outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.
Gálatas 5:21 invejas, homicídios, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus.
I Timóteo 1:9 sabendo isto: que a lei não é feita para o justo, mas para os injustos e obstinados, para os ímpios e pecadores, para os profanos e irreligiosos, para os parricidas e matricidas, para os homicidas,
Tiago 2:11 Porque aquele que disse: Não cometerás adultério, também disse: Não matarás. Se tu, pois, não cometeres adultério, mas matares, estás feito transgressor da lei.
Tiago 2:13 Porque o juízo será sem misericórdia sobre aquele que não fez misericórdia; e a misericórdia triunfa sobre o juízo.
I João 3:12 Não como Caim, que era do maligno e matou a seu irmão. E por que causa o matou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas.

Mapas Históricos

Os mapas históricos bíblicos são representações cartográficas que mostram as diferentes regiões geográficas mencionadas na Bíblia, bem como os eventos históricos que ocorreram nesses lugares. Esses mapas são usados ​​para contextualizar a história e a geografia das narrativas bíblicas, tornando-as mais compreensíveis e acessíveis aos leitores. Eles também podem fornecer informações adicionais sobre as culturas, as tradições e as dinâmicas políticas e religiosas das regiões retratadas na Bíblia, ajudando a enriquecer a compreensão dos eventos narrados nas Escrituras Sagradas. Os mapas históricos bíblicos são uma ferramenta valiosa para estudiosos da Bíblia e para qualquer pessoa que queira se aprofundar no estudo das Escrituras.

A Entrega da Lei

século XV ou XIII a.C.
O MONTE SINAI
Os israelitas seguiram caminho em direção a sudeste, numa rota mais ou menos paralela ao golfo de Suez. Não há meio de determinar exatamente os lugares onde pararam, mas, ainda assim, é possível traçar em linhas gerais a sua jornada pela região conhecida hoje como península do Sinai. O povo de Israel chegou ao deserto do Sinai no terceiro mês depois de sua partida do Egito. Nesse local, o Senhor apareceu a Moisés, dizendo: "Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da escravidão", e revelando várias leis, começando pelos Dez Mandamentos' e continuando com um código legal extenso que constitui o restante do livro de Exodo, todo o livro de Levítico e Números 1:1-10.10. 0 povo acampou no sopé da montanha, cujo pico foi coberto com fogo quando o Senhor desceu. A localização exata do monte Sinai é incerta, mas existem dois candidatos fortes:

1. O lugar tradicional é lebel Musa.com 2.244 m, identificado como o Sinai desde o tempo do imperador bizantino Justiniano (527-565 d.C.).

2. Bases-Safsafeb, um monte mais baixo, com 1.993 m, mas em cujo sopé há uma planície grande o suficiente para abrigar seiscentos mil homens e seus dependentes sem que precisassem se aproximar do monte? Jebal Serbal, com 2.070 m, a nordeste, também é apontado como candidato. As tentativas modernas de situar o monte Sinai em outros lugares como, por exemplo, a leste do golfo de Acaba, na Arábia, implicam mudanças radicais na rota percorrida no deserto. O fato de Paulo situar o monte Sinai na Arábia?
dificilmente pode ser considerado uma evidência, pois no tempo do Império Romano, a região conhecida como Arábia incluía o que chamamos hoje de península do Sinai.

TRATADO E ALIANÇA
O texto da aliança (ou acordo) firmada pelo Senhor com seu povo, Israel, no monte Sinai se encontra registrado na segundo metade do livro de Êxodo e em Levítico. Outros textos descrevendo a construção da tenda de culto (ou tabernáculo) e dos rituais a serem realizados pelos sacerdotes foram acrescentados à essa estrutura principal. A aliança foi renovada quase quarenta anos depois, nos últimos dias de Moisés, quando Israel estava prestes a entrar na terra prometida. O texto dessa aliança se encontra registrado no livro de Deuteronômio (um termo grego que significa "lei repetida"). As duas alianças seguem um padrão semelhante, como se pode observar no quadro da página ao lado. Felizmente, temos acesso a vários tratados (acordos entre monarcas e seus estados-vassalos) do Império Hitita, extinto em c. 1180 a.C. Esses tratados seguem um padrão praticamente idêntico a das alianças apresentadas no Pentateuco, tendo como principal diferença o fato de, nos tratados hititas, as maldições sem declaradas antes das bênçãos. Nas alianças do Antigo Testamento, as estipulações são apresentadas como leis diversas dadas pelo Senhor ao seu povo.
Os tratados feitos a primeira metade do primeiro milênio a.C. que, para muitos, é o período no qual o Pentateuco foi compilado a partir de várias fontes, seguem um padrão consideravelmente distinto. Não fornecem um prólogo histórico, a lista de testemunhas aparece antes das estipulações e estas são seguidas de maldições proferidas sobre quem violar o tratado. Convém observar, ainda, a ausência de bênçãos para quem guardar os termos da aliança.

CÓDIGOS LEGAIS ANTIGOS
A lei que o Senhor entregou a Moisés não foi o único código legal do Antigo Oriente Próximo a sobreviver. Vários outros são dignos de nota:
As
60) leis da cidade-estado de Eshnunna, na região central da Mesopotâmia, datadas de c. 1800 a.C.

O famoso Código de Hamurábi (com cerca de 282 leis), rei da Babilônia (1792-1750 a.C.), gravadas numa estela de basalto polido com 2,7 m de altura, levada como despojo a Susà, no sudoeste do Ira, e hoje parte do acervo do museu do Louvre, em Paris.

As 200 leis hititas, datadas de c. 1600 a.C. As 128 leis da Média Assíria, datadas do reinado de Tiglate-Pileser I (1115-1077 a.C.).

As diferenças entre as leis de Eshnunna e Hamurábi, por exemplo, e as leis de Moisés, são pronunciadas demais para sugerir uma inter-relação direta. As semelhanças encontradas entre os códigos legais refletem apenas um conjunto comum de valores presente em grande parte do Antigo Oriente Próximo nesse período. Devemos observar que, no tocante à sequência e ao número de estipulações legais, as leis de Moisés se encontram na mesma ordem das leis mencionadas acima, com cerca de 138 prescrições em Êxodo e Levítico e 101 prescrições em Deuteronômio.

O COMPILADOR DO PENTATEUCO
Considerando-se o que sabemos acerca dos procedimentos utilizados por escribas antigos, não há dúvidas que Moisés poderia ter compilado um documento como o Pentateuco usando fontes mais antigas. Por certo, Moisés conhecia o sistema hieroglífico de escrita do Egito e talvez houvesse aprendido também o acádio, a língua dos babilônios e da diplomacia na época. A escrita alfabética já era usada no tempo de Moisés. É interessante observar que alguns dos exemplos mais antigos de alfabeto dos quais se tem conhecimento foram encontrados em minas de turquesa egípcias em Serabit el-Khadim, na península do Sinai, e foram registrados por mineiros semitas por volta de 1700 .C. As semelhanças entre as alianças biblicas (Êxodo, Levítico e Deuteronômio) e os tratados da época sugerem que foram compiladas por uma pessoa com experiência diplomática. Moisés é um candidato apropriado, mas muitos estudiosos da Biblia rejeitam a ideia tradicional, corroborada por Tesus de que Moisés compilou o Pentateuco ou pelo menos uma parte considerável dos cinco livros. Tais estudiosos argumentam que a linguagem do Pentateuco é semelhante à da monarquia israelita, instituída vários séculos depois da morte de Moisés. A possibilidade dos textos do Pentateuco terem sido "modernizados" num período posterior não invalida a autoria mosaica. O relato da morte de Moisés em Deuteronômio 34 é, obviamente, uma exceção.

 

Por Paul Lawrence

 

Referências:

Êxodo 20:1-17
Êxodo 12.37
Êxodo 1 20.18
Gálatas 4.25
Marcos 7:10

Península do Sinai. Provável localização do monte Sinai
Península do Sinai. Provável localização do monte Sinai
Península do Sinai. Provável localização do monte Sinai
Península do Sinai. Provável localização do monte Sinai
Códigos legais no Antigo Oriente
Códigos legais no Antigo Oriente

Livros

Livros citados como referências bíblicas, que citam versículos bíblicos, são obras que se baseiam na Bíblia para apresentar um argumento ou discutir um tema específico. Esses livros geralmente contêm referências bíblicas que são usadas para apoiar as afirmações feitas pelo autor. Eles podem incluir explicações adicionais e insights sobre os versículos bíblicos citados, fornecendo uma compreensão mais profunda do texto sagrado.

Referências em Livro Espírita


Emmanuel

ex 20:13
O Consolador

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 0
Página: 161
Francisco Cândido Xavier
Emmanuel

 — Na reunião de 31 de outubro de 1939, no Grupo Espírita “Luís Gonzaga”, de Pedro Leopoldo, um amigo do Plano Espiritual lembrou aos seus componentes a discussão de temas doutrinários, por meio de perguntas nossas à entidade de Emmanuel, a fim de ampliar-se a esfera dos nossos conhecimentos.


Consultado sobre o assunto, o Espírito Emmanuel estabeleceu um programa de trabalhos a ser executado pelo nosso esforço, que foi iniciado pelas duas questões seguintes:


— Apresentando o Espiritismo, na sua feição de Consolador prometido pelo Cristo, três aspectos diferentes: científico, filosófico, religioso, qual desses aspectos é o maior?

— “Podemos tomar o Espiritismo, simbolizado desse modo, como um triângulo de forças espirituais.

“A Ciência e a Filosofia vinculam à Terra essa figura simbólica, porém, a Religião é o ângulo divino que a liga ao Céu. No seu aspecto científico e filosófico, a doutrina será sempre um campo nobre de investigações humanas, como outros movimentos coletivos, de natureza intelectual que visam o aperfeiçoamento da Humanidade. No aspecto religioso, todavia, repousa a sua grandeza divina, por constituir a restauração do Evangelho de Jesus-Cristo, estabelecendo a renovação definitiva do homem, para a grandeza do seu imenso futuro espiritual.”


— A fim de intensificar os nossos conhecimentos relativamente ao tríplice aspecto do Espiritismo, poderemos continuar com as nossas indagações?

— “Podereis perguntar, sem que possamos nutrir a pretensão de vos responder com as soluções definitivas, embora cooperemos convosco da melhor vontade.

“Aliás, é pelo amparo recíproco que alcançaremos as expressões mais altas dos valores intelectivos e sentimentais.

“Além do túmulo, o Espírito desencarnado não encontra os milagres da sabedoria, e as novas realidades do Plano imortalista transcendem aos quadros do conhecimento contemporâneo, conservando-se numa esfera quase inacessível às cogitações humanas, escapando, pois, às nossas possibilidades de exposição, em face da ausência de comparações analógicas, único meio de impressão na tábua de valores restritos da mente humana.

“Além do mais, ainda nos encontramos num plano evolutivo sem que possamos trazer ao vosso círculo de aprendizado as últimas equações, nesse ou naquele setor de investigação e de análise. É por essa razão que somente poderemos cooperar convosco sem a presunção da palavra derradeira. Considerada a nossa contribuição nesse conceito indispensável de relatividade, buscaremos concorrer com a nossa modesta parcela de experiência, sem nos determos no exame técnico das questões científicas, no objeto das polêmicas da Filosofia e das religiões, sobejamente movimentados nos bastidores da opinião, para considerarmos tão somente a luz espiritual que se irradia de todas as coisas e o ascendente místico de todas as atividades do espírito humano dentro de sua abençoada escola terrestre, sob a proteção misericordiosa Deus.”



As questões apresentadas foram as mais diversas e numerosas. Todos os componentes do Grupo, bem como outros amigos espiritistas de diferentes pontos, cooperaram no acervo das perguntas, ora manifestando as suas necessidades de esclarecimento íntimo, no estudo do Evangelho, ora interessados em assuntos novos que as respostas de Emmanuel suscitavam.

Em seguida, o autor espiritual selecionou as questões, deu-lhes uma ordem, catalogou-as em cada assunto particularizado, e eis aí o novo livro.

Que as palavras sábias e consoladoras de Emmanuel proporcionem a todos os companheiros de doutrina o mesmo bem espiritual que nos fizeram, são os votos dos modestos trabalhadores do Grupo Espírita “Luís Gonzaga”, de Pedro Leopoldo, Minas Gerais.


Pedro Leopoldo, 8 de março de 1940.


ex 20:13
alvorada do reino

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 11
Francisco Cândido Xavier
Emmanuel

Não matarás — determina a Lei. (Ex 20:13)

Não basta, porém, te prives de furtar o corpo aos semelhantes.

Aprendamos a cultivar a vida, engrandecendo-a, aqui e além, hoje e sempre.

Não mates o tempo com o veneno da inutilidade, porque pela sombra das horas que aniquilas em vão, serás visitado pelas trevas tentadoras da maldade e do crime, compelindo-te talvez, a investir muitos séculos do futuro em pesados compromissos.

Não aniquiles a confiança do próximo com a lâmina da aspereza ou da ingratidão, de vez que pela dor do vizinho que menosprezas, podes ser constrangido a inquietantes padecimentos de reajuste.

Não apagues o entusiasmo de teu irmão nas boas obras, nas quais nas sentimos atraídos pelo ideal superior, porquanto, o fel de teu pessimismo pode induzi-lo ao desânimo, estabelecendo aflitivos débitos em teu própria desfavor.

Não extingas a fé que brilha no coração dos companheiros, manejando a lança do desapontamento ou da incompreensão, porque o frio em que envolveres a tarefa dos outros, será, mais tarde, neve de angústia e desencanto ao redor de teus passos.

Não extermines a luz, a alegria, a paz, a esperança, o trabalho ou o otimismo dos que marcham contigo, lado a lado, na mesma senda de luta, na convicção de que a morte por tuas mãos será sempre morte a ti mesmo.

Entronizemos a vida em nossa alma e adubemo-la com a nossa boa vontade na extensão do progresso e do serviço, da harmonia e do amor, e, ainda mesmo a pretexto de legítima defesa, abstenhamo-nos do mal, recordando, com o Divino Mestre que a cruz do supremo sacrifício será sempre brilhante ressurreição.



ex 20:13
Há dois mil anos...

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 10
Francisco Cândido Xavier
Emmanuel

Em radiosa manhã do ano de 79, toda Pompeia  despertou em rumores festivos.

A cidade havia recebido a visita de um ilustre questor do Império e, naquele dia, todas as ruas se movimentavam em alacridade barulhenta, aguardando-se, para breves horas, as festas deslumbrantes do anfiteatro, com que a administração desejava celebrar o evento, em meio da alegria geral.

Para o velho senador Públio Lêntulus, o acontecimento se revestia de importância especial, porquanto o distinto hóspede de Pompeia lhe trazia significativa mensagem, bem como honrosas deferências de Tito Flávius Vespasiano, então imperador, na sucessão de seu pai.

Ainda mais.

No séquito do questor ilustre vinha, igualmente, Plínio Sevérus, em plenitude de maturidade, totalmente regenerado e julgando-se agora redimido no conceito da esposa e daquele que o seu coração considerava como pai.

 

Nesse dia, enquanto Ana comandava, verbalmente, as atividades domésticas nos preparativos da recepção, mobilizando escravos e servos numerosos, Públio e filha se abraçavam comovidos, em face da cariciosa surpresa que o destino lhes reservara, embora tardiamente. Avisados por mensageiros da caravana de patrícios ilustres, davam larga às emoções mais gratas do espírito, na doce perspectiva de acolherem o filho pródigo, tantos anos distante de seus braços carinhosos e amigos.

Antes do meio-dia, um deslumbramento de viaturas, de cavalos ajaezados e de joias faiscantes sobre vestiduras reluzentes se deparava às portas da vila plácida e graciosa, provocando a admiração e o interesse curioso das vizinhanças. E, em seguida foi um turbilhão de abraços, carinhos, palavras confortadoras e generosas.

Quase todos os patrícios, em excursão pela Campânia,  conheciam o senador e sua família, representando esse acontecimento um suave encontro de corações.

 

Públio Lêntulus abraçou Plínio, demoradamente, como se o fizesse a um filho bem-amado, que voltasse de longe e cuja ausência houvera sido excessivamente prolongada, embora experimentasse no íntimo impulsos de extravasão de afeto, que seu coração dominou, para não provocar a admiração injustificada dos circunstantes.

— Meu pai, meu pai! — disse o filho de Flamínio em tom discreto e quase imperceptível aos seus ouvidos, quando lhe beijava a fronte encanecida — já me perdoastes?

— Ó filho, como tardaste tanto?!… Quero-te como sempre e que o Céu te abençoe!… — respondeu o velho cego, emocionado.

Daí a instante, após o doce encontro de Plínio e sua mulher, exclamou o questor em meio do silêncio geral:

— Senador, honro-me em trazer-vos preciosa lembrança de César, acompanhada de uma mensagem de reconhecimento da alta administração política do Império, um dos mais fortes e mais justos motivos de minha permanência em Pompeia, e incumbo o nosso amigo Plínio Sevérus de vos entregar, neste momento, estas relíquias que representam uma das mais significativas homenagens do Império ao esforço de um dos seus mais dedicados servidores!…

 

Públio Lêntulus sentia bem a suprema emoção daquela hora.

A homenagem do imperador, a carinhosa presença dos amigos, a volta do genro aos seus braços paternos, representavam para o seu coração uma alegria entontecedora.

Seus olhos, entretanto, nada podiam ver. Do seio da sua noite, ouvia aqueles apelos generosos, como um desterrado da luz, de quem se exumassem as recordações mais carinhosas, e mais doces.

— Amigos — disse, enxugando uma lágrima furtiva nos olhos apagados —, tudo isso é para mim a maior recompensa de uma vida inteira. Nosso imperador é um espírito excessivamente generoso, porque a verdade é que nada fiz para merecer o reconhecimento da pátria. Minhalma, todavia, exulta convosco, meus patrícios, porque a nossa reunião nesta casa é símbolo de união e trabalho, nos elevados encargos do Império!…

 

Nesse instante, contudo, alguém tomava-lhe as mãos encarquilhadas, levando-as aos lábios úmidos, deixando, porém, nas pequeninas conchas das rugas, duas lágrimas ardentes.

Plínio Sevérus, num gesto espontâneo, ajoelhara-se e, osculando-lhe as mãos, dava expansão ao seu afeto e reconhecimento, ao mesmo tempo que lhe fazia entrega da mensagem imperial que o velho senador não mais podia ler.

Públio Lêntulus chorava, sem poder pronunciar uma única palavra, tal a emoção que lhe oprimia o íntimo, enquanto os circunstantes lhe acompanhavam as atitudes com os olhos rociados de pranto.

 

Nesse ínterim, o filho de Flamínio não mais se conteve e, consagrando a sua regeneração espiritual, exclamava enternecido:

— Meu querido pai, não choreis, se aqui nos achamos todos para compartilhar vossa alegria!… Diante de todos os nossos amigos romanos, com a homenagem do Império, eu vos entrego o meu coração regenerado para sempre!… Se estais agora cego, meu pai, não o estais pelo espírito que sempre procurou dissipar as sombras e remover tropeços do nosso caminho!… Continuareis guiando os meus, ou, melhor, os nossos passos, com as vossas antigas tradições de sinceridade e de esforço, na retidão do proceder!… Voltareis comigo para Roma e, junto de vosso filho reabilitado, organizareis novamente o palácio do Aventino… Serei, então, para todo o sempre, uma sentinela do vosso espírito, para vos amar e proteger!… Tomarei minha esposa a meu inteiro cuidado e, dia a dia, tecerei para nós três uma auréola de venturas novas e indefiníveis, com os milagres da minha afeição imorredoura! Em nossa casa do Aventino florescerá uma alegria nova, porque hei-de prover todas as vossas horas com o amor grande e santo de quem, conhecendo todas as duras experiências da vida, sabe agora valorizar seus próprios tesouros!…

 

O velho senador, alquebrado pelos anos e pelos mais rudes sofrimentos, conservava-se de pé, acariciando os cabelos do genro, igualmente prateados pelos invernos da vida, enquanto pesadas lágrimas rompiam a muralha da sua noite para enternecer o coração de todos, numa angustiosa e indefinível emotividade. Flávia Lentúlia chorava, igualmente, dominada por íntimas sensações de felicidade, ao cabo de tão longas e desalentadas esperanças!…

Alguns amigos desejavam quebrar a solenidade dolorosa daquele quadro imprevisto, mas o próprio questor, que chefiava a caravana de patrícios ilustres, se ocultara num recanto, sensibilizado até às lágrimas.

Públio Lêntulus, contudo, compreendendo que somente ele próprio poderia modificar as disposições daquela paisagem sentimental, reagiu às emoções, exclamando:

— Levanta-te, meu filho!… Nada fiz para me agradeceres de joelhos… Porque me falas deste modo?… Voltaremos para Roma, sim, em breves dias, pois todos os teus desejos são os nossos… regressaremos à nossa casa do Aventino, onde, juntos, viveremos para relembrar o pretérito e venerar a memória dos nossos antepassados!

E, depois de uma pausa, continuou, em exclamações quase otimistas:

— Meus amigos, sinto-me comovido e grato pela gentileza e carinho de todos vós! Mas, que é isso? Todos silenciosos? Lembrai-vos de que não vos vejo senão através das palavras. E a festa de hoje?…

 

As exclamações do senador quebraram o silêncio geral, voltando-se aos intensos ruídos de minutos antes. A torrente das palestras casava-se ao tinir das taças de vinho, em seus pesados estilos da época.

Enquanto as visitas se reuniam no triclínio espaçoso para libações ligeiras, Plínio Sevérus e a esposa trocavam confidências cariciosas e ternas, ora sobre os projetos em perspectiva para os anos que ainda lhes restavam no mundo, ora quanto às recordações dos dias lentos e amargurados do passado distante.

Insistentes chamados, porém, requeriam a presença do questor e comitiva, no local dos festejos.

O circo fora preparado a rigor e não se perdera nenhuma oportunidade para a realização das menores minudências, próprias das grandes festividades romanas.

 

E ao mesmo tempo que todos se despediam do senador e de sua filha, num deslumbramento de felicidade mundana, Plínio Sevérus dirigia-se a Públio nestes termos, depois de abraçar ternamente a companheira:

— Meu pai, levado pelas circunstâncias, sou compelido a acompanhar o questor nas festividades populares, mas estarei de regresso em breves horas, para ficar convosco um mês, de modo a tratarmos do nosso regresso a Roma.

— Muito bem, meu filho — respondia o velho senador, sumamente confortado —, acompanha os nossos amigos e representa-me junto das autoridades. Dize a todos da minha emoção e do meu agradecimento sincero.

 

A sós novamente, o senador sentiu que aquelas comoções cariciosas e alegres eram, talvez, as últimas da sua vida. No velho peito, o coração batia-lhe descompassado, como se pesada nuvem de pensamentos tristes o envolvesse. Sim, a volta de Plínio aos seus braços paternos era a alegria suprema da sua velhice desalentada. Sabia, agora, que a filha poderia contar com o esposo, nas estradas do seu tormentoso destino e que a ele, Públio, somente competia aguardar a morte, resignado. Ponderando as palavras afetuosas do filho de Flamínio e os seus carinhosos apelos ao passado remoto, Públio Lêntulus considerou, intimamente, que era muito tarde para regressar ao Aventino e que a volta a Roma apenas devia significar, para o seu espírito precito, o símbolo da sepultura.

 

Em pleno espetáculo, Plínio Sevérus, já no outono da vida, arquitetava os planos de futuro. Procuraria resgatar todas as faltas antigas, perante os seus parentes afetuosos e queridos; assumiria a direção de todos os negócios do velho pai pelo coração, aliviando-o de todas as angustiosas preocupações da vida material.

De vez em quando, os aplausos da multidão lhe interrompiam os devaneios. A maioria da população de Pompeia ali estava em plena festa ovacionando os triunfadores. Gente de toda a redondeza e muito particularmente de Herculânum,  acorrera pressurosa ao divertimento predileto daquelas épocas recuadas. De permeio com os atletas e gladiadores, estavam os músicos, os cantores e os dançarinos. Tudo era um farfalhar de sedas, um delicioso chocalhar de alegrias ruidosas, ao som de flautas e alaúdes.

 

Em dado instante, porém, a atenção geral foi solicitada por um fato estranho e incompreensível. Do cimo do Vesúvio elevava-se grossa pirâmide de fumo, sem que ninguém atinasse com a causa do fenômeno insólito.

Continuavam os jogos animadamente, mas agora, no seio da coluna fumarenta que se elevava em caprichosos rolos para o alto, surgiam impressionantes labaredas…

Plínio Sevérus, como todos os presentes, se surpreendia com o fenômeno estranho e inexplicável.

Em minutos breves, no entanto, estabeleciam-se no anfiteatro a confusão e o terror.

Em meio da perturbação geral e imprevista, o filho de Flamínio ainda teve tempo de se aproximar do questor, então rodeado dos seus familiares que residiam na cidade, o qual lhe falou com otimismo, embora não conseguisse dissimular de todo as íntimas inquietações:

— Meu amigo, tenhamos calma! Pelas barbas de Júpiter!… Então, por onde andarão a nossa coragem e a nossa fibra?

 

Mas, em breves instantes a terra lhes tremia sob os pés, em vibrações desconhecidas e sinistras. Algumas colunas tombavam ao solo, pesadamente, enquanto numerosas estátuas rolavam dos nichos improvisados, recamados de ouro e pedrarias.

Abraçando-se, então, à filha e cercado de numerosas senhoras, o questor disse altamente preocupado:

— Plínio, demandemos as galeras, sem demora!…

Mas, o oficial romano não mais ouviu os apelos. Ansiosamente, atirou-se à faina de romper a multidão, que desejava retirar-se em massa do circo, motivando o esmagamento de crianças e pessoas mais idosas.

Ao cabo de sobre-humano esforço, conseguiu alcançar a rua, mas todos os lugares estavam tomados pela massa que saía de casa, desarvorada, aos gritos de “Fogo!… Fogo!… O Vesúvio…”

 

Plínio verificou que todas as vias públicas estavam repletas de gente desesperada, de viaturas e de animais espavoridos.

Com enorme dificuldade, vencia todos os obstáculos, mas o Vesúvio lançava agora, para o céu, uma fogueira indescritível e imensa, como se a própria Terra houvera incendiado as entranhas mais profundas.

Uma chuva de cinza, a princípio quase imperceptível, começou a cair, enquanto o solo continuava a tremer com ruídos surdos, aterradores.

De instante a instante, ouvia-se o estrondo pavoroso de colunas derribadas ou de edifícios desmoronados pelos abalos sísmicos, ao mesmo tempo que o fumo do vulcão ia eclipsando a confortadora claridade solar.

Mergulhada em penumbra espessa e tomada de terror indizível, Pompeia assistia aos seus últimos instantes numa aflição desesperada…

 

Na vila de Lêntulus, os escravos perceberam imediatamente o perigo próximo. Nos primeiros momentos, os cavalos relinchavam estranhamente e as aves inquietas fugiam em desespero.

Após a queda das primeiras colunas que sustentavam o edifício, todos os servos do senador abandonaram precipitadamente os postos, desejosos de conservar noutra parte os bens preciosos da vida. Somente Ana ficara junto dos amos, dando-lhes conhecimento dos horrores do ambiente.

Os três, numa justificada inquietude, escutaram o rumor horrível da inolvidável catástrofe do Império. A própria vila estava já meio destruída, penetrando as cinzas pelos desvãos abertos pela queda dos telhados e começando a sua obra de lenta sufocação. Ansiavam todos pelo regresso imediato de Plínio, a fim de resolverem as providências a adotar, mas o velho senador, cujo coração não se iludia nos seus amargurados pressentimentos, exclamou em tom quase resignado:

— Ana, traze a cruz de Simeão e vamos à prece que te foi ensinada pelos discípulos do Messias!… Diz-me o coração que é chegado o fim da nossa romagem pela Terra!

 

Enquanto a serva buscava apressadamente a relíquia do ancião de Samaria, afrontando o perigo das paredes oscilantes, Públio Lêntulus ouvia o surdo rumor da terra dilacerada e os gritos apavorantes e sinistros do povo, misturados ao barulho tremendo do vulcão que, transformado em fornalha imensa e indescritível, enchia toda a cidade de cinzas e lavas ferventes. , então, o senador, das afirmativas do Cristo nos dias idos da Galileia, quando lhe asseverava que toda a grandeza romana era bem miserável e num minuto breve poderia o Império ser reduzido a um punhado de pó. O coração batia-lhe descompassado naquele minuto extremo, mas a velha serva havia regressado e ajoelhara-se, serena, guardando nas mãos a lembrança de Simeão e de Lívia, orando em voz comovedora e profunda:

“Pai Nosso, que estais no Céu… santificado seja o vosso nome… venha a nós o vosso reino… seja feita a vossa vontade… assim na Terra como nos Céus…” (Mt 6:9)

 

Nesse instante, porém, a voz da serva emudeceu subitamente, enquanto seu corpo rolava sob novos escombros, sentindo-se ela amparada, espiritualmente, pelo venerável samaritano que a conduziu, imediatamente, às mais elevadas Esferas espirituais, tal a pureza do seu coração iluminado nas dores e testemunhos mais angustiosos do aprendizado terrestre.

— Ana!… Ana!… — exclamavam Públio e Flávia, soluçantes, sentindo ambos pela primeira vez o infortúnio do insulamento supremo, sem uma luz e sem um guia, em pleno desamparo!

Alguém, contudo, rompera todos os destroços e chegava, rápido, até àquela câmara interior e, abraçando Públio e sua filha, gritava em voz opressa: — “Flávia, meu pai, aqui estou…”

Plínio chegava, afinal, para o instante derradeiro. Flávia Lentúlia apertou-o carinhosamente nos braços, enquanto o velho senador semi-asfixiado tomava as mãos do filho, abraçando-se os três num amplexo caricioso e derradeiro.

Flávia e Plínio quiseram falar, mas grossa camada de cinzas penetrava o interior, pelas fendas enormes da vila meio destruída…

Mais um estremeção do solo e as colunas que ainda restavam de pé se abateram sobre os três, roubando-lhes as últimas energias e fazendo-os cair assim, enlaçados para sempre, sob um montão de escombros…

 

Naquelas sombras espessas, todavia, pairavam criaturas aladas e leves, em atitudes de prece, ou confortando ativamente o coração abatido dos míseros condenados à destruição.

Sobre os três corpos soterrados permanecia a entidade radiosa de Lívia, junto de numerosos companheiros que cooperavam, com devotamento e precisão, nos serviços de desprendimento total dos moribundos.

Pousando as mãos luminosas e puras na fronte abatida do companheiro exausto e agonizante, Lívia elevou os olhos ao firmamento enegrecido e orou com a suavidade da sua fé e dos seus sentimentos diamantinos.

— Jesus, meigo e divino Mestre — esta hora angustiosa é bem um símbolo dos nossos erros e crimes, através de avatares tenebrosos; mas, vós, Senhor, sois toda a esperança, toda a sabedoria e toda a misericórdia!… Abençoai nosso espírito neste momento ríspido e doloroso!… Suavizai os tormentos da alma gêmea da minha, concedendo-lhe neste instante o alvará da liberdade! Aliviai, magnânimo Salvador do mundo, todas as suas mágoas pungentes, suas desoladoras amarguras!… Concedei-lhe repouso ao coração angustiado e dolorido, antes do seu novo regresso à trama escura das reencarnações no planeta do exílio e das lágrimas dolorosas… Ele já não é mais, Senhor, o vaidoso déspota de outrora, mas um coração inclinado ao bem e à piedade pregados pela vossa doutrina de amor e redenção; sob o peso das provações amargas e remissoras, seus pendores se espiritualizaram a caminho da vossa verdade e da vossa Vida!…

E, enquanto Lívia orava, o senador abraçado aos filhos, já cadáveres, desferia o último gemido, com pesada lágrima a lhe cintilar nos olhos mortos…

Numerosas legiões de seres espirituais volitaram por vários dias, nos céus caliginosos e tristes de Pompeia.

 

Ao cabo de longas perturbações, Públio Lêntulus e filhos despertaram, ali mesmo, sobre o túmulo nevoento da cidade morta.

Em vão o senador invocou a presença de Ana ou de algum outro servo, na penosa ilusão da vida material, persistindo em seu organismo psíquico as impressões da cegueira material, que representara o longo suplício dos seus anos derradeiros, na indumenta da carne.

Contudo, após as primeiras lamentações, ouviu uma voz cariciosa que lhe dizia brandamente:

— Públio, meu amigo, não apeles mais para os recursos do planeta terreno, porque todos os teus poderes terminaram com os teus despojos, na face escura e triste da Terra! Apela para Deus Todo-Poderoso, cuja misericórdia e sabedoria nos são dadas pelo amor do seu Cordeiro, que é Jesus-Cristo!…

Públio Lêntulus não chegou a lobrigar o interlocutor, mas identificou a voz de Flamínio Sevérus, desabafando, então, numa torrente de preces e de lágrimas fervorosas.

Embora as dedicações constantes de Lívia, havia já alguns dias que seu espírito se encontrava presa de pesadelos angustiosos, nos primeiros instantes da vida do Além, assistido, porém, continuamente por Flamínio e outros companheiros abnegados, que o aguardavam no Plano espiritual.

 

Contudo, depois daquelas súplicas sinceras que lhe fluíam do mais recôndito do coração, sentiu que seu mundo interior se desanuviara… Junto dos filhos queridos, recobrou a visão e reconheceu os entes amados, com lágrimas de amor e reconhecimento, nos pórticos do além-túmulo.

Ali se conservavam numerosas personagens desta história, como Flamínio, Calpúrnia, Agripa, Pompílio Crasso, Emiliano Lúcius e muitos outros; mas, em vão, os olhos angustiosos do ex-senador procuravam alguém na assembleia afetuosa e amiga.

Depois de todas as expansões de carinho e alegria dirigiu-se-lhe Flamínio, intencionalmente.

— Estranhas a ausência de Lívia — dizia ele com o seu olhar complacente e generoso —, mas não poderás vê-la, enquanto não conseguires despir, pela prece e pelos bons desejos, todas as impressões penosas e nocivas da Terra. Ela se tem conservado junto do teu coração, em rogativas sinceras e fervorosas pelo teu reerguimento, mas o nosso grupo ainda é de Espíritos muito apegados ao orbe, e esperávamos o regresso dos seus últimos componentes, ainda na Terra, para podermos, em conjunto, estabelecer novo roteiro às reencarnações vindouras… Séculos de trabalho e de dor nos esperam na senda da redenção e do aperfeiçoamento, mas precisamos, antes de tudo, buscar a fortaleza precisa em Jesus, fonte de todo o amor e de toda a fé para as elevadas realizações do nosso pensamento!…

 

Públio Lêntulus chorava, tocado por emoções estranhas e indefiníveis…

— Meu amigo — continuou Flamínio, carinhoso —, pede a Jesus por todos nós, a misericórdia dessa claridade de um novo dia!…

Públio, então, ajoelhou-se e, banhado em lágrimas, concentrou o coração em Jesus numa rogativa ardente e silenciosa… Ali, na soledade da sua alma intrépida e sincera, apresentava ao Cordeiro de Deus o seu arrependimento, suas esperanças para o porvir, suas promessas de fé e de trabalho para os séculos porvindouros!…

Todos os presentes lhe acompanharam a oração, tomados de pranto e mergulhados em vibrações cariciosas de consolação indefinível…

Viram, então, rasgar-se um caminho luminoso e florido nos céus escuros e tristes da Campânia, e, por ele, como se descessem dos jardins fulgurantes do Paraíso, surgiram Lívia e Ana abraçadas, como se ainda ali enviasse Jesus um ensinamento simbólico àquelas almas prisioneiras da Terra, de modo a lhes revelar que, em qualquer posição, pode a alma encarnada buscar o seu reino de luz e de paz, de vida e de amor, tanto na túnica humilde do escravo, como na pomposa indumentária dos senhores.

O velho patrício contemplou a figura radiosa da companheira e, extasiado, fechou os olhos banhados no pranto da compunção e do arrependimento; mas, em breve, dois lábios de névoa pousavam-lhe na fronte, qual o leve roçar de um lírio divino. E, enquanto seu coração maravilhado se lavava nas lágrimas da alegria e do reconhecimento a Jesus, toda a caravana, ao impulso poderoso das preces fervorosas daquelas duas almas redimidas, elevava-se a Esferas mais altas, para repouso e aprendizado, antes de novas etapas de regeneração e trabalhos purificadores, a lembrar um grupo maravilhoso de luminosas falenas do Infinito!…



ex 20:13
Evangelho por Emmanuel, O – Comentários ao Evangelho Segundo Mateus

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 67
Francisco Cândido Xavier
Emmanuel
“Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir.” — JESUS (Mt 5:17)

“Não matarás”, diz a Lei. (Ex 20:13)

O texto não se refere, porém, unicamente, à vida dos semelhantes.

Não frustrarás a tarefa dos outros, porque a suponhas inadequada, de vez que toda tarefa promove quem a executa, sempre que nobremente cumprida.

Não dilapidarás a esperança de ninguém, porquanto a felicidade, no fundo, não é a mesma na experiência de cada um.

Não destruirás a coragem daqueles que sonham ou trabalham em teu caminho, considerando que, de criatura para criatura, difere a face do êxito.

Não aniquilarás com inutilidades o tempo de teus irmãos, porque toda hora é agente sagrado nos valores da Criação.

Não extinguirás a afeição na alma alheia, porquanto ignoramos, todos nós, com que instrumento de amor a Sabedoria Divina pretende mover os corações que nos partilham a marcha.

Não exterminarás a fé no espírito dos companheiros que renteiam contigo, observando-se que as estradas para Deus obedecem a estruturas e direções que variam ao Infinito.

Reflitamos no bem do próximo, respeitando-lhe a forma e a vida. A Lei não traça especificações ou condições dentro do assunto; preceitua, simplesmente: “não matarás”. (Ex 20:13)



ex 20:13
Evangelho por Emmanuel, O – Comentários ao Evangelho Segundo Lucas

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 137
Francisco Cândido Xavier
Emmanuel

— Com a difusão da luz espiritual, alargará o homem a noção de pátria, de modo a abranger no mesmo nível todas as nações do mundo?

— A luz espiritual dará aos homens um conceito novo de pátria, de maneira a proscrever-se o movimento destruidor pelos canhões e balas homicidas.

Quando isso se verifique, o homem aprenderá a valorizar o berço em que renasceu, pelo trabalho e pelo amor, destruindo-se concomitantemente as fronteiras materiais e dando lugar à era nova da grande família humana, em que as raças serão substituídas pelas almas e em que a pátria será honrada, não com a morte, mas com a vida bem aplicada e bem vivida.


— A desigualdade verificada entre as classes sociais, no usufruto dos bens terrenos, perdurará nas épocas do porvir?

— A desigualdade social é o mais elevado testemunho da verdade da reencarnação, mediante a qual cada espírito tem sua posição definida de regeneração e resgate. Nesse caso, consideramos que a pobreza, a miséria, a guerra, a ignorância, como outras calamidades coletivas, são enfermidades do organismo social, devido à situação de prova da quase generalidade dos seus membros. Cessada a causa patogênica com a iluminação espiritual de todos em Jesus-Cristo, a moléstia coletiva estará eliminada dos ambientes humanos.


— Pode admitir-se, em Sociologia, o conceito de igualdade absoluta?

— A concepção igualitária absoluta é um erro grave dos sociólogos, em qualquer departamento da vida. A tirania política poderá tentar uma imposição nesse sentido, mas não passará das espetaculosas uniformizações simbólicas para efeitos exteriores, porquanto o verdadeiro valor de um homem está no seu íntimo, onde cada Espírito tem sua posição definida pelo próprio esforço.

Nessa questão existe uma igualdade absoluta de direitos dos homens perante Deus, que concede a todos seus filhos uma oportunidade igual nos tesouros inapreciáveis do tempo. Esses direitos são os da conquista da sabedoria e do amor, através da vida, pelo cumprimento do sagrado dever do trabalho e do esforço individual. Eis por que cada criatura terá o seu mapa de méritos nas sendas evolutivas, constituindo essa situação, nas lutas planetárias, uma grandiosa escala progressiva em matéria de raciocínios e sentimentos, em que se elevará naturalmente todo aquele que mobilizar as possibilidades concedidas à sua existência para o trabalho edificante da iluminação de si mesmo, nas sagradas expressões do esforço individual.


— Poderão os homens resolver sem atritos as chamadas questões proletárias?

— Sim, quando se decidirem a aceitar e aplicar os princípios sagrados do Evangelho. Os regulamentos apaixonados, as greves, os decretos unilaterais, as ideologias revolucionárias, são cataplasmas inexpressivas, complicando a chaga da coletividade.

O socialismo é uma bela expressão de cultura humana, enquanto não resvala para os pólos do extremismo.

Todos os absurdos das teorias sociais decorrem da ignorância dos homens relativamente à necessidade de sua cristianização. Conhecemos daqui os maus dirigentes e os maus dirigidos, não como homens ricos e pobres, mas como a avarentos e a revoltados. Nessas duas expressões, as criaturas operaram o desequilíbrio de todos os mecanismos do trabalho natural.

A verdade é que todos os homens são proletários da evolução e nenhum esforço de boa realização na Terra é indigno do espírito encarnado.

Cada máquina exige uma direção especial, e o mecanismo do mundo requer o infinito de aptidões e de conhecimentos.

Sem a harmonia de cada peça na posição em que se encontra, toda produção é contraproducente e toda boa tarefa impossível.

Todos os homens são ricos pelas bênçãos de Deus e cada qual deve aproveitar, com êxito, os “talentos” recebidos, porquanto, sem exceção de um só, prestarão um dia, além-túmulo, contas de seus esforços.

Que os trabalhadores da direção saibam amar, e que os da realização nunca odeiem. Essa é a verdade pela qual compreendemos que todos os problemas do trabalho, na Terra, representam uma equação de Evangelho.


— Reconhecendo-se o Estado como aparelhamento de leis convencionais, é justificável a sua existência, bem como a das classes armadas, que o sustentam no mundo?

— Na situação (ou condição) atual do mundo e considerando a heterogeneidade dos caracteres e das expressões evolutivas das criaturas, examinadas isoladamente, justifica-se a necessidade dos aparelhos estatais nas convenções políticas, bem como das classes armadas que os mantêm no orbe, como institutos de ordem para a execução das provas individuais, nas contingências humanas, até que o homem perceba o sentido de concórdia e fraternidade dentro das leis do Criador, prescindindo então da obrigatoriedade de certas determinações das leis humanas, convencionais e transitórias.


— Tem o Espiritismo um papel especial junto da Sociologia?

— Na hora atual da humanidade terrestre, em que todas as conquistas da civilização se subvertem nos extremismos, o Espiritismo é o grande iniciador da Sociologia, por significar o Evangelho redivivo que as religiões literalistas tentaram inumar nos interesses econômicos e na convenção exterior de seus prosélitos.

Restaurando os ensinos de Jesus para o homem e esclarecendo que os valores legítimos da criatura são os que procedem da consciência e do coração, a doutrina consoladora dos Espíritos reafirma a verdade de que a cada homem será dado de acordo com seus méritos, no esforço individual, dentro da aplicação da lei do trabalho e do bem; razão pela qual representa o melhor antídoto dos venenos sociais atualmente espalhados no mundo pelas filosofias políticas do absurdo e da ambição desmedida, restabelecendo a verdade e a concórdia para os corações.


— Como se deverá comportar o espiritista perante a política do mundo?

— O sincero discípulo de Jesus está investido de missão mais sublime, em face da tarefa política saturada de lutas materiais. Essa é a razão por que não deve provocar uma situação de evidência para si mesmo nas administrações transitórias do mundo. E, quando convocado a tais situações pela força das circunstâncias, deve aceitá-las não como galardão para a doutrina que professa, mas como provação imperiosa e árdua, onde todo êxito é sempre difícil. O espiritista sincero deve compreender que a iluminação de uma consciência é como se fora a iluminação de um mundo, salientando-se que a tarefa do Evangelho, junto das almas encarnadas na Terra, é a mais importante de todas, visto constituir uma realização definitiva e real. A missão da doutrina é consolar e instruir, em Jesus, para que todos mobilizem as suas possibilidades divinas no caminho da vida Trocá-la por um lugar no banquete dos Estados é inverter o valor dos ensinos, porque todas as organizações humanas são passageiras em face da necessidade de renovação de todas as fórmulas do homem na lei do progresso universal, depreendendo-se daí que a verdadeira construção da felicidade geral só será efetiva com bases legítimas no Espírito das criaturas.


— Como deveremos encarar a política do racismo?

— Se é justo observarmos nas pátrias o agrupamento de múltiplas coletividades, pelos laços afins da educação e do sentimento, a política do racismo deve ser encarada como erro grave, que pretexto algum justifica, porquanto não pode apresentar base séria nas suas alegações, que mal encobrem o propósito nefasto de tirania e separatividade.


— O “não matarás” alcança o caçador que mata por divertimento e o carrasco que extermina por obrigação?

— À medida que evolverdes no sentimento evangélico, compreendereis que todos os matadores se encontram em oposição ao texto sagrado. (Ex 20:13)

No grau dos vossos conhecimentos atuais, entendeis que somente os assassinos que matam por perversidade estão contra a lei divina. Quando avançardes mais no caminho, aperfeiçoando o aparelho social, não tolerareis o carrasco, e, quando estiverdes mais espiritualizados, enxergando nos animais os irmãos inferiores de vossa vida, a classe dos caçadores não terá razão de ser.

Lendo os nossos conceitos, recordareis os animais daninhos e, no íntimo, haveis de ponderar sobre a necessidade do seu extermínio. É possível, porém, que não vos lembreis dos homens daninhos e ferozes. O caluniador não envenena mais que o toque de uma serpente? O armamentista, ou o político ambicioso, que montam com frieza a maquinaria da guerra incompreensível, não são mais impiedosos que o leão selvagem?…

Ponderemos essas verdades e reconheceremos que o homem espiritual do futuro, com a luz do Evangelho na inteligência e no coração, terá modificado o seu ambiente de lutas, auxiliando igualmente os esforços evolutivos de seus companheiros do Plano inferior, na vida terrestre.


— Considerando a determinação positiva do “não julgueis”, (Lc 6:37) como poderemos discernir o bem do mal, sem julgamento?

— Entre julgar e discernir, há sempre grande distância. O ato de julgar para a especificação de consequências definitivas pertence à autoridade divina, porém, o direito da análise está instituído para todos os Espíritos, de modo que, discernindo o bem e o mal, o erro e a verdade, possam as criaturas traçar as diretrizes do seu melhor caminho para Deus.


— Em face da lei dos homens, quando em presença do processo criminal, deve dar-se o voto condenativo, em concordância com o processo-crime, ou absolver o réu em obediência ao “não julgueis”?

— Na esfera de nossas experiências, consideramos que, à frente dos processos humanos, ainda quando as suas peças sejam condenatórias, deve-se recordar a figura do Cristo junto da pecadora apedrejada, pois que Jesus estava também perante um júri. “Quem estiver sem pecado atire a primeira pedra” (Jo 8:7) — é a sentença que deveria lembrar, sempre, a nossa situação comum de Espíritos decaídos, para não condenar esse ou aquele dos nossos semelhantes. “Vai e não peques mais” (Jo 8:11) — deve ser a nossa norma de conduta dentro do próprio coração, afastando-se a erva do mal que nele viceje.

Nos processos públicos, a autoridade judiciária, como peça integrante da máquina do Estado no desempenho de suas funções especializadas, deve saber onde se encontra o recurso conveniente para o corretivo ou para a reeducação do organismo social, mobilizando, nesse mister, os valores de sua experiência e de suas responsabilidades.

Individualmente, porém, busquemos aprender que se podemos “julgar” alguma coisa, julguemo-nos, sempre, em primeiro lugar, como o irmão mais próximo daquele a quem se atribui um crime ou uma falta, a fim de estarmos acordes com Aquele que é a luz dos nossos corações.

Nas horas comuns da existência, procuremos a luz evangélica para analisar o erro e a verdade, discernir o bem e o mal; todavia, no instante dos julgamentos definitivos, entreguemos os processos a Deus, que, antes de nós, saberá sempre o melhor caminho da regeneração dos seus filhos transviados.


— O homem que guarda responsabilidades no cargos públicos da Terra responde, no Plano espiritual, pelas ordens que cumpre e faz cumprir?

— A responsabilidade de um cargo público, pelas suas características morais, é sempre mais importante que a concedida por Deus sobre um patrimônio material. Daí a verdade que, na vida espiritual, o depositário do bem público responderá sempre pelas ordens expedidas pela sua autoridade, nas tarefas da Terra.


— O preceito evangélico — “assim pois, aquele que dentre vós não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo” (Lc 14:26) — deve ser interpretado no sentido absoluto?

— Ainda esse ensino do Mestre deve ser considerado no seu divino simbolismo.

A fortuna e a autoridade humanas são também caminhos de experiências e provas, e o homem que as atirasse fora de si, arbitrariamente, procederia com a noção da irresponsabilidade, desprezando o ensejo do progresso que a Providência Divina lhe colocou nas mãos.

Todos os homens são usufrutuários dos bens divinos, e os convocados ao trabalho de administração desses bens devem encarar a sua responsabilidade como problema dos mais sérios da vida.

Renunciando ao egoísmo, ao orgulho, à fraqueza, às expressões de vaidade, o homem cumprirá a ordenação evangélica, e, sentindo a grandeza de Deus, único dispensador no patrimônio real da vida, será discípulo do Senhor em qualquer circunstância, por usar as suas possibilidades materiais e espirituais, sem os característicos envenenados do mundo, como intérprete sincero dos desígnios divinos para felicidade de todos.


— Como interpretar o movimento feminista na atualidade da civilização?

— O homem e a mulher, no instituto conjugal, são como o cérebro e o coração do organismo doméstico.

Ambos são portadores de uma responsabilidade igual no sagrado colégio da família; e se a alma feminina sempre apresentou um coeficiente mais avançado de espiritualidade na vida, é que, desde cedo, o espírito masculino intoxicou as fontes da sua liberdade, através de todas os abusos, prejudicando a sua posição moral no decurso das existências numerosas, em múltiplas experiências seculares.

A ideologia feminista dos tempos modernos, porém, com as suas diversas bandeiras políticas e sociais, pode ser um veneno para a mulher desavisada dos seus grandes deveres espirituais na face da Terra. Se existe um feminismo legítimo, esse deve ser o da reeducação da mulher para o lar, nunca para uma ação contraproducente fora dele. É que os problemas femininos não poderão ser solucionados pelos códigos do homem, mas somente à luz generosa e divina do Evangelho.


— Como conceituar o estado de espírito do homem moderno, que tanto se preocupa com o “estar bem na vida”, “ganhar bem” e “trabalhar para enriquecer”?

— Esse propósito do homem viciado, dos tempos atuais, constitui forte expressão de ignorância dos valores espirituais na Terra, onde se verifica a inversão de quase todas as conquistas morais.

Foi esse excesso de inquietação, no mais desenfreado egoísmo, que provocou a crise moral do mundo, em cujos espetáculos sinistros podemos reconhecer que o homem físico, da radiotelefonia e do transatlântico necessita de mais verdade que dinheiro, de mais luz de pão.



ex 20:13
Evangelho por Emmanuel, O – Comentários ao Evangelho Segundo João

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 56
Francisco Cândido Xavier
Emmanuel

— Com a difusão da luz espiritual, alargará o homem a noção de pátria, de modo a abranger no mesmo nível todas as nações do mundo?

— A luz espiritual dará aos homens um conceito novo de pátria, de maneira a proscrever-se o movimento destruidor pelos canhões e balas homicidas.

Quando isso se verifique, o homem aprenderá a valorizar o berço em que renasceu, pelo trabalho e pelo amor, destruindo-se concomitantemente as fronteiras materiais e dando lugar à era nova da grande família humana, em que as raças serão substituídas pelas almas e em que a pátria será honrada, não com a morte, mas com a vida bem aplicada e bem vivida.


— A desigualdade verificada entre as classes sociais, no usufruto dos bens terrenos, perdurará nas épocas do porvir?

— A desigualdade social é o mais elevado testemunho da verdade da reencarnação, mediante a qual cada espírito tem sua posição definida de regeneração e resgate. Nesse caso, consideramos que a pobreza, a miséria, a guerra, a ignorância, como outras calamidades coletivas, são enfermidades do organismo social, devido à situação de prova da quase generalidade dos seus membros. Cessada a causa patogênica com a iluminação espiritual de todos em Jesus-Cristo, a moléstia coletiva estará eliminada dos ambientes humanos.


— Pode admitir-se, em Sociologia, o conceito de igualdade absoluta?

— A concepção igualitária absoluta é um erro grave dos sociólogos, em qualquer departamento da vida. A tirania política poderá tentar uma imposição nesse sentido, mas não passará das espetaculosas uniformizações simbólicas para efeitos exteriores, porquanto o verdadeiro valor de um homem está no seu íntimo, onde cada Espírito tem sua posição definida pelo próprio esforço.

Nessa questão existe uma igualdade absoluta de direitos dos homens perante Deus, que concede a todos seus filhos uma oportunidade igual nos tesouros inapreciáveis do tempo. Esses direitos são os da conquista da sabedoria e do amor, através da vida, pelo cumprimento do sagrado dever do trabalho e do esforço individual. Eis por que cada criatura terá o seu mapa de méritos nas sendas evolutivas, constituindo essa situação, nas lutas planetárias, uma grandiosa escala progressiva em matéria de raciocínios e sentimentos, em que se elevará naturalmente todo aquele que mobilizar as possibilidades concedidas à sua existência para o trabalho edificante da iluminação de si mesmo, nas sagradas expressões do esforço individual.


— Poderão os homens resolver sem atritos as chamadas questões proletárias?

— Sim, quando se decidirem a aceitar e aplicar os princípios sagrados do Evangelho. Os regulamentos apaixonados, as greves, os decretos unilaterais, as ideologias revolucionárias, são cataplasmas inexpressivas, complicando a chaga da coletividade.

O socialismo é uma bela expressão de cultura humana, enquanto não resvala para os pólos do extremismo.

Todos os absurdos das teorias sociais decorrem da ignorância dos homens relativamente à necessidade de sua cristianização. Conhecemos daqui os maus dirigentes e os maus dirigidos, não como homens ricos e pobres, mas como a avarentos e a revoltados. Nessas duas expressões, as criaturas operaram o desequilíbrio de todos os mecanismos do trabalho natural.

A verdade é que todos os homens são proletários da evolução e nenhum esforço de boa realização na Terra é indigno do espírito encarnado.

Cada máquina exige uma direção especial, e o mecanismo do mundo requer o infinito de aptidões e de conhecimentos.

Sem a harmonia de cada peça na posição em que se encontra, toda produção é contraproducente e toda boa tarefa impossível.

Todos os homens são ricos pelas bênçãos de Deus e cada qual deve aproveitar, com êxito, os “talentos” recebidos, porquanto, sem exceção de um só, prestarão um dia, além-túmulo, contas de seus esforços.

Que os trabalhadores da direção saibam amar, e que os da realização nunca odeiem. Essa é a verdade pela qual compreendemos que todos os problemas do trabalho, na Terra, representam uma equação de Evangelho.


— Reconhecendo-se o Estado como aparelhamento de leis convencionais, é justificável a sua existência, bem como a das classes armadas, que o sustentam no mundo?

— Na situação (ou condição) atual do mundo e considerando a heterogeneidade dos caracteres e das expressões evolutivas das criaturas, examinadas isoladamente, justifica-se a necessidade dos aparelhos estatais nas convenções políticas, bem como das classes armadas que os mantêm no orbe, como institutos de ordem para a execução das provas individuais, nas contingências humanas, até que o homem perceba o sentido de concórdia e fraternidade dentro das leis do Criador, prescindindo então da obrigatoriedade de certas determinações das leis humanas, convencionais e transitórias.


— Tem o Espiritismo um papel especial junto da Sociologia?

— Na hora atual da humanidade terrestre, em que todas as conquistas da civilização se subvertem nos extremismos, o Espiritismo é o grande iniciador da Sociologia, por significar o Evangelho redivivo que as religiões literalistas tentaram inumar nos interesses econômicos e na convenção exterior de seus prosélitos.

Restaurando os ensinos de Jesus para o homem e esclarecendo que os valores legítimos da criatura são os que procedem da consciência e do coração, a doutrina consoladora dos Espíritos reafirma a verdade de que a cada homem será dado de acordo com seus méritos, no esforço individual, dentro da aplicação da lei do trabalho e do bem; razão pela qual representa o melhor antídoto dos venenos sociais atualmente espalhados no mundo pelas filosofias políticas do absurdo e da ambição desmedida, restabelecendo a verdade e a concórdia para os corações.


— Como se deverá comportar o espiritista perante a política do mundo?

— O sincero discípulo de Jesus está investido de missão mais sublime, em face da tarefa política saturada de lutas materiais. Essa é a razão por que não deve provocar uma situação de evidência para si mesmo nas administrações transitórias do mundo. E, quando convocado a tais situações pela força das circunstâncias, deve aceitá-las não como galardão para a doutrina que professa, mas como provação imperiosa e árdua, onde todo êxito é sempre difícil. O espiritista sincero deve compreender que a iluminação de uma consciência é como se fora a iluminação de um mundo, salientando-se que a tarefa do Evangelho, junto das almas encarnadas na Terra, é a mais importante de todas, visto constituir uma realização definitiva e real. A missão da doutrina é consolar e instruir, em Jesus, para que todos mobilizem as suas possibilidades divinas no caminho da vida Trocá-la por um lugar no banquete dos Estados é inverter o valor dos ensinos, porque todas as organizações humanas são passageiras em face da necessidade de renovação de todas as fórmulas do homem na lei do progresso universal, depreendendo-se daí que a verdadeira construção da felicidade geral só será efetiva com bases legítimas no Espírito das criaturas.


— Como deveremos encarar a política do racismo?

— Se é justo observarmos nas pátrias o agrupamento de múltiplas coletividades, pelos laços afins da educação e do sentimento, a política do racismo deve ser encarada como erro grave, que pretexto algum justifica, porquanto não pode apresentar base séria nas suas alegações, que mal encobrem o propósito nefasto de tirania e separatividade.


— O “não matarás” alcança o caçador que mata por divertimento e o carrasco que extermina por obrigação?

— À medida que evolverdes no sentimento evangélico, compreendereis que todos os matadores se encontram em oposição ao texto sagrado. (Ex 20:13)

No grau dos vossos conhecimentos atuais, entendeis que somente os assassinos que matam por perversidade estão contra a lei divina. Quando avançardes mais no caminho, aperfeiçoando o aparelho social, não tolerareis o carrasco, e, quando estiverdes mais espiritualizados, enxergando nos animais os irmãos inferiores de vossa vida, a classe dos caçadores não terá razão de ser.

Lendo os nossos conceitos, recordareis os animais daninhos e, no íntimo, haveis de ponderar sobre a necessidade do seu extermínio. É possível, porém, que não vos lembreis dos homens daninhos e ferozes. O caluniador não envenena mais que o toque de uma serpente? O armamentista, ou o político ambicioso, que montam com frieza a maquinaria da guerra incompreensível, não são mais impiedosos que o leão selvagem?…

Ponderemos essas verdades e reconheceremos que o homem espiritual do futuro, com a luz do Evangelho na inteligência e no coração, terá modificado o seu ambiente de lutas, auxiliando igualmente os esforços evolutivos de seus companheiros do Plano inferior, na vida terrestre.


— Considerando a determinação positiva do “não julgueis”, (Lc 6:37) como poderemos discernir o bem do mal, sem julgamento?

— Entre julgar e discernir, há sempre grande distância. O ato de julgar para a especificação de consequências definitivas pertence à autoridade divina, porém, o direito da análise está instituído para todos os Espíritos, de modo que, discernindo o bem e o mal, o erro e a verdade, possam as criaturas traçar as diretrizes do seu melhor caminho para Deus.


— Em face da lei dos homens, quando em presença do processo criminal, deve dar-se o voto condenativo, em concordância com o processo-crime, ou absolver o réu em obediência ao “não julgueis”?

— Na esfera de nossas experiências, consideramos que, à frente dos processos humanos, ainda quando as suas peças sejam condenatórias, deve-se recordar a figura do Cristo junto da pecadora apedrejada, pois que Jesus estava também perante um júri. “Quem estiver sem pecado atire a primeira pedra” (Jo 8:7) — é a sentença que deveria lembrar, sempre, a nossa situação comum de Espíritos decaídos, para não condenar esse ou aquele dos nossos semelhantes. “Vai e não peques mais” (Jo 8:11) — deve ser a nossa norma de conduta dentro do próprio coração, afastando-se a erva do mal que nele viceje.

Nos processos públicos, a autoridade judiciária, como peça integrante da máquina do Estado no desempenho de suas funções especializadas, deve saber onde se encontra o recurso conveniente para o corretivo ou para a reeducação do organismo social, mobilizando, nesse mister, os valores de sua experiência e de suas responsabilidades.

Individualmente, porém, busquemos aprender que se podemos “julgar” alguma coisa, julguemo-nos, sempre, em primeiro lugar, como o irmão mais próximo daquele a quem se atribui um crime ou uma falta, a fim de estarmos acordes com Aquele que é a luz dos nossos corações.

Nas horas comuns da existência, procuremos a luz evangélica para analisar o erro e a verdade, discernir o bem e o mal; todavia, no instante dos julgamentos definitivos, entreguemos os processos a Deus, que, antes de nós, saberá sempre o melhor caminho da regeneração dos seus filhos transviados.


— O homem que guarda responsabilidades no cargos públicos da Terra responde, no Plano espiritual, pelas ordens que cumpre e faz cumprir?

— A responsabilidade de um cargo público, pelas suas características morais, é sempre mais importante que a concedida por Deus sobre um patrimônio material. Daí a verdade que, na vida espiritual, o depositário do bem público responderá sempre pelas ordens expedidas pela sua autoridade, nas tarefas da Terra.


— O preceito evangélico — “assim pois, aquele que dentre vós não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo” (Lc 14:26) — deve ser interpretado no sentido absoluto?

— Ainda esse ensino do Mestre deve ser considerado no seu divino simbolismo.

A fortuna e a autoridade humanas são também caminhos de experiências e provas, e o homem que as atirasse fora de si, arbitrariamente, procederia com a noção da irresponsabilidade, desprezando o ensejo do progresso que a Providência Divina lhe colocou nas mãos.

Todos os homens são usufrutuários dos bens divinos, e os convocados ao trabalho de administração desses bens devem encarar a sua responsabilidade como problema dos mais sérios da vida.

Renunciando ao egoísmo, ao orgulho, à fraqueza, às expressões de vaidade, o homem cumprirá a ordenação evangélica, e, sentindo a grandeza de Deus, único dispensador no patrimônio real da vida, será discípulo do Senhor em qualquer circunstância, por usar as suas possibilidades materiais e espirituais, sem os característicos envenenados do mundo, como intérprete sincero dos desígnios divinos para felicidade de todos.


— Como interpretar o movimento feminista na atualidade da civilização?

— O homem e a mulher, no instituto conjugal, são como o cérebro e o coração do organismo doméstico.

Ambos são portadores de uma responsabilidade igual no sagrado colégio da família; e se a alma feminina sempre apresentou um coeficiente mais avançado de espiritualidade na vida, é que, desde cedo, o espírito masculino intoxicou as fontes da sua liberdade, através de todas os abusos, prejudicando a sua posição moral no decurso das existências numerosas, em múltiplas experiências seculares.

A ideologia feminista dos tempos modernos, porém, com as suas diversas bandeiras políticas e sociais, pode ser um veneno para a mulher desavisada dos seus grandes deveres espirituais na face da Terra. Se existe um feminismo legítimo, esse deve ser o da reeducação da mulher para o lar, nunca para uma ação contraproducente fora dele. É que os problemas femininos não poderão ser solucionados pelos códigos do homem, mas somente à luz generosa e divina do Evangelho.


— Como conceituar o estado de espírito do homem moderno, que tanto se preocupa com o “estar bem na vida”, “ganhar bem” e “trabalhar para enriquecer”?

— Esse propósito do homem viciado, dos tempos atuais, constitui forte expressão de ignorância dos valores espirituais na Terra, onde se verifica a inversão de quase todas as conquistas morais.

Foi esse excesso de inquietação, no mais desenfreado egoísmo, que provocou a crise moral do mundo, em cujos espetáculos sinistros podemos reconhecer que o homem físico, da radiotelefonia e do transatlântico necessita de mais verdade que dinheiro, de mais luz de pão.



ex 20:13
Paulo e Estêvão

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 1
Francisco Cândido Xavier
Emmanuel

— Aonde iremos, senhor? — atreveu-se Jacob a perguntar, timidamente, logo que entraram nas ruas tortuosas.

O moço tarsense pareceu refletir um minuto e acentuou:

— É verdade que trago comigo algum dinheiro; entretanto, estou em situação muito difícil: sinto precisar mais de assistência moral que de repouso físico. Tenho necessidade de alguém que me ajude a compreender o que se passou. Sabes onde reside Sadoc?

— Sei — respondeu o servo compungido.

— Leva-me até lá… Depois de me avistar com algum amigo, pensarei numa estalagem.


Não se passou muito tempo e hei-los à porta de um edifício de singular e soberba aparência. Muralhas bem delineadas cercavam extenso átrio adornado de flores e arbustos. Descansando junto ao portão de entrada, Saulo recomendou ao companheiro:

— Não convém que me aproxime assim, sem aviso. Jamais visitei Sadoc nestas condições. Entra no átrio, chama-o e conta-lhe o que se passou comigo. Esperarei aqui, mesmo porque não posso dar um passo.

O servo obedeceu prontamente. O banco de repouso distava alguns passos do largo portão de acesso, mas ficando só, ansioso de ouvir um amigo que o compreendesse, Saulo identificou o muro, tateando-o. Vacilante e trêmulo, arrastou-se dificilmente e atingiu a entrada, ali permanecendo.


Acudindo ao chamado, Sadoc procurou saber o motivo da visita inesperada. Jacob explicou, com humildade, que vinha de Jerusalém,  acompanhando o doutor da Lei e desfiou os mínimos incidentes da viagem e os fins colimados; mas, quando se referiu ao episódio principal, Sadoc arregalou os olhos estupidificado. Custava-lhe acreditar no que ouvia, mas não podia duvidar da sinceridade do narrador, que, por sua vez, mal encobria o próprio assombro. O homem falou, então, do mísero estado do chefe: da sua cegueira, das lágrimas copiosas que vertia. Saulo a chorar?! O amigo de Damasco recebia as estranhas notícias com imensa surpresa, sintetizando as primeiras impressões numa resposta desconcertante para Jacob:

— O que me conta é quase inverossímil; entretanto, em tais circunstâncias, torna-se impossível acolhê-los aqui. Desde anteontem tenho a casa cheia de amigos importantes, recém-chegados de Citium  para uma boa reunião na sinagoga, sábado próximo. Cá por mim, suponho que Saulo se perturbou, inesperadamente, e não quero expô-lo a juízos e comentários menos dignos.

— Mas, senhor, que lhe direi? — interpôs Jacob hesitante.

— Diga que não estou em casa.

— Entretanto… encontro-me só com ele, assim perturbado e enfermo e, como vedes, a noite é tempestuosa…


Sadoc refletiu um momento e acrescentou:

— Não será difícil remediar. Na próxima esquina vocês encontrarão a chamada “rua Direita” e, depois de caminhar alguns passos, encontrarão a estalagem de Judas, que tem sempre muitos cômodos disponíveis. Mais tarde, procurarei lá chegar para saber do ocorrido.

Ouvindo palavras tais, que pareciam mais uma ordem que resposta a um apelo amigo, Jacob despediu-se surpreso e desanimado.

— Senhor — disse ao rabino, regressando ao portão de entrada —, infelizmente vosso amigo Sadoc não se encontra em casa.

— Não está? — exclamou Saulo admirado — daqui lhe ouvi a voz, embora não distinguisse o que dizia. Será possível que meus ouvidos estejam igualmente perturbados?

Diante daquela observação tão expressiva e sincera, Jacob não conseguiu dissimular a verdade e contou ao rabino o acolhimento que tivera, a atitude reservada e fria de Sadoc.


Seguindo as pisadas do guia, Saulo tudo ouviu, mudo, enxugando uma lágrima. Não contava com semelhante recepção da parte de um colega que sempre considerara digno e leal, em todas as circunstâncias da vida. A surpresa chocava-o. Era natural que Sadoc temesse pela renovação de suas ideias, mas não era justo abandonasse um amigo doente, às intempéries da noite. No entanto, no rebojar de mágoas que começavam a intumescer-lhe o coração, recordou repentinamente a visão de Jesus e refletiu que, efetivamente, possuía agora experiências que o outro não pudera conhecer, chegando à conclusão de que talvez fizesse o mesmo se os papéis estivessem invertidos.

Concluído o relato do companheiro, comentou resignado:

— Sadoc tem razão. Não ficava bem perturbá-lo com a descrição do fato, quando tem à mesa amigos de responsabilidade na vida pública. Além disso, estou cego… Seria um estafermo e não um hóspede.


Essas considerações comoveram o companheiro, que, aliás, deixara perceber ao jovem rabino os próprios receios. Nas palavras de Jacob, Saulo entrevira uma vaga expressão de temores injustificáveis. O procedimento de Sadoc talvez lhe houvesse aumentado as desconfianças. Suas advertências eram reticenciosas, hesitantes. Parecia intimidado, como se antevisse ameaças à sua tranquilidade pessoal. Nos conceitos mais simples evidenciava o medo de ser acusado como portador de alguma expressão do “”. Na sua amplitude de senso psicológico, o moço tarsense tudo compreendia. Fora verdade que ele, Saulo, representava o chefe supremo da campanha demolidora, mas, de ora em diante, consagraria a vida a Jesus, assim comprometendo a quantos dele se aproximassem direta e ostensivamente. Sua transformação provocaria muitos protestos no ambiente farisaico. Pressentiu nas indecisões do guia o receio de ser acusado de algum sortilégio ou bruxedo.

Com efeito, depois de convenientemente instalados na modesta estalagem de Judas, o companheiro falou-lhe preocupado:

— Senhor, pesa-me alegar minhas conveniências, mas, consoante os projetos feitos, preciso regressar a Jerusalém, onde me esperam dois filhos, a fim de nos fixarmos em Cesareia. 

— Perfeitamente — respondeu Saulo, respeitando-lhe os escrúpulos —, poderás partir ao amanhecer.


Aquela voz, antes agressiva e autoritária, tornara-se agora compassiva e meiga, tocando o coração do servo nas suas fibras mais sensíveis.

— Entretanto, senhor, estou hesitando — disse o velho já picado de remorso —, estais cego, necessitais de auxílio para recobrar a vista e sinto sinceramente deixar-vos ao abandono.

— Não te preocupes por minha causa — exclamou o doutor da Lei resignado —; quem te disse que ficarei abandonado? Estou convicto de que meus olhos estarão curados muito em breve.

Aliás — continuou Saulo como a confortar-se a si mesmo —, Jesus mandou-me entrar na cidade, a fim de saber o que me convinha. Certo, não me deixará ignorando o que devo fazer.

Assim falando, não pôde ver a expressão de piedade com que Jacob o contemplava, desconcertado e oprimido.

Entretanto, mau grado à mágoa que lhe causava o chefe em semelhante estado, e recordando os castigos infligidos aos seguidores do Cristo, em Jerusalém, não conseguiu subtrair-se aos íntimos temores e partiu aos primeiros albores da manhã.


Saulo, agora, estava só. No véu espesso das sombras, podia entregar-se às suas meditações profundas e tristes.

A bolsa farta e franca assegurou-lhe a solicitude do estalajadeiro, que, de quando em quando, vinha saber suas necessidades, mas, em vão, o hóspede foi convidado a repastos e diversões, porque nada o demovia do seu taciturno insulamento.


Aqueles três dias de Damasco foram de rigorosa disciplina espiritual. Sua personalidade dinâmica havia estabelecido uma trégua às atividades mundanas, para examinar os erros do passado, as dificuldades do presente e as realizações do futuro. Precisava ajustar-se à inelutável reforma do seu eu. Na angústia do espírito, sentia-se, de fato, desamparado de todos os amigos. A atitude de Sadoc era típica e valeria pela de todos os correligionários, que jamais se conformariam com a sua adesão aos novos ideais. Ninguém acreditaria no ascendente da conversão inesperada; entretanto, havia que lutar contra todos os cépticos, de vez que Jesus, para falar-lhe ao coração, escolhera a hora mais clara e rutilante do dia, em local amplo e descampado e na só companhia de três homens muito menos cultos que ele, e, por isso mesmo, incapazes de algo compreenderem na sua pobreza mental. No apreciar os valores humanos, experimentava a insuportável angústia dos que se encontram em completo abandono, mas, no torvelinho das lembranças, destacava os vultos de e Abigail, que lhe proporcionavam consoladoras emoções. Agora compreendia aquele Cristo que viera ao mundo principalmente para os desventurados e tristes de coração. Antes, revoltava-se contra o Messias Nazareno, em cuja ação presumia tal ou qual incompreensível volúpia de sofrimento; todavia, chegava a examinar-se melhor, agora, haurindo na própria experiência as mais proveitosas ilações. Não obstante os títulos do Sinédrio,  as responsabilidades públicas, o renome que o faziam admirado em toda parte, que era ele senão um necessitado da proteção divina? As convenções mundanas e os preconceitos religiosos proporcionavam-lhe uma tranquilidade aparente; mas, bastou a intervenção da dor imprevista para que ajuizasse de suas necessidades imensas. Abismalmente concentrado na cegueira que o envolvia, orou com fervor, recorreu a Deus para que o não deixasse sem socorro, pediu a Jesus lhe clareasse a mente atormentada pelas ideias de angústia e desamparo.


No terceiro dia de preces fervorosas, eis que o hoteleiro anuncia alguém que o procura. Seria Sadoc? Saulo tem sede de uma voz carinhosa e amiga. Manda entrar. Um velhinho de semblante calmo e afetuoso ali está, sem que o convertido possa ver-lhe as cãs respeitáveis e o sorriso generoso.

O mutismo do visitante indiciava o desconhecido.

— Quem sois? — pergunta o cego admirado.

— Irmão Saulo — replica o interpelado com doçura —, o Senhor, que te apareceu no caminho, enviou-me a esta casa para que tornes a ver e recebas a iluminação do Espírito-Santo.


Ouvindo-o, o moço de Tarso  tateou ansiosamente nas sombras. Quem seria aquele homem que sabia os feitos lá da estrada! Algum conhecido de Jacob? Mas… aquela inflexão de voz enternecida e carinhosa?

— Vosso nome? — perguntou quase aterrado.

— .


A resposta era uma revelação. A ovelha perseguida vinha buscar o lobo voraz. Saulo compreendeu a lição que o Cristo lhe ministrava. A presença de Ananias revoca-lhe à memória os apelos mais sagrados. Fora ele o iniciador de Abigail na doutrina e o motivo da viagem a Damasco, onde encontrara Jesus e a verdade renovadora. Tomado de profunda veneração, quis avançar, ajoelhar-se ante o discípulo do Senhor, que lhe chamava ternamente “irmão”, oscular-lhe enternecido as mãos benfazejas, mas apenas tateou o vácuo, sem conseguir a execução do gratíssimo desejo.

— Quisera beijar vossa túnica — falou com humildade e reconhecimento —, mas, como vedes, estou cego!…

— Jesus mandou-me, justamente para que tivesses, de novo, o dom da vista.


Comovidíssimo, o velho discípulo do Senhor notou que o perseguidor cruel dos apóstolos do “Caminho” estava totalmente transformado. Ouvindo-lhe a palavra plena de fé, Saulo de Tarso deixava transparecer, no semblante, sinais de profunda alegria interior. Dos olhos ensombrados, manaram lágrimas cristalinas. O moço apaixonado e caprichoso aprendera a ser humano e humilde.

— Jesus é o Messias eterno! Depus minha alma em suas mãos!… — disse entre compungido e esperançoso. — Penitencio-me do meu caminho!…


Banhado no pranto do arrependimento sincero, sem saber manifestar o reconhecimento daquela hora, em virtude das trevas que lhe dificultavam os passos, ajoelhou-se com humildade.

O velhinho generoso quis adiantar-se, impedir aquele gesto de renúncia suprema, considerando a sua própria condição de homem falível e imperfeito; mas, desejando estimular todos os recursos daquela alma ardente, em favor da sua completa conversão ao Cristo, aproximou-se comovido e, colocando a mão calosa naquela fronte atormentada, exclamou:

— Irmão Saulo, em nome de Deus Todo-Poderoso eu te batizo para a nova fé em Cristo Jesus!…


Entre as lágrimas ardentes que corriam dos olhos, o moço tarsense acentuou, contrito:

— Digne-se o Senhor perdoar meus pecados e iluminar meus propósitos para uma vida nova.

— Agora — disse Ananias, impondo-lhe as mãos nos olhos apagados e num gesto amoroso —, em nome do Salvador, peço a Deus para que vejas novamente.

— Se é do agrado de Jesus que isso aconteça — advertiu Saulo compungido —, ofereço meus olhos aos seus santos serviços, para todo o sempre.


E como se entrassem em jogo forças poderosas e invisíveis, sentiu que das pálpebras doridas caíam substâncias pesadas como escamas, à proporção que a vista lhe voltava, embebendo-se de luz. Através da janela aberta, viu o céu claro de Damasco, experimentando indefinível ventura naquele oceano de claridades deslumbrantes. A aragem da manhã, como perfume do sol, vinha banhar-lhe a fronte, traduzindo para o seu coração a bênção de Deus.

— Vejo!… Agora vejo!… Glória ao redentor de minha alma!… — exclamava estendendo os braços num transporte de gratidão e de amor.


Ananias também não se conteve mais; em face daquela prova inaudita da misericórdia de Jesus, o velho discípulo do Evangelho abraçou-se ao jovem de Tarso, a chorar de reconhecimento a Deus pelos favores recebidos. Trêmulo de alegria, levantou-o em seus braços generosos, amparando-lhe a alma surpreendida e perturbada de júbilo.

— Irmão Saulo — disse pressuroso —, este é o nosso grande dia; abracemo-nos na memória sacrossanta do Mestre que nos irmanou em seu grande amor!…

O convertido de Damasco não disse palavra. As lágrimas de gratidão sufocavam-no. Abraçando-se ao antigo pregador, num gesto expressivo e mudo, fê-lo como se houvesse encontrado o pai dedicado e amoroso da sua nova existência. Por momentos, ficaram mudos, maravilhados com a intervenção divina, como dois irmãos muito queridos que se houvessem reconciliado sob as vistas de Deus.


Saulo sentia-se agora fortalecido e ágil. Num minuto, pareceu reaver todas as energias de sua vida. Voltando a si do contentamento divino que o felicitava, tomou a mão do velho discípulo e beijou-a com veneração. Ananias tinha os olhos rasos de pranto. Ele próprio não podia prever as alegrias infinitas que o esperavam na pensão singela da “rua Direita”.

— Ressuscitastes-me para Jesus — exclamou jubiloso —; serei dele eternamente. Sua misericórdia suprirá minhas fraquezas, compadecer-se-á de minhas feridas, enviará auxílios à miséria de minhalma pecadora, para que a lama do meu Espírito se converta em ouro do seu amor.

— Sim, somos do Cristo — ajuntou o generoso velhinho com a alegria a transbordar dos olhos.


E, como se fosse de súbito transformado num menino ávido de ensinamentos, Saulo de Tarso, sentando-se junto do benfeitor amigo, rogou-lhe todos os informes a respeito do Cristo, dos seus postulados e atos imorredouros. Ananias contou-lhe tudo quanto sabia de Jesus, por intermédio dos Apóstolos, depois da crucificação a que ele também assistira, em Jerusalém, na tarde trágica do Calvário. Esclareceu que era sapateiro em Emaús e tinha ido à cidade santa para as comemorações do Templo,  tendo acompanhado o drama pungente nas ruas regurgitantes de povo. Falou da compaixão que lhe causara o Messias coroado de espinhos e apupado pela turba furiosa e inconsciente. Profunda a emoção, ao descrever a marcha penosa com a cruz, protegido por soldados impiedosos, da fúria popular, que vociferava o crime hediondo. Curioso pelo desenrolar dos acontecimentos, seguira o condenado até ao monte. Da cruz do martírio, Jesus lançara-lhe um olhar inesquecível. Para o seu Espírito, aquele olhar traduzia um chamamento sagrado, que era indispensável compreender. Profundamente impressionado, a tudo assistiu até ao fim. Daí a três dias, ainda sob o peso daquelas angustiosas impressões, eis que lhe chega a nova alvissareira de que o Cristo havia ressuscitado dos mortos para a glória eterna do Todo-Poderoso. Seus discípulos estavam ébrios de ventura. Então, procurou para conhecer melhor a personalidade do Salvador. Tão sublime a narrativa, tão elevados os ensinamentos, tão profunda a revelação que lhe aclarava o espírito, que aceitou o Evangelho sem mais hesitação. Desejoso de compartilhar o trabalho que Jesus legara aos que lhe pertenciam, regressou a Emaús, dispôs dos bens materiais que possuía e esperou os Apóstolos galileus em Jerusalém, onde se associou a Pedro nas primeiras atividades da igreja do “Caminho”. A essência dos ensinamentos do Cristo vitalizara-lhe o Espírito. Os achaques da velhice haviam desaparecido. Logo que e chegaram a Jerusalém para cooperar com o antigo pescador de Cafarnaum  na edificação evangélica, combinaram sua transferência para Jope,  a fim de atender a inúmeros pedidos de irmãos desejosos de conhecer a doutrina. Ali estivera até que as perseguições intensificadas com a morte de Estêvão obrigaram-no a retirar-se.


Saulo bebia-lhe as palavras com singular enlevo, como quem franqueava um mundo novo. A referência às perseguições avivava os remorsos acerbos. Em compensação, a alma estava repleta de votos sinceros, promissores de uma vida nova.

— É verdade — dizia, enquanto o narrador fazia longa pausa —, vim a Damasco com outorga do Templo para vos levar preso a Jerusalém, mas fostes vós que chegastes com outorga de Jesus e a Ele me jungistes para sempre. Se vos algemasse, na minha ignorância, levar-vos-ia ao tormento e à morte; vós, salvando-me do pecado, me transformastes em escravo voluntário e feliz!…

Ananias sorriu, sumamente satisfeito.


Saulo pediu-lhe, então, falasse de Estêvão, no que foi atendido, com solicitude. Em seguida, pediu informes da sua viagem de Jope a Jerusalém. Com muita prudência, desejava do benfeitor qualquer alusão a Abigail. Formulando o pedido, fê-lo com tal inflexão carinhosa, que o velho discípulo, adivinhando-lhe o intuito, falou com brandura:

— Não precisarás confessar teus anseios de moço. Leio em teus olhos o que principalmente desejas. Entre Jope e Jerusalém, descansei muito tempo na vizinhança de um compatrício que, apesar de fariseu, nunca privou os empregados de receberem as sagradas alegrias da Boa Nova. Esse homem, Zacarias, tinha sob seu teto um verdadeiro anjo do Céu. Era a jovem Abigail, que, depois de receber o batismo de minhas mãos, confessou que te amava muito. Falava do teu amor com ternura ardente e muitas vezes me convidou a orar pela tua conversão a Jesus-Cristo!…


Saulo ouvia emocionado e, após ligeiro intervalo em que o amoroso velhinho parecia meditar, voltou a dizer como se falasse consigo:

— Sim, se ela ainda vivesse!…

Ananias recebeu a observação sem surpresa e acentuou:

— Desde que se aproximou de mim, notei que Abigail não ficaria muito tempo na Terra. Suas cores esmaecidas, o brilho intenso dos olhos, falavam-me da sua condição de anjo exilado. Mas, devemos crer que ela viva no Plano imortal. E quem sabe? Talvez suas rogativas aos pés de Jesus hajam contribuído para que o Mestre te convocasse à luz do Evangelho, às portas de Damasco!…


O velho discípulo do “Caminho” estava comovido. Recebendo aquelas carinhosas evocações, Saulo chorava. Compreendia, sim, que Abigail não poderia estar morta. A visão de Jesus redivivo bastava para dissipar-lhe todas as dúvidas. Certamente, a escolhida de sua alma apiedara-se de suas misérias, rogara ao Salvador, com insistência, lhe socorresse o espírito mesquinho e, por venturosa coincidência, o mesmo Ananias que lhe havia preparado o coração para as bênçãos do Céu, estendera-lhe igualmente as mãos amigas, cheias de caridade e perdão. Agora, pertenceria para sempre àquele Cristo amoroso e justo, que era o Messias prometido. Nas emoções extremas que lhe caracterizavam os sentimentos, passou a considerar o poder do Evangelho, examinando seus ilimitados recursos transformadores. Queria mergulhar o espírito nas suas lições iluminadas e sublimes, banhar-se naquele rio de vida, cujas águas do amor de Jesus fecundavam os corações mais áridos e desertos. Aquela meditação profunda empolgava-lhe, agora, a alma toda.

— Ananias, meu mestre — disse o ex-rabino, com entusiasmo —, onde poderei obter o Evangelho sagrado?


O antigo discípulo sorriu com bondade, e observou:

— Antes de tudo, não me chames mestre. Este é e será sempre o Cristo. Nós outros, por acréscimo da misericórdia divina, somos discípulos, irmãos na necessidade e no trabalho redentor. Quanto à aquisição do Evangelho, somente na igreja do “Caminho”, em Jerusalém, poderíamos obter uma cópia integral das anotações de Levi.

E revolvendo o interior de surrada patrona [bolsa a tiracolo], retirava alguns pergaminhos amarelentos, nos quais conseguira reunir alguns elementos da tradição apostólica. Apresentando essas notas dispersas, Ananias acrescentava:

— Verbalmente, tenho de cor quase todos os ensinamentos; mas, no que se refere à parte escrita, aqui tens tudo que possuo.


O moço convertido recebeu as anotações, assaz admirado. Debruçou-se imediatamente sobre os velhos rabiscos e devorava-os com indisfarçável interesse.

Depois de refletir alguns minutos, acentuava:

— Se possível, pedir-vos-ia deixar-me estes preciosos ensinamentos, até amanhã. Empregarei o dia em copiá-los para meu uso particular. O estalajadeiro me comprará os pergaminhos necessários.

E como que já iluminado daquele espírito missionário que lhe assinalou as menores ações, para o resto da vida, ponderava atento:

— Precisamos estudar um meio de difundir a nova revelação com a maior amplitude possível. Jesus é um socorro do Céu. Tardar na sua mensagem é delongar o desespero dos homens. Aliás, a palavra “evangelho” significa “boas notícias”. É indispensável espalhar essas notícias do Plano mais elevado da vida.


Enquanto o velho pregador do “Caminho” observava-o interessado, o convertido de Damasco chamou o hoteleiro para comprar os pergaminhos. Judas surpreendeu-se ao verificar a cura insólita. Satisfazendo-lhe a curiosidade, o jovem de Tarso falou sem rebuços:

— Jesus enviou-me um médico. Ananias veio curar-me em seu nome.

E antes que o homem se recobrasse do espanto, cumulava-o de recomendações a respeito dos pergaminhos que desejava, entregando-lhe a quantia necessária.

Dando largas ao entusiasmo que lhe ia nalma, dirigiu-se novamente a Ananias, expondo-lhe seus planos:

— Até aqui, ocupava o meu tempo no estudo e na exegese da ; agora, porém, encherei as horas com o espírito do Cristo. Trabalharei nesse mister até ao fim dos meus dias. Buscarei iniciar meu trabalho aqui mesmo em Damasco.


E, fazendo uma pausa, perguntava ao benfeitor que o ouvia em silêncio:

— Conheceis na cidade um rapaz fariseu de nome Sadoc?

— Sim, é quem tem chefiado as perseguições nesta cidade.

— Pois bem — continuava o jovem tarsense atencioso —, amanhã é sábado e haverá preleção na sinagoga. Pretendo procurar os amigos e falar-lhes publicamente do apelo que o Cristo me endereçou. Quero estudar vossas anotações ainda hoje, porque me darão assunto para a primeira prédica do Evangelho.


— Para ser sincero — disse Ananias com a sua experiência dos homens —, acho que deves ser muito prudente nesta nova fase religiosa. É possível que teus amigos da sinagoga não estejam preparados para receber a luz da verdade toda. A má-fé tem sempre caminhos para tentar a confusão do que é puro.

— Mas se eu vi Jesus, não tenho o direito de ocultar uma revelação incontestável — exclamou o neófito, como a salientar, antes de tudo, a boa intenção que o animava.

— Sim, não digo que fujas do testemunho — explicou, calmo, o velho discípulo —, mas devo encarecer a maior prudência nas atitudes, não pela doutrina do Cristo, superior e invulnerável a quaisquer ataques dos homens, mas, por ti mesmo.

— Por mim nada posso temer. Se Jesus me restituiu a luz dos olhos, não deixará de iluminar meus caminhos. Quero comunicar a Sadoc a ocorrência que deu novos rumos ao meu destino. E o ensejo não poderia ser mais oportuno, porque sei que hospeda em sua casa, ainda agora, alguns levitas de renome, recém-chegados de Chipre. 

— Que o Mestre te abençoe os bons propósitos — disse o velho sorridente.


Saulo sentia-se feliz. A presença de Ananias confortava-o sobremodo. Como velhos e fiéis amigos, almoçaram juntos. Em seguida e sempre satisfeito, o generoso enviado do Cristo retirou-se, deixando o ex-rabino todo entregue à meticulosa cópia dos textos.

No dia seguinte, Saulo de Tarso levantou-se lépido e bem disposto. Sentia-se revigorado para uma vida nova. As recordações amargas lhe desertaram da memória. A influência de Jesus enchia-o de alegrias substanciosas e duradouras. Tinha a impressão de haver aberto uma porta nova em sua alma, por onde sopravam céleres as inspirações de um mundo maior.

Depois da primeira refeição, não obstante o dissabor que a atitude de Sadoc lhe causara, procurou avistar-se com o amigo, levado pela sinceridade que lhe pautava os mínimos atos da vida. Não o encontrou, contudo, na residência particular. Um servo informou que o amo saíra com alguns hóspedes em direção à sinagoga.


Saulo foi até lá. Os trabalhos do dia estavam iniciados. Fora feita a leitura dos textos de Moisés. Um dos levitas de Citium havia tomado a palavra para os respectivos comentários.

A entrada do ex-rabino provocou curiosidade geral. A maioria dos presentes tinha conhecimento da sua importância pessoal, bem como do seu verbo ardoroso e seguro. Sadoc, porém, ao vê-lo, fez-se pálido, e mais ainda quando o jovem de Tarso lhe pediu uma palavra em particular. Embora contrafeito, foi-lhe ao encontro. Cumprimentaram-se sem dissimular a nova impressão que, já agora, mantinham entre si.

Em face das primeiras observações do novel evangelista, formuladas em tom amável, o amigo de Damasco explicou, evidenciando o seu orgulho ofendido:

— De fato, sabia que estavas na cidade e cheguei mesmo a procurar-te na pensão de Judas; tais foram, porém, as informações do hoteleiro, que me abstive de ir ao teu aposento. E cheguei até a pedir-lhe segredo da minha visita. Com efeito, parece incrível que te rendesses, também tu, passivamente, aos sortilégios do “Caminho”! Não posso compreender semelhante transmutação em tua robusta mentalidade.

— Mas, Sadoc — replicou o jovem tarsense muito calmo —, eu vi Jesus ressuscitado…


O outro fez grande esforço para conter uma ruidosa gargalhada.

— Será possível — objetou com zombaria — que tua índole sentimental, tão contrária a manifestações de misticismo, tenha capitulado nesse terreno? Acreditarias mesmo em tais visões? Não poderias imaginar-te vítima de algum desfaçado adepto do carpinteiro? Tuas atitudes de agora nos causarão profunda vergonha. Que dirão os homens irresponsáveis, que nada conhecem da Lei de Moisés? E a nossa posição no partido dominante, da raça? Os colegas do farisaísmo  hão de arregalar os olhos, quando souberem da tua clamorosa defecção. Quando aceitei o encargo de perseguir os companheiros do operário de Nazaret, reprimindo-lhes as atividades perigosas fi-lo pela amizade que te consagrava; e não te doerá a traição dos votos anteriores? Considera como se dificultará nosso escopo, quando se espalhar a notícia de que capitulaste perante esses homens sem cultura e sem consciência.


Saulo fitou o amigo, revelando imensa preocupação no olhar ansioso. Aquelas acusações eram as premissas do acolhimento que o aguardava no cenáculo dos velhos companheiros de lutas e edificações religiosas.

— Não — disse ele sentindo fundamente cada palavra —, não posso aceitar as tuas arguições. Repito que vi Jesus de Nazaret e devo proclamar que nele reconheço o Messias prometido pelos nossos profetas mais eminentes.

Enquanto o outro fazia largo gesto admirativo, ao observar aquela inflexão de certeza e sinceridade, Saulo continuava convicto:

— Quanto ao mais, considero que, a todo tempo, devemos e podemos reparar os erros do passado. E é com esse ardor de fé que me proponho regenerar minhas próprias estradas. Trabalharei, doravante, pela minha certeza em Cristo Jesus. Não é justo que me perca em ponderações sentimentalistas, olvidando a verdade; e assim procederei em benefício dos meus próprios amigos. Os amantes das realidades da vida sempre foram os mais detestados, ao tempo em que viveram. Que fazer? Até aqui, minhas pregações nasciam dos textos recebidos dos antepassados veneráveis, mas, hoje, minhas asserções se baseiam não somente nos repositórios da tradição, senão também na prova testemunhal.


Sadoc não conseguiu ocultar a surpresa.

— Mas… a tua posição? E os teus parentes? E o nome? E tudo que recebeste dos que rodeiam tua personalidade com fervorosos compromissos? — perguntou Sadoc revocando-o ao passado.

— Agora, estou com o Cristo e todos nós lhe pertencemos. Sua palavra divina convocou-me a esforços mais ardentes e ativos. Aos que me compreenderem devo, naturalmente, a gratidão mais sagrada; entretanto, para os que não possam entender guardarei a melhor atitude de serenidade, considerando que o próprio Messias foi levado à cruz.

— Também tu com a mania do martírio?


O interpelado guardou uma bela expressão de dignidade pessoal e concluiu:

— Não posso perder-me em opiniões levianas. Esperarei que o teu amigo de Chipre termine a preleção, para relatar minha experiência diante de todos.

— Falar nisso aqui?

— Por que não?

— Seria mais razoável descansares da viagem e da enfermidade, meditando melhor no assunto, mesmo porque tenho esperança nas tuas reconsiderações, relativamente ao acontecido.

— Sabes, porém, que não sou nenhuma criança e cumpre-me esclarecer a verdade, em qualquer circunstância.

— E se te apuparem? E se fores considerado traidor?

— A fidelidade a Deus deve ser maior que tudo isso, aos nossos olhos.

— É possível, no entanto, que não te concedam a palavra — ponderou Sadoc após esbarrar com a força daquelas profundas convicções.

— Minha condição é bastante para que ninguém se atreva a negar-me o que é de justiça.

— Então, seja. Responderás pelas consequências — concluiu Sadoc constrangido.


Naquele momento, ambos compreenderam a imensidão da linha divisória que os extremava. Saulo percebeu que a amizade que Sadoc sempre lhe testemunhara baseava-se nos interesses puramente humanos. Abandonando a falsa carreira que lhe dava prestígio e brilho, via esfumar-se a cordialidade do outro. Mas, de tal cogitação, logo lhe veio à mente que, também ele, assim procederia, provavelmente, se não tivesse Jesus no coração.

Sereno e desassombrado, evitou aproximar-se do local onde se acomodavam os visitantes ilustres, buscando aproximar-se do largo estrado em que se improvisara uma nova tribuna. Terminada a dissertação do levita de Citium, Saulo surgiu à vista de todos os presentes, que o saudaram com olhares ansiosos. Cumprimentou, afável, os diretores da reunião e pediu vênia para expor suas ideias.

Sadoc não tivera coragem de criar um ambiente antipático, para deixar que tudo corresse à feição das circunstâncias, e foi por isso que os sacerdotes apertaram a mão de Saulo com a simpatia de sempre, acolhendo com imensa alegria o seu alvitre.


Com a palavra, o ex-rabino ergueu a fronte, nobremente, como costumava fazer nos seus dias triunfais.

— Varões de Israel! começou em tom solene — em nome do Todo-Poderoso, venho anunciar-vos hoje, pela primeira vez, as verdades da nova revelação. Temos ignorado, até agora, o fato culminante da vida da Humanidade. O Messias prometido já veio, consoante o afirmaram os profetas que se glorificaram na virtude e no sofrimento. Jesus de Nazaret é o Salvador dos pecadores.

Uma bomba que estourasse no recinto, não causaria maior espanto. Todos fixavam o orador, atônitos.


A assembleia estava obstúpida. Saulo, contudo, prosseguia intrépido, depois de uma pausa:

— Não vos assombreis com o que vos digo. Conheceis minha consciência pela retidão de minha vida, pela minha fidelidade às leis divinas. Pois bem: é com este patrimônio do passado que vos falo hoje, reparando as faltas involuntárias que cometi nos impulsos sinceros de uma perseguição cruel e injusta. Em Jerusalém, fui o primeiro a condenar os apóstolos do “Caminho”; provoquei a união de romanos e israelitas para a repressão, sem tréguas, a todas as atividades que se prendessem ao Nazareno; varejei lares sagrados, encarcerei mulheres e crianças, submeti alguns à pena de morte, ocasionei um vasto êxodo das massas operárias que trabalhavam pacificamente na cidade para seu progresso; criei para todos os espíritos mais sinceros um regime de sombras e terrores. Fiz tudo isso, na falsa suposição de defender a Deus, como se o Pai Supremo necessitasse de míseros defensores!… Mas, de viagem para esta cidade, autorizado pelo Sinédrio e pela Corte Provincial, para invadir os lares alheios e perseguir criaturas inofensivas e inocentes, eis que Jesus me aparece às vossas portas e me pergunta, em pleno meio-dia, na paisagem desolada e deserta: — Saulo, Saulo, por que me persegues?


A essa evocação, a voz eloquente se enternecia e as lágrimas lhe corriam copiosas. Interrompera-se ao recordar a ocorrência decisiva do seu destino. Os ouvintes contemplavam-no assombrados.

— Que é isso? — diziam alguns.

— O doutor de Tarso graceja!… —  afirmavam outros sorrindo, convictos de que o jovem tribuno estivesse buscando maior efeito oratório.

— Não, amigos — exclamou com veemência —, jamais gracejei convosco nas tribunas sagradas. O Deus justo não permitiu que minha violência criminosa fosse até ao fim, em detrimento da verdade, e consentiu, por misericórdia de acréscimo, que o mísero servo não encontrasse a morte sem vos trazer a luz da crença nova!…


Não obstante o ardor da pregação, que deixava em todos os ouvidos ressonâncias emocionais, rompeu no recinto estranho vozerio. Alguns fariseus mais exaltados interpelaram Sadoc, em voz baixa, quanto ao inesperado daquela surpresa, obtendo a confirmação de que Saulo, de fato, parecia extremamente perturbado, alegando ter visto o carpinteiro de Nazaret nas vizinhanças de Damasco. Imediatamente estabeleceu-se enorme confusão em toda a sala, porque havia quem visse no caso perigosa defecção do rabino, e quem opinasse por enfermidade súbita, que o houvesse dementado.

— Varões de minha antiga fé — trovejou a voz do moço tarsense, mais incisiva —, é inútil tentardes empanar a verdade. Não sou traidor nem estou doente. Estamos defrontando uma era nova, em face da qual todos os nossos caprichos religiosos são insignificantes.


Uma chuva de impropérios cortou-lhe repentinamente a palavra.

— Covarde! Blasfemo! Cão do “Caminho”!… Fora o traidor de Moisés!…

Os apodos partiam de todos os lados. Os mais afeiçoados ao ex-rabino, que se inclinavam a supô-lo vítima de graves perturbações mentais, entraram em conflito com os fariseus mais rudes e rigorosos. Algumas bengalas foram atiradas à tribuna com extrema violência. Os grupos, que se haviam atracado em luta, espalhavam forte celeuma na sinagoga, percebendo o orador que se encontravam na iminência de irreparáveis desastres.

Foi quando um dos levitas mais idosos assomou ao grande estrado, levantando a voz com toda a energia de que era capaz e rogando aos presentes acompanhá-lo na recitação de um dos Salmos de David. O convite foi aceito por todos. Os mais exaltados repetiram a prece, tomados de vergonha.


Saulo acompanhava a cena com profundo interesse.

Terminada a oração, disse o sacerdote, com ênfase irritante:

— Lamentemos este episódio, mas evitemos a confusão que em nada aproveita. Até ontem, Saulo de Tarso honrava as nossas fileiras como paradigma de triunfo; hoje, sua palavra é para nós um galho de espinhos. Com um passado respeitável, esta atitude de agora só nos merece condenação. Perjúrio? Demência? Não o sabemos com certeza. Outro fora o tribuno e apedrejá-lo-íamos sem pestanejar; mas, com um antigo colega os processos devem ser outros. Se está doente, só merece compaixão; se traidor, só poderá merecer absoluto desprezo. Que Jerusalém o julgue como seu embaixador. Quanto a nós, encerremos as pregações da Sinagoga e recolhemo-nos à paz dos fiéis cumpridores da Lei.


O ex-rabino suportou a increpação com grande serenidade a lhe transparecer dos olhos. Intimamente, sentia-se ferido no seu amor-próprio. Os remanescentes do “homem velho” exigiam revide e reparação imediata, ali mesmo, à vista de todos. Quis falar novamente, exigir a palavra, obrigar os companheiros a ouvi-lo, mas sentia-se presa de emoções incoercíveis, que lhe infirmavam os ímpetos explosivos. Imóvel, notou que velhos afeiçoados de Damasco abandonavam o recinto calmamente, sem lhe fazer sequer uma ligeira saudação. Observou, também, que os levitas de Citium pareciam entendê-lo, através de um olhar de simpatia, ao mesmo tempo que Sadoc fixava-o com ironia e risinhos de triunfo. Era o repúdio que chegava. Acostumado aos aplausos onde quer que aparecesse, fora vítima da própria ilusão, acreditando que, para falar com êxito, sobre Jesus, bastavam os louros efêmeros já conquistados ao mundo. Enganara-se. Seus cômpares punham-no à margem, como inútil. Nada lhe doía mais que ser assim desaproveitado, quando lhe ardia nalma a devoção sacerdotal. Preferia que o esbofeteassem, que o prendessem, que o flagelassem, mas não lhe tirassem o ensejo de discutir sem peias, a todos vencendo e convencendo com a lógica de suas definições. Aquele abandono feria-o fundo, porque, antes de qualquer consideração, reconhecia não laborar em benefício pessoal, por vaidade ou egoísmo, mas pelos próprios correligionários atidos às concepções rígidas e inflexíveis da Lei.


Aos poucos a sinagoga ficara deserta, sob o calor ardente das primeiras horas da tarde. Saulo sentou-se num banco tosco e chorou. Era a luta entre a vaidade de outros tempos e a renúncia de si mesmo, que começava. Para conforto da alma opressa, recordou a narrativa de Ananias, no capítulo em que Jesus dissera ao velho discípulo que lhe mostraria quanto importava sofrer por amor ao seu nome.

Acabrunhado, retirou-se do templo, em busca do benfeitor, a fim de reconfortar-se com a sua palavra.

Ananias não se mostrou surpreendido com a exposição das ocorrências.

— Vejo-me cercado de enormes dificuldades — dizia Saulo um tanto perturbado. — Sinto-me no dever de espalhar a nova doutrina, felicitando os nossos semelhantes; Jesus encheu-me o coração de energias inesperadas, mas a secura dos homens é de amedrontar os mais fortes.

— Sim — explicava o ancião paciente —, o Senhor conferiu-te a tarefa do semeador; tens muito boa vontade, mas, que faz um homem recebendo encargos dessa natureza? Antes de tudo, procura ajuntar as sementes no seu mealheiro particular, para que o esforço seja profícuo.


O neófito percebeu o alcance da comparação e perguntou:

— Mas, que desejais dizer com isso?

— Quero dizer que um homem de vida pura e reta, sem os erros da própria boa-intenção, está sempre pronto a plantar o bem e a justiça no roteiro que perlustra; mas aquele que já se enganou, ou que guarda alguma culpa, tem necessidade de testemunhar no sofrimento próprio, antes de ensinar. Os que não forem integralmente puros, ou nada sofreram no caminho, jamais são bem compreendidos por quem lhes ouve simplesmente a palavra. Contra os seus ensinos estão suas próprias vidas. Além do mais, tudo que é de Deus reclama grande paz e profunda compreensão. No teu caso, deves pensar na lição de Jesus permanecendo trinta anos entre nós, preparando-se para suportar nossa presença durante apenas três. Para receber uma tarefa do Céu, conviveu com a Natureza apascentando rebanhos; para desbravar as estradas do Salvador, meditou muito tempo nos ásperos desertos da Judeia.


As ponderações carinhosas de Ananias caíam-lhe na alma opressa como bálsamo vitalizante.

— Quando hajas sofrido mais — continuava o benfeitor e amigo sincero —, terás apurado a compreensão dos homens — e das coisas. Só a dor nos ensina a ser humanos. Quando a criatura entra no período mais perigoso da existência, depois da matinal infância e antes da noite da velhice; quando a vida exubera energias, Deus lhe envia os filhos, para que, com os trabalhos, se lhe enterneça o coração. Pelo que me hás confessado, é possível não venhas a ser pai, mas terás os filhos do Calvário em toda parte. Não viste Simão Pedro, em Jerusalém, rodeado de infelizes? Naturalmente, encontrarás um lar maior na Terra, onde serás chamado a exercer a fraternidade, o amor, o perdão… É preciso morrer para o mundo, para que o Cristo viva em nós…


Aquelas observações tão sadias e tão mansas penetraram o espírito do ex-rabino como bálsamo de consolação de horizontes mais vastos. Suas palavras carinhosas fizeram-no recordar alguém que o amava muito. De cérebro cansado pelos embates do dia, Saulo esforçava-se por fixar melhor as ideias. Ah!… agora se lembrava perfeitamente. Esse alguém era . Veio-lhe de súbito o desejo de se avistar com o velho mestre. Compreendia a razão daquela lembrança. É que, também ele, pela última vez, lhe falara da necessidade que sentia dos lugares ermos, para meditar as sublimes verdades novas. Sabia-o em Palmira, na companhia de um irmão. Como não se recordara ainda do antigo mestre, que lhe fora quase um pai? Certamente, Gamaliel recebê-lo-ia de braços abertos, regozijar-se-ia com as suas conquistas recentes, dar-lhe-ia conselhos generosos quanto aos rumos a seguir.


Engolfado em recordações cariciosas, agradeceu a Ananias com um olhar significativo, acrescentando sensibilizado:

— Tendes razão… Buscarei o deserto em vez de voltar a Jerusalém precipitadamente, sem forças, talvez, para enfrentar a incompreensão dos meus confrades.

Tenho um velho amigo em Palmira, que me acolherá de bom grado. Ali repousarei algum tempo, até que possa internar-me pelas regiões ermas, a fim de meditar as lições recebidas.

Ananias aprovou a ideia com um sorriso. Ainda ficaram conversando longo tempo, até que a noite mergulhou a alma das coisas no seu velário de sombras espessas.


O velho pregador conduziu, então, o novo adepto para a humilde reunião que se realizava nesse sábado de grandes desilusões para o ex-rabino.

Damasco não tinha propriamente uma igreja; entretanto, contava numerosos crentes irmanados pelo ideal religioso do “Caminho”. O núcleo de orações era em casa de uma lavadeira humilde, companheira de fé, que alugava a sala para poder acudir a um filho paralítico. Profundamente admirado, o moço tarsense enxergou ali a miniatura do quadro observado pela primeira vez, quando tivera a curiosidade invencível de assistir às célebres . Em torno da mesa rústica, juntavam-se míseras criaturas da plebe, que ele sempre mantivera separada da sua esfera social. Mulheres analfabetas com crianças ao colo, velhos pedreiros rudes, lavadeiras que não conseguiam conjugar duas palavras certas. Anciães de mãos trêmulas, amparando-se a cajados fortes, doentes misérrimos que exibiam a marca de enfermidades dolorosas. A cerimônia parecia ainda mais simples que as de Simão Pedro e seus companheiros galileus. Ananias chefiava e presidia o ato. Sentando-se à mesa, qual patriarca no seio da família rogou as bênçãos de Jesus para a boa vontade de todos. Em seguida, fez a leitura dos ensinos de Jesus, respigando algumas sentenças do Mestre Divino nos pergaminhos esparsos. Depois de comentar a página lida, ilustrando-a com a exposição de fatos significativos, do seu conhecimento, ou da sua experiência pessoal, o velho discípulo do Evangelho deixava o lugar, percorria as filas de bancos e impunha as mãos sobre os doentes e necessitados. Comumente, segundo o hábito das primeiras células cristãs do primeiro século, ao memorar as alegrias de Jesus quando servia o repasto aos discípulos, fazia-se modesta distribuição de pão e água pura em nome do Senhor. Saulo serviu-se do bolo simples enternecidamente. Para sua alma, o cibo mesquinho tinha o sabor divino da fraternidade universal. A água clara e fresca da bilha grosseira soube-lhe a fluido de amor que partia de Jesus, comunicando-se a todos os seres. Ao fim da reunião, Ananias orava fervorosamente. Depois de contar a visão de Saulo e a sua própria, nos comentários singelos daquela noite, pedia ao Salvador protegesse o novo servo em demanda a Palmira, a fim de meditar mais demoradamente na imensidão de suas misericórdias. Ouvindo-lhe a rogativa que o calor da amizade revestia de amavio singular, Saulo chorou de reconhecimento e gratidão, comparando as emoções do rabino que fora, com as do servo de Jesus que agora queria ser. Nas reuniões suntuosas do Sinédrio, jamais ouvira um companheiro exorar ao Céu com aquela sinceridade superior. Entre os mais afeiçoados só encontrara elogios vãos, prontos a se transformarem em calúnias torpes, quando lhes não podia conceder favores materiais. Em toda parte, admiração superficial, filha do jogo dos interesses inferiores. Ali, a situação era outra. Nenhuma daquelas criaturas desfavorecidas da sorte viera pedir-lhe facilidades; todos pareciam satisfeitos ao serviço de Deus, que assim os congregava a termo de trabalhos exaustivos e penosos. E, por fim, ainda rogavam a Jesus lhe concedesse paz de espírito para o seu empreendimento.


Terminada a reunião, Saulo de Tarso tinha lágrimas nos olhos. Na igreja do “Caminho”, em Jerusalém, os Apóstolos galileus o trataram com especial deferência, atentos à sua posição social e política, senhor das regalias que as convenções do mundo lhe conferiam; mas os cristãos de Damasco impressionaram-no mais vivamente, arrebataram-lhe a alma, conquistando-a para uma afeição imorredoura, com aquele gesto de confiança e carinho, tratando-o como irmão.

Um a um, apertaram-lhe a mão com votos de feliz viagem. Alguns velhos mais humildes beijaram-lhe as mãos. Tais provas de afeto davam-lhe novas forças. Se os amigos do judaísmo lhe desprezavam a palavra,  acintosos e hostis, começava agora a encontrar no seu caminho os filhos do Calvário. Trabalharia por eles, consagraria ao seu consolo as energias da mocidade. Pela primeira vez na vida, revelou interesse pelo sorriso das criancinhas. Como se desejasse retribuir as demonstrações de carinho recebidas, tomou nos braços um menino doente. Diante da pobre mãe sorridente e agradecida fez-lhe festas, acariciou-lhe os cabelos desajeitadamente. Entre os acúleos agressivos de sua alma apaixonada, começavam a desabrochar as flores de ternura e gratidão.


Ananias estava satisfeito. Junto dos irmãos de mais confiança, acompanhou o neófito até à pensão de Judas. Aquele modesto grupo desconhecido percorreu as ruas banhadas de luar, estreitamente unido e reconfortando-se em comentários cristãos. Saulo admirava-se de haver encontrado tão depressa aquela chave de harmonia que lhe proporcionava segura confiança em todos. Teve a impressão de que nas genuínas comunidades do Cristo a amizade era diferente de tudo que lhe dava expressão nos agrupamentos mundanos. Na diversidade das lutas sociais o traço dominante das relações cifrava-se agora, a seus olhos, nas vantagens do interesse individual; ao passo que, na unidade de esforços da tarefa do Mestre, havia um cunho divino de confiança, como se os compromissos tivessem o ascendente divino, original. Todos falavam, como nascidos no mesmo lar. Se expunham uma ideia digna de maior ponderação, faziam-no com serenidade e geral compreensão do dever; se versavam assuntos leves e simples, os comentários timbravam franca e confortadora alegria. Em nenhum deles notava a preocupação de parecer menos sincero na defesa dos seus pontos de vista; mas, ao invés, lhaneza de trato sem laivos de hipocrisia, porque, em regra, sentiam-se sob a tutela do Cristo, que, para a consciência de cada um, era o amigo invisível e presente, a quem ninguém deveria enganar.


Consolado e satisfeito de haver encontrado amigos na verdadeira acepção da palavra, Saulo chegou à estalagem de Judas, despedindo-se de todos profundamente comovido. Ele próprio surpreendia-se com o sabor de intimidade com que as expressões lhe afloravam aos lábios. Agora compreendia que a palavra “irmão”, largamente usada entre os adeptos do “Caminho”, não era fútil e vã. Os companheiros de Ananias conquistaram-lhe o coração. Nunca mais esqueceria os irmãos de Damasco.

No dia imediato, contratando um serviçal indicado pelo estalajadeiro, Saulo de Tarso, ao amanhecer, embora surpreendesse o dono da casa com o seu ânimo resoluto, pôs-se a caminho da cidade famosa, situada num oásis em pleno deserto.


Nas primeiras horas da manhã, saíam das portas de Damasco dois homens modestamente trajados, à frente de pequeno camelo carregado das necessárias provisões.

Saulo fizera questão de partir assim, a pé, de modo a iniciar a vida com rigores que lhe seriam sumamente benéficos mais tarde. Não viajaria mais na qualidade de doutor da Lei, rodeado de servos, sim como discípulo de Jesus, adstrito aos seus programas. Por esse motivo, considerou preferível viajar como beduíno, para aprender a contar, sempre, com as próprias forças. Sob o calor calcinante do dia, sob as bênçãos refrigeradoras do crepúsculo, seu pensamento estava fixo n’Aquele que o chamara do mundo para uma vida nova. As noites do deserto, quando o luar enche de sonho a desolação da paisagem morta, são tocadas de misteriosa beleza. Sob as frondes de alguma tamareira solitária, o convertido de Damasco aproveitava o silêncio para profundas meditações. O firmamento estrelado tinha, agora, para seu espírito, confortadoras e permanentes mensagens. Estava convicto de que sua alma havia sido arrebatada a novos horizontes, porque, através de todas as coisas da Natureza, parecia receber o pensamento do Cristo que lhe falava carinhosamente ao coração.




De Citium — Cício, cidade da ilha de Chipre. (Nota da Editora)



Vinícius

ex 20:13
Na Seara do Mestre

Categoria: Livro Espírita
Ref: 3373
Capítulo: 3
Vinícius
Um homem tinha dois filhos. Chamando o primeiro, disse-lhe: 'Filho, vai, hoje, trabalhar na minha vinha'. Este, porém, retruca: 'Não quero ir'. Mais tarde, tocado de arrependimento, foi. Chegando-se ao segundo, disse-lhe o mesmo, isto é: Vai trabalhar na minha vinha'. 'Irei, senhor', retrucou o filho, mas não foi. Qual dos dois fez a vontade do pai?".

(MATEUS, 21:2 8 a 31.)


Eis o conto evangélico em sua singeleza arrebatadora. Meditemo-lo. Comecemos analisando as personagens que nele figuram. Trata-se apenas de um pai e dois filhos.


Aquele, como imagem da Divindade, estes personificando os homens em geral. O pai dirige a ambos os filhos o mesmo apelo: Ide, hoje, trabalhar na minha vinha. Um deles acolhe favoravelmente o convite, prometendo atendê-lo, porém fica somente na promessa. Outro, rejeitando, de modo peremptório, o chamamento paterno, declara abertamente que não irá; mais tarde, refletindo, arrepende-se e vai. Qual dos dois fez a vontade do pai? Tal a pergunta.


A parábola põe em evidência as duas mentalidades religiosas de todos os tempos: a aparente e a real; aquela que se manifesta em intenções e promessas, em aparências e exterioridades, cultos e cerimoniais; e a que se revela em fatos concretos, no procedimento e na conduta retilínea ditada pela consciência dos crentes. Uma, que se pode, com justeza, comparar às parras, e outra, aos frutos abundantes e sazonados. Essas duas categorias de religiosos estão, pois, prefiguradas nos dois filhos: um que diz: "Já vou, meu pai", deixando, porém, de cumprir o prometido. Outro que se nega francamente a anuir à solicitação paterna; todavia, ulteriormente, refletindo, arrepende-se e vai.


Quando, pois, quisermos saber onde estão os cristãos, devemos procurá-los, não entre os que exteriormente se dizem tais, mas no meio daqueles cujos atos reflitam o espírito de justiça, tolerância, renúncia e fraternidade, únicos característicos que assinalam os verdadeiros discípulos de Jesus. É pelos frutos e não pelas ramas e folhas que se conhece a árvore. Res, non verba [Fatos e não palavras].


Encaremos, em seguida, outro aspecto importantíssimo deste modesto conto evangélico.


Notemos bem a atitude do pai daqueles dois filhos, pois essa atitude reflete claramente as condições em que os homens se acham em relação a Deus, o Pai comum de toda a Humanidade. Ele dirigiu aos filhos um simples e natural chamamento, e o fez de modo que eles pudessem, sem constrangimento, aceitá-lo ou não. Não prometeu recompensas e favores ao que o atendesse, nem punição ao que o desobedecesse. Concedeu-lhes liberdade de ação.


Espelha-se aí, nitidamente para os que tiverem olhos de ver, as relações em que estamos, nós, os homens, em face da Lei Natural que nos rege os destinos. A lei é clara e simples, serena e justa. Um apelo, apenas: "Vai, hoje, trabalhar na minha vinha", isto é, cumpre o teu dever; corrige-te, aperfeiçoa-te procurando conhecer-te a ti mesmo. Não faças a outrem o que não desejas que os outros te façam.


Ama o próximo como a ti mesmo, de vez que a cada um será dado segundo as suas obras, e não conforme a crença que adote, ou, ainda, as cerimônias que pratique. Naquele dia, muitos dirão: "Senhor, Senhor, nós profetizamos em teu nome, entoamos cânticos em teu louvor, expelimos demônios e obramos milagres invocando tua presença; mas eu lhes direi abertamente: Não vos conheço; apartai-vos de mim, vós todos que vivestes na iniquidade". (Mateus, 7:22 e 23.) Ainda uma vez: Res, non verba.


São dignas de nota as lições desta historieta cuja simpleza condiz tão bem com a humildade e a sabedoria da escola cristã. Quanta nobreza e eloquência encerra a compostura do pai destes dois filhos! Na sua serenidade, vê-se que ele conhece profundamente o temperamento dos filhos e sabe a maneira eficaz de conduzi-los. Conhece também as consequências — decorrentes da desobediência — que recairão sobre eles. Age, por isso, como onisciente e onipotente. Não tem pressa: confia e espera. Não ameaça com penalidades os desobedientes, nem acena com prêmios e pagas para ser atendido e respeitado. Não quer servos nem lacaios: quer filhos que reflitam o caráter e as qualidades paternas.


Portanto, não age nem humilha: dá liberdade.


Repetimos: quanta nobreza e quanta excelência na atitude dessa figura paterna concebida e plasmada pelo Divino Mestre para nos instruir e esclarecer acerca das relações entre Deus e os homens! Está patente, neste transe da parábola, o livre-arbítrio relativo que gozamos. Em tal, importa a condição de responsabilidade, e, consequentemente, do mérito ou demérito de cada um.


A liberdade é o meio de realizar a evolução dos seres racionais e conscientes. Sem ela não há ação imputável. Dizem que a liberdade é perigosa. Seja; todavia é só no regime da liberdade que se consegue promover o aperfeiçoamento individual. Sem essa condição, jamais se logrará formar e Iconsolidar caracteres, jamais se conseguirá criar personalidades. O bem e o belo, as artes sob suas várias modalidades, as especulações científicas e filosóficas, assim como o sentimento de dignidade e altruísmo, só medram nos climas desanuviados, forros de restrições humilhantes, nos terrenos abertos, banhados pela luz e pelo calor vivificantes do sol da liberdade. A servidão e a doblez são incompatíveis com aqueles que já descobriram em si a origem divina, a centelha sagrada que refulge em suas almas.


Tirai, diz o eminente tribuno e filósofo Castelar, a liberdade da arte, e a arte converter-se-á em algo mais instintivo que o canto das aves; tirai-a do trabalho, e o trabalho se transformará no movimento cego e monótono das máquinas; tirai-a dos afetos, e os afetos, essas grandes molas espirituais, se reduzirão a alguma coisa menos apreciável que os amores brutais das feras;


tirai-a da política, e os povos cairão na indiferença, no marasmo e na apatia sonolenta dos muçulmanos; tirai-a da moral e não haverá mais ação imputável, desaparecendo a responsabilidade; tirai-a, finalmente, da religião e tereis convertido esse liame divino, esse código sublime para a vida e para a morte, em ordenança de polícia, fazendo de Deus agente de ordem pública, esse mesmo Deus que deu a lei de atração aos mundos, para que cumpram a sua eterna harmonia, e a lei da liberdade aos homens, para que estabeleçam uma harmonia mais excelente ainda: a harmonia da justiça.


A ideologia cristã é essencialmente liberal. O seu objetivo é tornar os homens independentes, conforme se infere de todos os postulados evangélicos. São Paulo, o destacado vexilário da fé, dizia com entusiasmo: "Onde há o espírito do Cristo, aí há liberdade". (II Coríntios, 3:17.) A recíproca a essa sentença não pode deixar de ser esta outra: Onde domina a servidão, ostensiva ou disfarçada, em todas as esferas de atividade humana, servidão imposta à força ou mantida por meios e processos dissimulados, aí reina o anticristo.


No entanto, ao fazermos a apologia da liberdade como direito natural, apressamo-nos em declarar que todo direito nasce do dever. Quem não cumpre os seus deveres acabará perdendo os seus direitos, isto não só em relação aos indivíduos como também no que respeita aos povos e às nações.


Aqui se funda o dizer de Jesus: "Permanecendo nas minhas palavras, sereis meus discípulos e conhecereis a verdade e a verdade vos fará livres". (João, 8:31 e 32.) Na verdade, no curso da vida, resume-se no dever de viver, e viver honestamente, honrando e dignificando a vida, tanto a própria quanto a alheia, de vez que a vida é a suprema graça, é a herança sagrada havida do Pai celestial.


* * *

Respigando ainda na seara fértil que se nos depara nesta passagem, consideremos a obediência sob seu duplo aspecto, isto é, como virtude que faz jus ao respeito e à admiração, e como expressão de fraqueza ou de vilania.


A obediência só é virtude, e, nesse caso, digna de ser cultivada, quando é espontânea, voluntária e natural, exatamente como no gesto de um dos protagonistas da parábola ora em estudo. É essa obediência que devemos ao nosso Criador e para a qual Ele nos deseja conquistar. Sim, notemos bem, dizemos conquistar, porque Deus não impõe: conquista, granjeia a obediência de seus filhos. A espontaneidade é o característico essencial de toda virtude. A obediência constrangida, determinada por autoridade, por mais legítima que se pretenda essa autoridade, carece de valor moral. A obediência que procede do terror é covarde, é simulada; a que resulta do interesse, ou seja, do propósito de alcançar recompensas presentes ou futuras é venal. Aquele que obedece por medo é pusilânime, e o que faz visando a lucros é negocista. Em nenhum dos casos existe virtude, ambos revelam frouxidão de caráter. Importa, outrossim, em verdadeira heresia pretendermos obedecer ou agradar a Deus para evitar punições ou obter favores. Ele sonda os recônditos mais íntimos do coração humano e conhece perfeitamente bem quais os fatores que determinam os nossos atos e as nossas atitudes. Cumpre, pois, que o obedeçamos assim como o devemos adorar: em espírito e em verdade, tal como Jesus ensinou à mulher samaritana.


Os que se amoldam à falsa obediência constrangem a consciência própria, envilecem-se e se degradam. Aqueles, porém, que cultivam a verdadeira, promovem a emancipação pessoal, acelerando o curso de sua evolução. Tal é a obediência nobre e altiva do homem livre que, de moto próprio, delibera e age, assim como procedeu, atentemos bem, um dos filhos da parábola que estamos comentando. Aquela outra é a obediência do escravo que se movimenta e se agita, ora temendo o azorrague, ora visando a proventos. Tanto o medo como a cobiça são manifestações positivas de inferioridade. A obediência-virtude, que exclui cálculos, é lúcida, é fruto do raciocínio, é filha da gratidão. Aquele moço que, a princípio, rejeitou o convite paterno, mais tarde, entregue às suas próprias cogitações, arrependeu-se, e, voluntariamente, tomou a resolução de ir à vinha do pai. O arrependimento é consequência natural da confissão íntima da conduta individual. Logo, a obediência-virtude nasce da luz, é luminosa, é racional. O filho desobediente que aparece neste apólogo foi vencido pelo sentimento da gratidão que aflorou em sua consciência. Ele reconheceu o direito paterno, originado do amor, desse amor que leva os pais a renunciarem a tudo pela felicidade dos filhos.


Esse é, em realidade, o sentimento que Deus suscita no coração dos pecadores, seus filhos transviados.


* * *

Insistimos ainda na natureza daquele pedido suave e doce que o bondoso e sereno genitor dirigia aos seus filhos:


"Ide, hoje, trabalhar na minha vinha".


Ide, hoje.


O chamamento divino tem sempre esse cunho de atualidade. A hora vem e agora é; são chegados os tempos — assim dizia, há vinte séculos, o Enviado celeste. A palavra do Céu não é para amanhã, é para hoje mesmo, é para o momento.


Deus está no eterno presente. Sua ação é sempre atual.


Quando o descobrimos dentro de nós, opera-se o nosso nascimento espiritual: começamos, desde logo, a viver a vida imortal.


Mas, afinal, que significa trabalhar no vinhedo do Senhor? Esse labor estará, acaso, representado nas grandes metrópoles com os seus arranha-céus, seus palácios, teatros, catedrais, caminhos de ferro, viaturas que devoram distâncias em poucos minutos, como os autos e aviões; estará no rádio, na televisão e em outras tantas expressões do progresso material, de que tanto se ufanam os homens do século, e ao qual, impropriamente, denominam de civilização? A resposta negativa a esta pergunta, estamos a ouvi-la no troar dos canhões, no sibilar das balas, no bombardeio de cidades abertas, no talar dos campos e das searas, na carnificina bárbara e cruel que ensopa o solo de sangue e de lágrimas, quando Deus determinou que ele fosse regado com o suor do nosso rosto. A resposta negativa, ao quesito acima formulado, está, pois, na conduta humana, completamente divorciada, não digamos já da moral evangélica, mas da lei vetusta, que séculos antes do advento cristão foi dada a Moisés, no Sinai: "Não matarás!". (Êxodo, 20:13.) Decididamente a obediência cega, ditada pelas autoridades humanas, abriu falência. Dogmas e decretos não atingem a consciência nem o coração humano. Os fatos confirmam a nossa assertiva. O mundo precisa ser cristianizado. Só a moral cristã, revivida em sua simplicidade e pureza primitiva, tem poder para salvá-lo.



Francisco Cândido Xavier

ex 20:13
Ceifa de Luz

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 25
Francisco Cândido Xavier
“Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir.” — JESUS (Mt 5:17)

“Não matarás”, diz a Lei. (Ex 20:13)

O texto não se refere, porém, unicamente, à vida dos semelhantes.

Não frustrarás a tarefa dos outros, porque a suponhas inadequada, de vez que toda tarefa promove quem a executa, sempre que nobremente cumprida.

Não dilapidarás a esperança de ninguém, porquanto a felicidade, no fundo, não é a mesma na experiência de cada um.

Não destruirás a coragem daqueles que sonham ou trabalham em teu caminho, considerando que, de criatura para criatura, difere a face do êxito.

Não aniquilarás com inutilidades o tempo de teus irmãos, porque toda hora é agente sagrado nos valores da Criação.

Não extinguirás a afeição na alma alheia, porquanto ignoramos, todos nós, com que instrumento de amor a Sabedoria Divina pretende mover os corações que nos partilham a marcha.

Não exterminarás a fé no espírito dos companheiros que renteiam contigo, observando-se que as estradas para Deus obedecem a estruturas e direções que variam ao Infinito.

Reflitamos no bem do próximo, respeitando-lhe a forma e a vida. A Lei não traça especificações ou condições dentro do assunto; preceitua, simplesmente: “não matarás”. (Ex 20:13)




Diversos

ex 20:13
Fonte de Paz

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 5
Francisco Cândido Xavier
Diversos

Situado entre leis físicas inelutáveis, no campo de evolução na Terra, à maneira do aluno, entre as paredes e regimes do educandário, o homem dispõe do livre arbítrio na esfera das leis morais que lhe presidem o desenvolvimento e a ascensão para a imortalidade.

Justo, portanto, seja defrontado por todos os débitos em que se onerou perante a vida, porque, de outro modo, não conseguiria crescer para a luz a que está reservado.

Não poderá, por isso, desvencilhar-se dos compromissos que plasmou para si mesmo, razão pela qual, se desperto para a verdade, ser-lhe-á o bem de todos a meta de cada dia, a fim de que por testemunhos incessantes de boa vontade e amor, se desagrave na Lei, quanto às aflições que lhe estão debitadas pela própria conduta no pretérito, que lhe comanda o presente.

Compreendendo que o destino amargo de hoje foi por ele mesmo criado, com o livre arbítrio de ontem, constitui-lhe dever atenuar quanto possível as próprias contas para que se lhe solucionem os problemas sem maiores inquietações.

Chegados à semelhante conclusão, é natural tudo façamos para que a preservação digna nos favoreça contra o assalto do crime, mesmo porque a Excelsa Providência concedendo à criatura humana o benefício do lar, fê-lo de modo a resguardá-la com a eficiência devida, inspirando-lhe meios para defender-se de malfeitores, tanto quanto lhe sugere o agasalho contra a intempérie.

Em razão disso, o próprio Cristo não nos exortou em vão à própria segurança, quando nos traçou o imperativo da vigilância e da oração.

Cumpridos por nós tais deveres, com a execução das obrigações outras que nos quitem a consciência no plano do respeito recíproco e da caridade infatigável para com o próximo, estejamos seguros na fortaleza de nossa fé, prontos a receber quaisquer golpes que nos sejam desferidos na estrada regeneradora, porque, então, diante da paz de nossas almas, toda sorte de infortúnio que nos acometa a existência terrena representará imprescindível resgate das culpas que contraímos, cabendo-nos confiar as nossas decisões e situações ao julgamento justo de Deus, porquanto, para nós o regulamento da Lei Divina é claro e insofismável em nos preceituando: — “Não matarás”. (Ex 20:13)




Irmão X

ex 20:13
Pontos e Contos

Categoria: Livro Espírita
Capítulo: 33
Francisco Cândido Xavier
Irmão X

Depois de certa pregação de Jesus, em Cafarnaum, encontrou o Mestre, em casa de Pedro, quatro cavalheiros de luzente aspecto, a lhe aguardarem a palavra.

Vinham de longe, explicaram atenciosos. Judeus prestigiosos da Fenícia, moravam em Sídon. Já haviam bebido a cultura egípcia e grega, tanto quanto a filosofia dos persas e babilônios. O anúncio da Boa Nova chegara-lhes aos ouvidos. Desejavam servir nas fileiras do Novo Reino, combatendo a licenciosidade dos costumes, na avareza dos ricos e na revolta dos pobres. Aceitavam o Deus Único e pretendiam consagrar-lhe a vida.

De quando em quando, os recém-chegados retificavam as dobras das irrepreensíveis túnicas de linho alvo ou acentuavam, de leve, o apuro das sandálias.

O Senhor ouviu-lhes as informações com admirável benevolência.

Cada qual falou, por sua vez, comentando as angústias do problema social na poderosa cidade de que provinham e, após encarecerem a necessidade de transformações políticas no cenário do mundo, esperaram, curiosos, a palavra do Cristo, que lhes afirmou, bondoso:

— Está escrito: (Dt 6:4) — Amarás o Senhor, Nosso Deus e Nosso Pai, de todo o coração, e não farás d’Ele imagens abomináveis; (Ex 20:4) eu, porém, acrescento — fugi igualmente à idolatria de vossos próprios desejos, aniquilai o exclusivismo e não vos entronizeis na mentira, porque estaríeis lesando a Sublime Divindade.

Recomenda Moisés: (Ex 20:7) — Não tomarás o nome do Todo-Poderoso em vão; esclareço-vos, contudo, que ninguém deve menoscabar o nome do próximo na maledicência, na calúnia, no verbo inútil ou desleal.

Determina o Decálogo: (Ex 20:10) — Santificarás o dia de sábado; exorto-vos, entretanto, a não converterdes semelhante artigo em escora da ociosidade sistemática. Respeitando a pausa necessária da natureza, não a transformeis em hosanas à preguiça dissolvente.

Manda o texto antigo: (Ex 20:12) — Venera teu pai e tua mãe nos laços consanguíneos; todavia, é imperioso reconhecer a necessidade de respeito a todos os homens dignos, onde estiverem, olvidando-se no bem geral as fronteiras de raça, família, cor e religião, compreendendo-se que acima dos limites impostos pelo sangue, na Terra, prevalecem os imperativos sagrados da Família Universal.

Reza a lei do passado: (Ex 20:13) — Não matarás; eu, porém, vos digo que não se deve matar em circunstância alguma e que se faz indispensável a vigilância sobre os nossos impulsos de oprimir os seres inferiores da Natureza, porque, um dia, responderemos à Justiça do Criador Supremo pelas vidas que consumimos.

Pede o venerável testamento: (Ex 20:14) — Não cometerás adultério; asseguro-vos, no entanto, que o adultério não atinge somente o corpo de nossas irmãs em Humanidade, mas também a carne e a alma de todos os homens que se esqueceram de caminhar retamente.

Aconselha o grande legislador: (Ex 20:15) — Não furtarás; digo-vos, contudo, que não se deve roubar, não somente objetos valiosos e valores em dinheiro, mas também não nos cabe furtar o tempo do Senhor, nem distrair os minutos dos servos aplicados de suas obras.

Consta na velha aliança: (Ex 20:16) — Não dirás falso testemunho contra o teu próximo; declaro-vos, porém, que é imprescindível guardar boa vontade e amor no coração, irradiando-os em pensamento.

Assinala a revelação antiga: (Ex 20:17) — Não cobiçarás a casa do teu próximo, nem desejarás a sua mulher, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento; eu, porém, vos afianço que nos compete a obrigação de procurar a luz, o bem e a felicidade, trabalhando sem desânimo e servindo a todos sem descanso, inacessíveis à peçonha do ódio, da inveja, do ciúme, do despeito e da discórdia, portadores que são de veneno e treva para o Espírito.


Fez o Mestre pequeno intervalo na preleção, reparando que os visitantes da Fenícia se mantinham pálidos e confundidos.

Nesse ínterim, a sogra de Pedro reclamou-lhe a presença num quarto próximo; e Jesus, rogando ligeira licença, prometeu prosseguir nos ensinamentos novos, por mais alguns instantes; todavia, em voltando pressuroso aos ouvintes, debalde procurou as consulentes, movimentando os olhos ternos e lúcidos.

Na sala silenciosa não havia ninguém…


(.Humberto de Campos)


Referências em Outras Obras

Não foram encontradas referências em Outras Obras.

Comentários Bíblicos

Este capítulo é uma coletânea de interpretações abrangentes da Bíblia por diversos teólogos renomados. Cada um deles apresenta sua perspectiva única sobre a interpretação do texto sagrado, abordando diferentes aspectos como a história, a cultura, a teologia e a espiritualidade. O capítulo oferece uma visão panorâmica da diversidade de abordagens teológicas para a interpretação da Bíblia, permitindo que o leitor compreenda melhor a complexidade do texto sagrado e suas implicações em diferentes contextos e tradições religiosas. Além disso, o capítulo fornece uma oportunidade para reflexão e debate sobre a natureza da interpretação bíblica e sua relevância para a vida religiosa e espiritual.

Beacon

Comentário Bíblico de Beacon - Interpretação abrangente da Bíblia por 40 teólogos evangélicos conservadores
Beacon - Comentários de Êxodo Capítulo 20 do versículo 1 até o 26
B. Os DEZ MANDAMENTOS 20:1-17

Deus falou (1) com o povo do monte em chamas. O texto em Deuteronômio declara nitidamente que Deus "no monte, do meio do fogo, da nuvem e da escuridade, com grande voz" (Dt 5:22) deu estes mandamentos para a assembléia. Não sabemos como Deus falou em voz audível, mas Israel entendia que a voz que ouviam era de Deus. Esta era "uma voz audível e terrível, a voz de Jeová, soando como trombeta pela multidão (19.16: 20,18) ".' Este modo de descrever o evento não indica que Deus tenha cordas vocais como o homem, mas assevera que Deus criou um som audível que, de forma inteligível, enun-ciava suas palavras para o homem. Depois que ouviram aquela voz, preferiram que Moisés (19) lhes falasse.

É importante saber que era o SENHOR, teu Deus (2), que estava falando. Nos dias de hoje, quando se fala em "nova moralidade" e quando há teólogos que anunciam que "Deus está morto", precisamos saber onde está a autoridade divina. Estas pala-vras foram ditas por Deus ao povo como normas orientadoras para toda a humanidade. Não basta afirmar que são pertinentes apenas para a época em que foram dadas. "Deus queria que os israelitas entendessem claramente que fora Ele mesmo que lhes dera os mandamentos."'

Além disso, as pessoas ouviram todas estas palavras (1). No original hebraico, os Dez Mandamentos são chamados "dez palavras" (34.28; Dt 4:13-10.4; daí o título Decálogo. lit., "dez palavras"). Estes dizeres não foram copiados do Egito ou de outras nações, como alguns suspeitam. "As declarações do monte Sinai são nobres e inteiramente diferentes de qualquer coisa encontrada em todo o conjunto da literatura egípcia."'

Deus deu estas palavras não como meio de salvação, porque este povo já estava salvo do Egito, mas como norma de conduta. Levando em conta que a obediência era uma cláusula para a continuação do concerto (19.5), estas palavras se tornaram a base de perseverança na qualidade de povo de Deus. Paulo deixou claro que a observância da lei não é meio de salvação pessoal, pois a justificação é pela fé em Cristo (Gl 2:16). A lei conduz a Cristo, mas não salva (Gl 3:24). "Se não é verdade que podemos cumprir a lei para ganhar o céu, é igualmente falso que podemos quebrá-la sem sermos punidos ou sentirmos remorso."' Deduzimos que esta lei moral foi dada como fundamento providen-cial para a fé do povo de Deus. Quem o ama observa sua lei.

Dividir a lei em lei moral, lei cerimonial e lei civil é, por um lado, útil, e, por outro, enganoso. Lógico que a lei moral do Decálogo é básica e expressa a responsabilidade de todos os homens. Mas as outras leis dadas a Israel também eram igualmente obrigatóri-as. As leis de Deus eram demonstração de sua justiça por meio de símbolos e forneciam uma disciplina pela qual os israelitas poderiam ser conformados à santidade de Deus.' As leis sociais e cerimoniais mudam, mas as relações fundamentais entre Deus e o ho-mem, e entre os homens, conforme exaradas no Decálogo, são eternas.

A divisão dos Dez Mandamentos é entendida de modos variados. Seguindo Agosti-nho, a Igreja Católica Apostólica Romana e a Igreja Luterana consideram os versículos 2:6 o primeiro mandamento e dividem o versículo 17, que trata da cobiça, em dois man-damentos. O judaísmo hodierno reputa que o versículo 2 ordena a crença em Deus e é a primeira palavra; e combina os versículos 3:6 na segunda. A divisão aceita nos primórdios da igreja torna o versículo 3 o primeiro mandamento e os versículos 4:6 o segundo. Esta posição foi "apoiada por unanimidade pela igreja primitiva, e é mantida hoje pela Igreja Ortodoxa Oriental e pela maioria das igrejas protestantes".19

Os primeiros quatro mandamentos compõem a primeira tábua do Decálogo e mos-tram a relação apropriada do homem com Deus. Têm seu cumprimento no primeiro grande mandamento: "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento" (Mt 22:37). Os últimos seis mandamentos lidam com as rela-ções humanas e cumprem-se no amor ao próximo como a si mesmo.

  1. O Primeiro Mandamento: Não Ter Outros Deuses (20,3)

O versículo 2 é a introdução do primeiro mandamento. Deus identifica quem tirou os filhos de Israel da servidão egípcia: O SENHOR. Visto que ele os libertara e provara que era supremo, eles tinham de torná-lo seu Deus. Não havia lugar para competidores. Todos os outros deuses eram falsos.

Diante de mim (3) significa "lado a lado comigo ou além de mim"." Deus não espe-rava que Israel o abandonasse; Ele sabia que o perigo estava na tendência de prestar submissão igual a outros deuses. Este mandamento destaca o monoteísmo do judaísmo e do cristianismo.

"O primeiro mandamento proíbe todo tipo de idolatria mental e todo afeto imoderado a coisas terrenas e que podem ser percebidas com os sentidos." Não existe verdadeira felicidade sem Deus, porque Ele é a Fonte de toda a alegria. Quem busca alegria em outros lugares quebra o primeiro mandamento e acaba na penúria e em meio a aconteci-mentos trágicos.

  1. O Segundo Mandamento: Não Fazer Imagens (20:4-6)

"Como o primeiro mandamento afirma a unidade de Deus e é um protesto contra o politeísmo, assim o segundo afirma sua espiritualidade e é um protesto contra a idola-tria e o materialismo.' Embora certas formas de idolatria não sejam materiais — por exemplo, a avareza (Cl 3:5) ou a sensualidade (Fp 3:19) —, o segundo mandamento con-dena primariamente a fabricação de imagens (4) na função de objetos de adoração. Este tipo de idolatria sempre existiu entre os povos pagãos mais simplórios do mundo. A his-tória de Israel comprova que esta tentação é traiçoeira.

Estas imagens pagãs eram feitas na forma de coisas vistas no céu, na terra e nas águas. Estas imagens não deveriam se tornar objetos de adoração: Não te encurvarás a elas (5). Os versículos 4:5 devem ser considerados juntos. Não há condenação para a confecção de imagens, contanto que não se tornem objetos de veneração. No Tabernáculo 25:31-34) e no primeiro Templo (1 Rs 6.18,29) havia obras esculpidas. A idolatria consis-te em transformar uma imagem em objeto de adoração e atribuir a ela poderes do deus que representa. Se considerarmos que gravuras ou imagens de pessoas possuam poderes divinos e que sejam adorados, então elas se tornam ídolos.

Deus apresentou os motivos para esta proibição. Ele é Deus zeloso, no sentido de que não permite que o respeito e a reverência devidos a Ele sejam dados a outrem. Deus não regateia o sucesso ou a felicidade para as pessoas, como faziam os deuses gregos. É para o bem dos filhos de Deus que eles devem consagrar e reverenciar o nome divino."

Deus pune a desobediência (5) e recompensa a obediência (6). Muitos questionam 3 julgamento nos filhos de pais ofensores, mas tais julgamentos são temporários (ver Ez 18:14-17) e aplicam-se às conseqüências, como, por exemplo, doenças, que natural-mente seguem as más ações. O medo de prejudicar os filhos deveria exercer coibição salutar na conduta dos pais. As perdas que os filhos sofrem por causa da desobediência parenta' podem levar os pais ao arrependimento. Na pior das hipóteses, a pena vai até à terceira e quarta geração, ao passo que a misericórdia é mostrada a mil gera-ções quando há amor e obediência.

  1. O Terceiro Mandamento: Não Tomar o Nome de Deus em Vão (20,7)

Tomar o nome do SENHOR, teu Deus, em vão é "recorrer ao irrealismo, ou seja. servir-se do nome de Deus para apelar ao que não é expressão do caráter divino".24 Tal uso profano do nome de Deus ocorre no perjúrio, na prática da magia e na invocação dos mortos. A proibição é contra o falso juramento e também inclui juramentos levianos e a blasfêmia tão comum em nossos dias. "Este mandamento não obsta o uso do nome de Deus em juramentos verdadeiros e solenes."'

Deus odeia a desonestidade, e é pecado sério alguém usar o nome divino para encobrir um coração mau, ou para se fazer melhor do que se é. A pessoa que procura disfarçar uma vida pecaminosa, ao mesmo tempo em que professa o nome de Cristo, quebra este terceiro mandamento. Tais indivíduos são culpados diante de Deus (7) e só recebem misericórdia depois de se arrependerem. Os justos veneram o nome de Deus por ser santo e sagrado.

  1. O Quarto Mandamento: Santificar o Sábado (20:8-11)

O uso do verbo lembra-te (8) insinua que é fácil negligenciar o dia santo de Deus. Tinha de ser mantido em ininterrupta consciência e santificado, ou seja, "retirado do emprego comum e dedicado a Deus" (ATA). Todo o trabalho comum seria feito em seis dias (9), ao passo que o sétimo dia é o sábado do SENHOR, teu Deus (10). Era um dia dedicado, separado, a ser dado inteiramente a Deus.

Ninguém deveria trabalhar neste sétimo dia. O senhor não deveria fazer seus ser-vos trabalharem. Até os animais tinham de descansar do trabalho cotidiano. Havia proi-bições específicas, como a ordem de não colher maná (16.26), não acender fogo (35.3), não apanhar lenha (Nm 15:32-36). Embora o foco seja negativo, a lei permitia o trabalho necessário, como o trabalho de sacerdotes e levitas no Templo, o atendimento a doentes e o salvamento de animais (cf. Mt 12:5-11).

A razão para observar o sábado é que Deus fez a terra em seis dias e ao sétimo dia descansou; portanto, abençoou o SENHOR o dia do sábado e o santificou (11 I. As Escrituras não fazem uma lista de coisas que se deve fazer no sábado. A inferência inequívoca é que o dia é de descanso e adoração. As ocupações seculares e materialistas devem ser substituídas por atividades espirituais. Cristo condenou o legalismo que deu ao dia a forma severa e insensível, embora não tenha anulado a sacralidade do dia. Foi ordenado para o bem do homem (Mac 2:23-28).

A observância do dia do Senhor (domingo) como o sábado cristão preserva o princí-pio moral que há neste mandamento. A mudança do sábado judaico para o sábado cristão foi feita gradualmente sem perder necessariamente o propósito de Deus para este dia santo.' Notamos que os versículos 9:10 não especificam o sábado nem "o sétimo dia da semana" como o dia do descanso sabático. A letra do mandamento é cumprida pela obser-vação do dia seguinte aos seis dias de trabalho, como faz o cristão.

5. O Quinto Mandamento: Honrar os Pais (20,12)

Honra a teu pai e a tua mãe é o primeiro mandamento em relação aos homens e rege o primeiro relacionamento que a pessoa tem com outrem: a relação dos filhos com os pais.

Este mandamento é tão básico que é amplamente universal. A maioria das sociedades reco-nhece a importância de filhos obedientes. A melhor exegese deste versículo é a exortação de Paulo encontrada em Efésios 6:1-3, onde ele destaca as responsabilidades de pais e filhos.

Com este mandamento ocorre uma promessa. Quem honra os pais tem a garantia de vida longa. O propósito desta promessa visava a nação em sua permanência na Palestina e o indivíduo que obedece. A promessa ainda vigora: a nação cujos filhos são obedientes permanece sob a bênção de Deus, e os indivíduos obedientes aos pais têm a promessa de vida mais longa. Haverá exceções a esta regra, mas aqui destacamos sua aplicação geral.'

  1. O Sexto Mandamento: Não Matar (20,13)

A vida é a possessão humana mais estimada e é errado privar alguém da vida sem justa causa. A história de Israel mostra que este mandamento não é absoluto. Houve a adição de outras cláusulas, como o homicídio desculpável (21.13), o homicídio acidental (Nm 35:23) e o homicídio justificável (22.2). Israel também foi autorizado a matar os inimigos. Não há exegese racional que condene a pena de morte ou a guerra simplesmente com base neste mandamen-to. Jesus esclareceu seu significado quando o citou: "Não matarás" (Mt 19:18).

Não há justificativa para a instigação de motins e rebeliões desnecessárias ou ou-tras condições semelhantes que levem ao derramamento de sangue. Há responsabilida-de evidente pelo cuidado adequado em viagens, projetos construtivos e jogos esportivos onde haja perigo. Esforços individuais e comunitários são necessários para a preserva-ção da vida humana. Mas este mandamento não requer nem justifica o prolongamento da vida por meio de remédios e equipamentos auxiliares quando a esperança pela vida normal se extingue.

  1. O Sétimo Mandamento: Não Adulterar (20,14)

A pureza sexual é o princípio subjacente neste mandamento. Adultério constituiu-se em relações sexuais ilícitas feitas por alguém casado. Tratava-se de pecado contra a família. Mas este mandamento é aplicável a todos os tipos de imoralidade sexual. A concepção em vigor atualmente que afirma haver exceções a esta regra não tem justifica-tiva. Jesus deixou claro que o adultério está no coração e ocorre antes do ato (Mt 5:28). Este mandamento condena todas as relações sexuais que acontecem fora do laço matri-monial. Também infere a proibição de atos que precedem e conduzem ao ato sexual.

  1. O Oitavo Mandamento: Não Furtar (20,15)

Este mandamento regula o direito da propriedade particular. É errado tomar de outro o que é legalmente dele. Constitui roubo quando a pessoa se apossa do que legal-mente pertence a uma empresa ou instituição. Não há justificativa para a "apropriação" mesmo quando a pessoa sente que o produto lhe é devido. Este mandamento é quebrado quando a pessoa intencionalmente preenche a declaração do Imposto de Renda com in-formações falsas, desta forma retendo tributos devidos ao governo. Esta prática é impró-pria mesmo que o cidadão desaprove o governo.
Também passa a ser roubo o ato de tirar vantagens de outrem na venda de proprieda-des ou produtos, ou na administração de transações comerciais. É impróprio pagar salári-w mais baixos do que devem receber por direito. O amor do dinheiro é o pecado básico condenado por este mandamento. A obediência é perfeita somente com um coração puro.

  1. O Nono Mandamento: Não Dar Falso Testemunho (20,16)

Enquanto que o roubo nos priva da propriedade, a conduta da falsa testemunha nos rouba da boa reputação. Seja no tribunal ou em outro lugar, nossa palavra sempre deve ser verdadeira. Não devemos divulgar um relato até que verifiquemos sua veracidade. A repetição da fofoca é imoral; antes de falar devemos averiguar a correção do que dize-mos. Há ocasiões em que mesmo a informação verdadeira não deve ser propagada; não temos a obrigação de anunciar a todos o que sabemos que é a verdade. Mas quando falarmos, até onde sabemos, sempre devemos dizer a verdade.

  1. O Décimo Mandamento: Não Cobiçar (20,17)

Este último mandamento está por baixo dos quatro precedentes, visto que atinge o propósito do coração. Matar, adulterar, roubar e mentir são resultados de desejos erra-dos que inflamam nosso ser. É singular que a lei hebraica inclua este desafio ao nosso pensamento e intenção. "Os antigos moralistas não reconheciam esta condição" e não condenavam os desejos maus.' Mas é no coração onde se inicia toda a rebelião, e este mandamento revela o aspecto interior de todos os mandamentos de Deus.

Paulo reconheceu este aspecto interior da lei quando se conscientizou de sua condi-ção pecaminosa (Rm 7:7). Muitas pessoas são absolvidas de crimes com base em atos exteriores, mas são condenadas quando levam em conta os pensamentos interiores. Es-tes desejos cobiçosos são, por exemplo, pela propriedade ou pela mulher pertencente ao próximo (17). Tais desejos criminosos precisam ser purgados pelo Espírito de Deus; só assim viveremos em obediência perfeita à santa lei de Deus.

  1. O MEDO DO Povo, 20:18-20

Os israelitas estavam perto de uma montanha em chamas e ouviram a voz do Deus Todo-poderoso. Que experiência tremenda! Quando viram esse cenário, afastaram-se e se puseram de longe (18). O medo tomou conta deles. Pediram a Moisés que lhes servisse de intermediário, dizendo: Fala tu conosco, e ouviremos; e não fale Deus conosco, para que não morramos (19). Nestas circunstâncias, sentiram que não estavam tão preparados para questionar a posição de Moisés como profeta de Deus como antes estiveram (17:1-4).

Moisés lhes deu uma palavra tranqüilizadora. Não havia necessidade de temerem excessivamente, pois Deus veio para provar-vos (20), ou seja, "testar se vós respeitareis seus mandamentos? Não precisavam ter medo dos relâmpagos, mas deviam ter um temor santo para que não pecassem contra Deus. Os filhos de Deus não precisam ter medo das providências divinas, mas é essencial possuírem um temor piedoso que os leve à reverência e obediência.

  1. As LEIS DO CONCERTO, 20:21-23.33

1. A Lei do Altar (20:21-26)

Enquanto o povo medroso se mantinha a distância segura do monte ardente, Mois se chegou à escuridade, onde Deus estava (21). Os mesmos fenômenos que repeliram as pessoas atraíram Moisés. A verdadeira diferença estava no coração. A fé de Moisés o atraía a Deus.

Deus dá ao seu servo o que denominamos o Livro do Concerto (20:22-23.33). Em vez de falar diretamente com o povo, Ele se serviu de Moisés como mediador, conforme pediram (19). Deus queria que os israelitas soubessem que aquele que falava por Moisés era o mesmo que falara com eles desde os céus (22) quando lhes dera o Decálogo. Quer Deus fale diretamente ou por meio do seu ministro, o teor transmitido é a sua palavra.

Israel não devia fazer representações de deuses de prata e de ouro. Não fareis outros deuses comigo (23) significa "para me rivalizar" (VBB). Somente Jeová era o Deus dos israelitas, por isso não deveria haver feitio de imagens de qualquer tipo. Os falsos deuses não deveriam participar da glória do Deus de Israel, nem compartilhar a adoração do povo. Estas restrições complementam o segundo mandamento.

Para se aproximar de Deus, o povo deveria fazer um altar de terra (24). A elevação simbolizava o levantamento do homem em direção ao Deus do céu. A simplicidade do altar fazia o homem tirar a atenção de si mesmo e das coisas materiais para o Deus Exaltado. Obviamente, nesta época Israel conhecia holocaustos e ofertas pacíficas, embora o uso no Egito tivesse sido restrito.

"Em todo lugar onde eu fizer com que meu nome seja lembrado" (24, RSV) indica o propósito de Deus em conhecer Israel e o abençoar. O lugar onde eu fizer celebrar a memória do meu nome (24) refere-se, provavelmente, a lugares onde Ele se manifes-tou a Israel durante a peregrinação. Em época posterior, quando se desejasse um memorial mais permanente, Israel poderia fazer altares de pedras (25), mas só com pedras não lapidadas; usar ferramentas profanaria as pedras. O uso de pedras em sua forma natu-ral impedia que, nesta época, Israel fizesse embelezamentos artísticos, provavelmente por causa do perigo de idolatria. Nas construções posteriores e permanentes, permitiu-se a utilização de altares mais elaborados (27:1-8; 30:1-5). Deus ensinou o povo a come-çar com o simples e passar para o mais complexo, à medida que o crescimento espiritual fosse justificando.

A restrição no versículo 26 foi dada antes das instruções pertinentes às roupas sa-cerdotais (28.42). Os altares não deveriam ter degraus. As vestes folgadas que os cabeças sacerdotais das tribos usavam não eram adequadas para subir degraus na presença de pessoas. Deus sempre quer que as coisas sejam feitas com decência e ordem.


Champlin

Antigo e Novo Testamento interpretado versículo por versículo por Russell Norman Champlin é cristão de cunho protestante
Champlin - Comentários de Êxodo Capítulo 20 versículo 13
Conforme Gn 9:6; Lv 24:17; Mt 19:18; Mc 10:19; Lc 18:20; Rm 13:9; Jc 2:11. O verbo hebraico traduzido por matar é usado no AT para designar o assassinato cometido premeditadamente (conforme Sl 94:6) e, às vezes, também o homicídio involuntário, por negligência ou imprudência (Dt 19:5). O que está proibido por este mandamento é o assassinato, isto é, o fato de atentar contra a vida do próximo de forma ilegal, derramando sangue inocente. Jesus, no Sermão do Monte, interpretará isso num sentido mais radical (Mt 5:21-22).

Genebra

Comentários da Bíblia de Estudos de Genebra pela Sociedade Bíblica do Brasil para versão Almeida Revista e Atualizada (ARA)
Genebra - Comentários de Êxodo Capítulo 20 do versículo 1 até o 26
*

20.1-17

Temos aqui os Dez Mandamentos ou "Dez Palavras" da aliança. Essas são expressões da lei eterna de Deus que transcende ao Antigo e ao Novo Testamentos. Assim como Deus criou a ordem nos céus e na terra por meio de dez palavras (ver Gn 1:3-29), assim também Deus criou a ordem na sociedade humana por meio de dez palavras. Os quatro primeiros mandamentos descrevem como o povo deve relacionar-se com Deus, ao passo que os demais mandamentos mostram como o povo de Deus deve relacionar-se entre si (Dt 4:13, nota). Ver "Os Três Propósitos da Lei", índice.

* 20:1

Ver a nota teológica chamada "A Lei de Deus", índice.

falou Deus todas estas palavras.

Deus falou somente esses mandamentos diretamente ao povo (vs. 18-20, e notas; 19.9; Dt 4:10-14; 5.22-27; 9:10; Ne 9:13). O que é aqui chamado de "palavras", noutros lugares é chamado de "mandamentos" (34.28; Dt 4:13; 10:4). O vocábulo hebraico para "palavra" (dabar) era o termo para as estipulações nos tratados políticos da época.

O próprio Decálogo (do vocábulo grego que significa "dez palavras") reflete o antigo arcabouço dos tratados (Introdução: Data e Ocasião). Em primeiro lugar temos o preâmbulo ("Eu sou o SENHOR teu Deus", v. 2); em seguida temos o prólogo histórico ("que te tirei da terra do Egito"). Os mandamentos propriamente ditos são as estipulações do tratado. Deus é o Rei-Soberano de Israel, a quem o povo deve completa lealdade. A ausência de penalidades indica que o Decálogo não é um código jurídico, mas antes, é um documento de base da aliança. Esses princípios da aliança são então aplicados no "Código da Aliança", uma série de leis acompanhadas de penalidades, que se segue (20.22—23.19).

* 20:2

teu Deus. A reivindicação de Deus vem em primeiro lugar. Israel era dele por direito de criação e de redenção. Os mandamentos pactuais do Senhor foram dados àqueles a quem ele já atraíra a si mesmo, tirando-os da escravidão no Egito (19.4), embora não da escravidão ao pecado (caps. 32—34).

* 20:3

diante de mim. Lit., "perante a minha face" ou "na minha presença". O Senhor é um Deus zeloso, que já reivindica Israel para si (v. 5, nota).

* 20:4

imagem de escultura. O termo significa algo esculpido na madeira ou na pedra. A imagem proibida pode ser a do Senhor, visto que outras deidades foram excluídas pelo v. 2, embora as palavras qualificadoras "nem semelhança alguma" sugira que os ídolos dos pagãos estão em vista. Israel devia distinguir-se das nações por sua adoração destituída de imagens de escultura. As imagens são proibidas não porque não pudesse haver qualquer imagem, visto que Deus fez a humanidade à sua própria imagem (Gn 1:26,27), mas porque Deus deve revelar a si mesmo, não estando ele sujeito à imaginação humana. No tempo certo, Deus proveu sua própria imagem — Jesus Cristo é a verdadeira imagem da Deidade, sob forma corporal (Cl 1:15; 2:19). Ver "Sincretismo e Idolatria", índice.

* 20:5

Deus zeloso. Quando usada a respeito de Deus, essa palavra descreve a sua paixão por seu santo nome, um zelo que exige a devoção exclusiva de seu povo. Ela é usada quando essa reivindicação é ameaçada por outras deidades (Dt 6:15; Js 24:19).

terceira e quarta geração. A mais longa abrangência de gerações representada em uma dada família, de uma só vez. A severidade do julgamento de Deus sobre gerações subseqüentes adverte das conseqüências terríveis de seus pecados àqueles que amam aos filhos de seus filhos.

* 20:6

faço misericórdia. A misericórdia pactual de Deus, (no hebraico hesed) é sua devoção ao seu povo (15.13, nota).

* 20:7

Não tomarás o nome do SENHOR teu Deus em vão. O nome de Deus foi um presente da graça divina a Israel. Não através de algum ídolo, mas no nome, Israel tinha acesso a Deus na adoração. O nome de Deus, pois, deve ser reverenciado. Esse mandamento proíbe o uso do nome de Deus na falsa adoração, nos encantamentos ou adivinhações, bem como para encobrir falsidades ou para dizer blasfêmias (Dt 28:58). Jesus ensinou os seus discípulos a orarem que Deus santificasse o seu nome, e Jesus santificou o nome de Deus na cruz (Mt 6:9; Jo 12:27,28).

* 20:8

dia de sábado. A palavra hebraica correspondente (shabbat) aparentemente deriva-se do verbo que significa "cessar" — sendo que o sábado era o dia em que o trabalho regular cessava. Êxodo cita a obra de Deus na criação como a base desse mandamento (v. 11), enquanto que Deuteronômio baseia a ordenança do sábado no livramento de Israel do Egito (Dt 5:12 e nota). A ordenança do sábado está arraigada na ordem da criação e na da redenção — relembra a boa criação de Deus (Gn 2:2,3), como também prevê o descanso sabático final da redenção do povo de Deus (Hb 4:1-11). Tal como a circuncisão era o sinal da Aliança abraâmica (Gn 17), assim também o sábado veio a tornar-se o sinal da Aliança do Sinai (31.13), relembrando o povo de Deus de seu lugar dentro dos propósitos divinos para a criação e de sua salvação da servidão física no Egito. Em última análise, o sábado indica Cristo, nosso Criador e Redentor, que traz descanso para o povo de Deus (Mt 11:28; Cl 2:16,17).

* 20:10

nenhum trabalho. O sábado não era para ser uma carga, mas um bendito alívio do trabalho árduo (Mc 2:27). A santidade do dia separa-o para o Senhor a fim de que os filhos de Israel desfrutem de seu descanço, celebrando a obra de criação e redenção (Dt 5:15).

* 20:12

teu pai e tua mãe. Neste quinto mandamento, o Decálogo volta-se para as relações humanas, começando pela família. A honra aos pais é a âncora da sociedade, e liga os filhos aos pais na comunidade da fé. A promessa e a advertência implícita deste mandamento são ímpares nesta série. O desrespeito aos pais era uma questão séria, pois também desonrava o Senhor.

* 20:13

Não matarás. A legislação distingue entre o homicídio e o assassinato premeditado. O verbo aqui usado nunca é aplicado a Israel, durante os períodos de guerra, e a pena capital já estava autorizada (Gn 9:6; conforme Lv 24:17; Nm 35:30-34). A vida humana é sagrada, porquanto o homem é feito segundo a imagem de Deus (Gn 9:5,6 e notas).

* 20:14

Não adulterarás. Ver "Casamento e Divórcio", índice.

* 20:16

Ver "Linguagem Honesta, Juramentos e Votos", índice.

* 20:18

se estremeceu. O respeito que reconhece o poder e a glória de Deus detém o pecado (v. 20).

* 20:19

Fala-nos tu. Foi aqui reconhecida a autoridade de Moisés como mediador. Que Deus realmente falou distingue-o dos deuses falsos, que nada podem dizer (vs. 22,23).

* 20:24

holocaustos... ofertas pacíficas. Ver notas em Lv 1:3-17 e 3.1. Somente dois tipos de sacrifícios são brevemente mencionados aqui; a lista de sacrifícios será expandida em Lv 1—7.

* 20:25

ferramenta, profaná-lo-ás. As razões para essa proibição já não estão claras. Alguns têm sugerido que essa provisão visava impedir que os israelitas usassem os altares dos lugares santos dos cananeus, que tipicamente eram construídas de pedras lavradas. O altar dos holocaustos, no tabernáculo, era feito de madeira, recoberto de bronze, mas era oco e cheio de terra ou de pedras não lavradas (27.8). Ver nota em Dt 27:5.

* 20:26

Ver nota em 28:42.


Matthew Henry

Comentário Bíblico de Matthew Henry, um pastor presbiteriano e comentarista bíblico inglês.
Matthew Henry - Comentários de Êxodo Capítulo 20 do versículo 1 até o 26
20.1ss por que se necessitavam os Dez Mandamentos para a nova nação de Deus? Ao pé do monte Sinaí, Deus mostrou a seu povo a verdadeira função e a beleza da lei. Os mandamentos foram desenhados para guiar ao Israel a uma vida de santidade. Neles, o povo poderia ver a natureza de Deus e seu plano que lhes ensinaria como deviam viver. Os mandamentos e princípios procuravam dirigir à comunidade para suprir as necessidades de cada indivíduo de uma maneira responsável e cheia de amor. Não obstante, nos tempos do Jesus, a maioria da gente via a lei em forma equivocada. Viam-na como um meio para prosperar tanto neste mundo como no mais à frente. Pensavam que ao obedecer cada lei obteriam o amparo de Deus de invasões estrangeiras e desastres naturais. Guardar a lei se transformou em um fim em si mesmo, e não no meio para cumprir a máxima lei de amor de Deus.

20.1-6 Os israelitas acabavam de sair do Egito, uma terra de muitos ídolos e muitos deuses. Como cada deus representava um aspecto diferente da vida de uma pessoa, era comum que adorassem muitos deuses para poder receber o maior número de bênções. Quando Deus disse a seu povo que o adorasse e lhe acreditasse, não foi tão difícil para eles, O era só um deus mais para acrescentar à lista. Mas quando disse: "Não terá deuses alheios diante de mim", foi difícil de aceitar para o povo. Mas se não aprenderam que o Deus que os tirou do Egito era o único Deus verdadeiro, não poderiam ser seu povo; sem importar quão fielmente mantiveram os outros nove mandamentos. Assim, Deus fez deste seu primeiro mandamento e o enfatizou mais que nenhum outro. Atualmente podemos permitir que muitas coisas se convertam em deuses para nós. O dinheiro, a fama, o trabalho ou o prazer podem converter-se em deuses quando nos concentramos muito neles para procurar identidade, segurança e significado. Ninguém começa com a intenção de adorar essas coisas, mas ao passar o tempo chegam a ocupar nossas vidas, podem chegar a converter-se em deuses que ao final controlarão nossos pensamentos e nossas energias. Permitir que Deus tenha o lugar central em nossa vida evita que essas coisas se convertam em deuses.

20:7 O nome de Deus é especial, já que leva sua identidade pessoal. Utilizar o de maneira frívola ou em uma maldição é tão comum atualmente que não nos damos conta de quão grave é. A forma em que empregamos o nome de Deus indica o que realmente sentimos a respeito Do. Devemos respeitar seu nome e utilizá-lo na forma adequada, pronunciando-o no louvor e a adoração em vez de fazê-lo em uma maldição ou em uma brincadeira. Não devemos tomar com obscenidade o abuso ou desonra de seu nome.

20.8-11 na sábado era o dia afastado para o descanso e o louvor. Deus o ordenou porque os humanos precisam passar um tempo sem pressa na adoração e o descanso cada semana. Um Deus que se preocupa em nos proporcionar um dia de descanso cada semana é, realmente, um Deus maravilhoso. O observar um tempo regular de descanso e de louvor em nosso mundo apressado demonstra a importância de Deus em nossas vidas enquanto que obtemos um benefício adicional ao refrescar nossos espíritos. Não descuide a provisão de Deus.

20:12 Este é o primeiro mandamento com promessa. Para viver em paz por gerações na terra prometida, os israelitas teriam que respeitar à autoridade e edificar famílias fortes. Mas, o que significa "honrar" aos pais? Em parte, "honrar" significa falar bem deles e lhes falar com eles com cortesia. Além disso significa atuar em uma forma que lhes mostre certa cortesia e respeito (mas não lhes obedecer significa desobedecer a Deus). É seguir seus ensinos e o exemplo de pôr a Deus em primeiro lugar. Os pais têm um lugar especial à vista de Deus. Até a aqueles que lhes é difícil entender-se com seus pais lhes ordena que os honrem.

20:16 Dar falso testemunho significa mentir na corte. Deus sabia que o Israel não sobreviveria a menos que tivesse um sistema de justiça incorruptível. Deveríamos ser tão honestos em privado como em nossas afirmações públicas. Em qualquer das situações, damos "falso testemunho" ao não contar a história em sua totalidade, ao dizer uma meia verdade, ao torcer os fatos ou ao inventar uma falsidade. Deus nos acautela em contra do engano. Mesmo que este seja uma forma de vida para muita gente, o povo de Deus não deve ceder ante ele!

20:17 Cobiçar é desejar ter as posses de outros. Vai além de simplesmente admirar o que outro possui ou pensar: "Eu gostaria de ter um desses". A cobiça inclui a inveja, resintiendo o fato de que outros possuem o que você não tem. Deus sabe, entretanto, que as posses nunca fazem a ninguém feliz por muito tempo. Como só Deus pode suprir nossas necessidades, o verdadeiro contentamiento se encontra no. Quando começar a cobiçar, trate de determinar se existir uma necessidade mais básica que jaz detrás dessa inveja. Por exemplo, pode invejar o êxito de alguém não porque queira tirar-lhe mas sim porque tem uma necessidade mais urgente de sentir-se apreciado por outros. Se este for seu caso, ore para que Deus o ajude a tratar com seu ressentimento e a suprir esta necessidade.

20:18 Algumas vezes Deus fala com seu povo com um desdobramento de poder majestoso; em outras nos fala brandamente. por que existe essa diferença? Deus nos fala na forma que cumpra melhor com seus propósitos. No Sinaí, o desdobramento imponente de luz e som era necessário para mostrar ao Israel o grande poder e autoridade de Deus. Só então escutariam ao Moisés e ao Arão.

20:20 Ao longo da Bíblia encontramos esta frase: "Não temam!" Deus não tratava de assustar ao povo. Estava mostrando seu grande poder para que os israelitas soubessem que era o Deus verdadeiro e portanto o obedecessem. Se assim o faziam, faria que seu poder estivesse disponível para eles. Deus quer que o sigamos por amor mais que por temor. Para superar o medo, temos que pensar mais no amor de Deus. Em 1Jo 4:18 diz: "O perfeito amor joga fora o temor".

20.24-26 por que se deram instruções tão específicas para construir altares? O povo de Deus não tinha Bíblia nem muitas tradições religiosas das que aprender. Deus tinha que começar de zero e lhes ensinar como adorá-lo. Deus deu instruções específicas a respeito da construção dos altares porque queria controlar a forma em que se ofereciam os sacrifícios. Para evitar que a idolatria se mesclasse com a adoração, Deus não permitiu que as pedras do altar se cortassem ou se moldassem de forma alguma. Nem tampouco permitiu que o povo construíra um altar em qualquer parte. Isto foi desenhado para evitar que começassem suas próprias religiões ou que efetuassem mudanças na forma em que Deus queria que as coisas se fizessem. Deus não está contra a criatividade, mas sim de que acreditam nossa própria religião.

Jesus E OS DEZ MANDAMENTOS

Os Dez Mandamentos e Jesus dizem:

Ex 20:3 "Não terá deuses alheios diante de mim"

Mt 4:10 "Ao Senhor seu Deus adorará, e ao solo servirá".

Ex 20:4 "Não te fará imagens"

Lc 16:13 "Nenhum servo pode servir a dois senhores"

Ex 20:7 "Não tomará o nome do Jeová seu Deus em vão"

Mt 5:34 "Mas eu digo: Não jurem em nenhuma maneira; nem pelo céu, porque é o trono de Deus"

Ex 20:8 "te Lembre do dia do repouso para santificá-lo[...] não faça nele obra alguma"

Mc 2:27-28 "O dia de repouso foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do dia de repouso. portanto, o Filho do Homem é o Senhor até do dia de repouso"

Ex 20:12 "Honra a seu pai e a sua mãe"

Mt 10:37 "O que ama a pai ou mãe mais que a mim, não é digno de mim"

Ex 20:13 "Não matará"

Mt 5:22 "Qualquer que se zangue contra seu irmão, será culpado de julgamento"

Ex 20:14 "Não cometerá adultério"

Mt 5:28 "Qualquer que olhe a uma mulher para cobiçá-la, já adulterou com ela em seu coração"

Ex 20:15 "Não furtará"

Mt 5:40 "E ao que queira te pôr a pleito e te tirar a túnica, lhe deixe também a capa"

Ex 20:16 "Não falará contra seu próximo falso testemunho"

Mt 12:36 "De toda palavra ociosa que falem os homens, dela darão conta no dia do julgamento"

Ex 20:17 "Não cobiçará a casa de seu próximo"

Lc 12:15 "Olhem, e lhes guarde de toda avareza"


Wesley

Comentário bíblico John Wesley - Metodista - Clérigo Anglicano
Wesley - Comentários de Êxodo Capítulo 20 do versículo 1 até o 26
2. A criação da Aliança (Ex 20:24)

1 Então falou Deus todas estas palavras, dizendo:

2 Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão.

3 Não terás outros deuses diante de mim.

4 Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança de qualquer coisa que está em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra: 5 tu não encurvarás-lhes: nem as servirás; para eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam, 6 e mostrando misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos.

7 Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.

8 Lembra-te do dia de sábado, para santificá- Lv 9:1 Seis dias de trabalho, e farás toda a tua obra; 10 mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus: nele não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o estrangeiro que está dentro das tuas portas: 11 Porque em seis dias o Senhor fez o céu ea terra, o mar e tudo o que neles há e ao sétimo dia descansou; por isso o Senhor abençoou o dia do sábado, eo santificou.

12 Honra teu pai e tua mãe, que teus dias sejam prolongados na terra que o Senhor teu Deus te dá.

13 Não matarás.

14 Tu não cometerás adultério.

15 Não furtarás.

16 Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.

17 Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.

O momento chegou para o qual todos os eventos anteriores tinha preparado Israel. Deus estava agora a revelar a Sua lei, por que eles estavam a relacionar-se com Ele e por que eles foram para ordenar suas vidas. A primeira parte ocupa a maior parte dos capítulos 20-23 , e é chamado de "o livro da aliança" (Ex 24:7 como o começo do Livro da Aliança, omitindo, assim, os Dez Mandamentos. No entanto Ex 20:1 ). Alguns estudiosos afirmam que encontrar outro conjunto de dez mandamentos ou decálogo em Ex 34:12 . Devido à sua composição diferente e ênfase, é freqüentemente chamado de "o decálogo ritual." (Mas veja comentários sobre essa passagem.) Os Dez Mandamentos não são leis no sentido de que um tribunal humano pode aplicá-las. Eles são leis divinas, que só podem ser implementadas pela legislação adicional, como o que os segue no Livro da Aliança. Eles foram separados a partir de todo o resto da lei, não só pela sua natureza, mas também pela maneira em que foram dadas. Para todo o resto da lei, Moisés foi o intermediário, aquele a quem Deus falou e quem transmitiu a comunicação divina para o povo. Mas para os Dez Mandamentos, Deus falou diretamente com o povo para fora do fogo que ardia em cima da montanha, sem consumi-la, tanto quanto a sarça ardente que primeiro chamou Moisés para a presença divina. (Ver Ex 19:9. ; Dt 5:4 ).

Surpreendentemente, não houve unanimidade na identificação dos mandamentos individuais do Ten. Expositores judeus modernos encontrar o primeiro em que os estudiosos cristãos vêem como uma declaração introdutória, e combinar o que ortodoxos e luteranos não-cristãos protestantes chamar o primeiro eo segundo como sua segunda. Católicos e luteranos também fazer essa combinação, chamando-o o primeiro mandamento, e dividindo-se a proibição de cobiçar em dois mandamentos. As várias listas comparar como se segue.

Judeus

Cath.-Luth.

Orth. e não-Luterana Prot .

1

Ex 20:2

Ex 20:3

Ex 20:7

3

Ex 20:7

Ex 20:7

Ex 20:12

20: 8-11

5

Ex 20:12

Ex 20:13

Ex 20:12

6

Ex 20:13

Ex 20:14

Ex 20:13

Ex 20:14

Ex 20:15

Ex 20:14

8

Ex 20:15

Ex 20:16

Ex 20:15

9

Ex 20:16

Ex 20:17

10

Ex 20:17

Ex 20:17

A classificação ortodoxos e não-luterano protestante segue o mínimo um conhecido, que data de, pelo menos, já em Josephus.

Os Dez Mandamentos revelam individualmente uma variedade fascinante de forma e matéria. Três deles consistem em duas palavras cada um em hebraico, a primeira palavra em cada caso, sendo o negativo não ou "não". Eles graficamente declarar: Nenhum assassinato! No adultério! Não roubar! Dois outros mandamentos (o primeiro e o nono) consistir em apenas uma breve frase Ct 1:1 ). Oito dos mandamentos são proibições, apenas dois são positivos. Estes são o quarto eo quinto, aquele que termina a lista dos deveres do homem para com Deus, o outro começando a lista dos deveres do homem para com seus semelhantes.

Os Dez Mandamentos são comumente divididos em dois grupos, o primeiro através da quarta fornecendo um padrão vertical, ou os nossos deveres para com Deus, o quinto ao décimo assegure um nível horizontal, ou os nossos deveres para com o homem.Jesus resumiu os quatro primeiros no que ele chamou de "o grande e primeiro mandamento", e os últimos seis em "um segundo semelhante a ele." Sobre o amor de Deus e do amor ao próximo Ele desligou "toda a lei" e "o profetas "( Mt 22:34. ). Os deveres para com os homens foram subdivididos por alguns em mandamentos contra atos médios (do sexto ao oitavo), que contra as palavras médios (o nono), e que contra pensamentos médios (o décimo). Outra divisão, sugerido por Martin Buber, vê a primeira parte, como lidar com o Deus da comunidade espiritual (o primeiro por meio da terceira mandamentos, que proíbe a idolatria, a imagem de culto, e magia adoração), a segunda parte como lidar com tempo ou "um-após-o-outro" da comunidade (o quarto e quinto mandamentos), ea terceira parte, como lidar com o espaço ou a "com-um-outro" da comunidade (o sexto até o décimo mandamentos ).

Apesar da tradicionalmente elevada consideração dada aos Dez Mandamentos por homens de todas as idades, culturas e credos, ainda há alguns que dizem que eles são antiquados e não são mais pertinentes ou ao cristianismo ou ao século XX. Esta atitude é claramente ilustrada por uma história contada por Clovis G. Chappell.

Há a história de um certo senhor e do escravo que anos atrás foi a pesca de alto mar. Quando eles estavam fazendo seu caminho de volta à praia no final da noite, o mestre tornou-se sonolento e virou o leme até o seu servo fiel, Mose. Antes de fazer isso, no entanto, ele apontou a estrela norte a Mose e pediu-lhe para manter o olho nele. Mas o mestre não tinha dormido muito tempo antes de Mose arrebatou cochilo si mesmo. Quando ele acordou, ele estava em total confusão. Ele chamou seu mestre freneticamente. "Acorde!", Ele disse, "e me mostrar outra estrela. Eu fiz correr limpo passado que um! "

Mas os Dez Mandamentos são um passado constelação que nós nunca vai navegar! Seu significado eterno e pertinência são auto-evidentes. E se houvesse alguma dúvida, Jesus e seus seguidores, que nos forneceram o Novo Testamento ter silenciado para sempre. Cada um dos Dez Mandamentos é reafirmado no Novo Testamento, como veremos em tratá-los individualmente. De fato, Jesus declarou no Sermão da Montanha, que ele "não veio para destruir" a lei ", mas para cumprir" ele (Mt 5:17 ). E isso muito Sermão da Montanha, que tem muito o mesmo lugar na nova aliança como os Dez Mandamentos, realizada no antigo, faz grande uso dos Dez Mandamentos, tornando a sua aplicação ainda mais clara e mais rigorosa, em referência ao Reino de Deus.

Não terás outros deuses diante de mim . A palavra antes não aqui levar a idéia de ordem de preferência, por isso não é um mandamento para dar Jeová primeiro lugar entre muitos deuses. Antes de mim é literalmente "diante de mim", e carrega a idéia de "para além de mim, "ou como a margem de dá-la", além de mim. "Jeová, que os tirou do Egito era para ser adorado exclusivamente. Alguns questionaram se isso realmente ensina o monoteísmo (a crença em um único Deus) ou em vez ensina apenas monolatria (a adoração de um único Deus, embora outros possam ser reconhecidos como existente). Monoteísmo era praticamente desconhecido no mundo antigo, e foi de fato em desacordo completo com todos os sistemas religiosos que prevalecem. Os únicos movimentos nesse sentido entre os antigos egípcios tinham morrido rapidamente. Moisés poderia ter acreditado e ensinado somente definindo-se contra as crenças de todo o resto da humanidade. Mas foi a conclusão natural das experiências religiosas dos patriarcas e próprias experiências de Moisés. Ele tinha ensinado no Egito que Jeová era superior a todos os outros deuses, dizendo que "não há outro como ao Senhor" (Ex 8:10 ; Ex 9:14 ). E antes que a peregrinação no deserto foram terminou, ele iria declarar que Ele era o único Deus, dizendo que "não há outro além dele" (Dt 4:35 , Dt 4:39 ). Certamente, o primeiro mandamento é também uma declaração da unidade de Deus, o up mais forte e mais clara a este tempo. Que ele encontra reafirmação no Novo Testamento não precisa ser comprovada. No relato de Marcos de pronunciamento de Jesus sobre o maior mandamento, a unidade de Deus e que a prioridade Ele segura a nossa reverência e adoração são claramente (Mc 12:29 ).

Não farás para ti imagem de escultura . A proibição de ídolos era incluir qualquer representação das coisas no céu, na terra , ou debaixo da terra . Como logo ídolos entrou em uso após a queda de Adão ou novamente após o dilúvio não é conhecido. Mas eles estão com precisão representado por São Paulo como o resultado da ignorância do homem e de substituição para o verdadeiro Deus (Rm 1:23 ). Eles assumiram muitas formas de animais, humanas monstruosas. No Egito, a partir do qual Israel tinha tão recentemente falecido, todos os deuses eram tão representadas, como eles também estavam na Mesopotâmia e na terra de Canaã. Sua adoração envolvido algumas das atividades mais imorais e repugnantes que já foi inventado pelo homem. Idolatria tinha uma tendência natural em tal sentido e tal degradação também foi um castigo divino para a idolatria (Rm 1:24 . Há alguma evidência de que Israel era lento em cumprir esta regra, pois eles certamente usou imagens na adoração de Baal e outros deuses pagãos clara até a época do exílio, e, possivelmente, também usou imagens como uma ajuda na adoração de Jeová. Mas também é importante notar que esta não é uma proibição da arte em geral. Enquanto parece haver nenhuma referência nas Escrituras à pintura, e enquanto os antigos judeus eram muito cautelosos sobre qualquer tipo de reprodução, escultura em seus vários tipos foi usada por ordem divina, tanto no tabernáculo e no templo (25: 18-20 ; 1Rs 6:18 , 1Rs 6:23 , 1Rs 6:32 ; 1Rs 7:13 ). O que foram proibidos eram imagens que os homens se curvam ou servem - "imagens religiosas, ou relacionados adoração- imagens. "Este mandamento especialmente se parecia ultrapassada a muitos. Ele ainda era muito pertinente nos tempos do Novo Testamento (ver 1Co 10:14. , 1Co 10:20 ; 1Jo 5:21 ; Ap 21:8 , os nomes eram muito mais significativos nos tempos do Antigo Testamento do que em nossa época. O nome do Senhor de uma forma muito concreta veiculada algo do caráter de Deus. O nome foi altamente reverenciado pelos antigos judeus, até o ponto que eles não veio para pronunciá-lo mesmo na leitura das Escrituras no culto público. Eles substituíram a palavra Adonai , que significa "senhor" ou "mestre", e pode ser aplicado a homens, assim como Deus. Assim, tudo o que não se manifestar reverência pelo nome era uma violação da lei de Deus. Além de perjúrio e encantamento, o que inclui profanidade comum, o uso frívolo do nome, a hipocrisia (a tomada do nome sobre si mesmo para designar uma relação que não é real), bem como a utilização presunçoso do nome (a reivindicação de fazer coisas em nome de Deus, sem a Sua autoridade e bênção). No Novo Testamento, Jesus não só reafirmou este mandamento em sua oração-modelo, "Santificado seja o teu nome" (Mt 6:9 ). Na verdade, Ele estendeu as exigências da santidade ao discurso total do homem, insistindo que palavras revelam o verdadeiro caráter do coração a ponto de que "pelas tuas palavras serás justificado, e por tuas palavras serás condenado" (Mt 12:34 ). O próprio semana como uma unidade de tempo tinha sido conhecido, pelo menos tão cedo quanto os dias de Jacó e Laban (Gn 29:27 ; ver também comenta sobre Ex 16:1. ). Mas o primeiro mandamento para observar o dia tinha sido dado a Israel pouco tempo antes da sua chegada ao Sinai (Ex 16:22 ). O princípio foi mais tarde alargado a anos sabáticos bem (23: 10-11 ; Lv 25:1 ). Seu mandamento aqui em Êxodo é baseado no padrão divino. Em Ex 23:12 e em Dt 5:14 um propósito humanitário é indicada-a de bondade para com os escravos e servos. E em Dt 5:15 está implícito que é ser uma comemoração semanal da libertação do Egito, uma espécie de pouco Páscoa. Era um sinal peculiar e permanente da aliança de Deus com Israel (Ex 31:12 ). Enquanto fiel observância do sábado era lento na vinda (ver Ne 13:15 ), pelo tempo de Cristo, foi mantido com uma vingança. Os rabinos tinham de fato tão multiplicado as suas interpretações da lei sábado como para tornar o dia um fardo e um objeto de ridículo. Jesus foi forçado a resgatar a dia de uma observância falsa e excessivo, declarando que "o sábado foi feito para o homem, e não o homem por causa do sábado", e que "o Filho do homem é senhor também do sábado" (Mc 2:27 ). E por sua ação, Ele ainda aprovado um terceiro princípio do respeito, o de fazer o bem aos homens (Mc 3:1 ). O Quarto Mandamento é aquele que o Novo Testamento não reafirmar na carta, ainda que o adota e redireciona-lo em princípio. Cristo não contribuiu em nada no caminho de uma reafirmação do mandamento, embora Ele repreendeu o seu uso indevido e introduzir uma nova luz sobre o seu verdadeiro significado e propósito, como indicado acima. Nem uma palavra comendatário nunca foi falado do sábado por seus seguidores, a palavra que está sendo mencionado apenas em Atos como um momento de oportunidade para os missionários a pregar aos judeus, e apenas duas vezes em outros lugares, uma vez em conexão com as coisas peculiarily judeus (Cl 2:16 , Lv 23:15 ). Muito cedo, os cristãos começaram a reunir-se regularmente no primeiro dia da semana (At 20:7 ). Foi particularmente apropriado que aquele que se declarou ser o Senhor do sábado, por escolha soberana tinha substituído o sábado com um dia ainda mais apropriadamente His. Os princípios de descanso, adoração e prestimosidade ainda se aplicam a este dia, embora seja difícil em função do Novo Testamento para ser legalista sobre o fator de descanso. Para os cristãos, esta deve encontrar a sua base na demanda do corpo e da mente para tal alívio. É especialmente adequado em uma época de abundância de lazer ressaltar outra parte do quarto mandamento, Seis dias de trabalho . Paulo reafirmou isto dizendo: "Se não quer trabalhar, também não coma" (2Co 3:10 ). Trabalho era parte do plano original de Deus para o homem, mesmo antes da queda (Gn 2:5 ), e é só o homem que trabalhou da melhor maneira possível, que é verdadeiramente preparado para adorar ao Senhor em Seu dia.

Honra a teu pai ea tua mãe . A lista dos deveres do homem para com seus semelhantes começa com os seus deveres em casa no que diz respeito a seus pais. Este foi considerado como uma das obrigações mais sagrados pelos israelitas. Em algumas sociedades antigas, os indefesos com idade foram empurrados para fora das casas de seus filhos para ser comido por animais ou morrer de exposição. Mas o respeito para os pais e para a velhice parece ter sido tradicional entre os povos de Israel que surgiram. E este respeito recebeu agora o apoio de ordem divina. Na legislação posterior a esse mandamento foi aplicado da forma mais estrita. A maldição foi pronunciada contra ele que "desprezaram ao" (mais literalmente "desonrado", "desprezado", ou "leviandade") seus pais (Dt 27:16 ). Ele que amaldiçoou o seu pai ou a sua mãe estava a ser condenado à morte (Ex 21:17. ; Lv 20:9. ). Mesmo um filho que deliberadamente e teimosamente desobedeceu seus pais era para ser levado perante os anciãos da sua cidade e apedrejado até a morte (Dt 21:18 ). Grande parte do livro de Provérbios é um comentário inspirado sobre este mandamento. No Novo Testamento, Jesus aprovou este mandamento pela Sua própria sujeição a seus pais terrenos (Lc 2:51 ). Em uma ocasião, ele reafirmou este mandamento e repreendeu os escribas e fariseus para contornar isso com as suas tradições (Mc 7:1 ). Paulo afastaram-se dela como um mandamento cristão, e chamou a atenção a ele como o primeiro mandamento com promessa (Ef 6:1. ; Cl 3:20 ). A restauração da autoridade parental é um corretivo muito necessário para o aumento desenfreado da delinquência juvenil no século XX. O renascimento do respeito filial de pais idosos faria muito para resolver as necessidades financeiras e emocionais de cada vez maior geração mais velha.

Não matarás . O verbo matar usada aqui é a palavra hebraica para técnico "assassinato" ou "assassinato com premeditação". Ele exprime uma lei que é intuitivo para a natureza humana. Cain tinha sido o primeiro a violá-la e levar adiante a repreensão de Deus (Gn 4:10 ). Depois do dilúvio, Deus falou muito incisivamente contra o assassinato, dizendo a Noé: "Quem derramar o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado." E Ele também revelou o verdadeiro crime de homicídio como um golpe contra o próprio Deus ", pois na imagem Deus fez o homem "( Gn 9:5 ). Não há proibição da pena de morte ou de guerra explícita no Sexto Mandamento ou no Antigo Testamento como um todo. Na verdade, a pena capital foi decretado por Deus para o assassinato do tempo do dilúvio, como indicado acima, e para uma variedade de crimes sob a lei mosaica (Ex 21:12 , Ex 21:29 ; Ex 22:18 ; Ex 31:14 ; Lv 20:1. , Lv 20:27 ; Lv 21:9 ; . Dt 13:5 ; Dt 18:20 ; Dt 22:13 ; Dt 24:7. ; 1Sm 15:1 ). No Novo Testamento, Jesus citou este mandamento em sua resposta ao rico, jovem rico (Lc 18:20 ). Mas, no Sermão da Montanha, Ele chegou por trás da ordem para o princípio envolvido-a santidade não só da vida humana, mas também da personalidade humana. E Ele proibiu não só o assassinato, mas também conflitos, ódio, rancor, e até mesmo escárnio (Mt 5:21 ). Ele parece ter resistência proibida ou de auto-defesa, pelo menos numa base individual (Mt 5:25 , Mt 5:38 ). Ele ligou para o amor ativo para os inimigos, mesmo aqueles que realmente nos maltratam (Mt 5:1ff ). É claro que, para o cristão nunca pode haver nada além de amor e gentileza por parte de um indivíduo para outro. Muitos cristãos sinceros sentir que este princípio deve ser realizado até a tanto a pena capital e da guerra que proíbe o estado-assim. Essa fuga completa, a partir da necessidade de tomar outra vida humana, de qualquer modo é ideal não pode ser negado. Mas o fato de que o Novo Testamento não diz explicitamente instruir os soldados a desistir de sua carreira (Lc 3:14 ; At 10:1 ), mas faz comando de obediência aos que têm autoridade civil, que não vencem a "espada em vão ", mas são ministros de Deus como Vingadores" em ira contra aquele que pratica o mal "( Rm 13:1) e são "por ele enviados para castigo dos malfeitores" (1Pe 2:13. ), deixa espaço para outros cristãos sinceros para manter o estado tem o dever de defender os seus cidadãos e na execução de suas infratores mais graves (ver também 1Tm 2:1. ; Tt 3:1. ). É inteiramente possível que os objetivos do amor às vezes são melhor realizado com o que, de outra forma parecem ser métodos violentos.

Tu não cometerás adultério . O verbo usado aqui refere-se a uma violação dos votos matrimoniais, não prostituição em geral. Todos os tipos de crimes sexuais foram tratados com severidade sob o código de Mosaic, no entanto, como é indicado em muitas das referências dadas no parágrafo acima em relação à pena capital. A casa é a instituição mais antiga conhecida pelo homem, tendo sido fundada pelo próprio Senhor imediatamente após a criação de companheira de Adão. O escritor inspirado marcado naquela ocasião com um comentário bela em sua simplicidade, mas profunda em suas implicações: "Por isso o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e serão uma só carne" (Gn 2:24. ; Dn 2:19 ; . Ef 5:22 ). Sua vontade é violada sempre que a união matrimonial é comprometida. Seus dons preciosos do amor conjugal e felicidade estão contaminadas sempre que o parceiro para um casamento contamina-se por infidelidade. No Novo Testamento Jesus redefiniu o adultério, condenando não só o ato evidente, mas também o desejo interior que levou o ato (Mt 5:27 ). Paulo pressionado o lado positivo da questão com um pedido de amor dentro da casa que refletem a força e pureza do amor de Cristo pela Igreja (Ef 5:22 ). No dia da "nova moralidade", de uma crescente preocupação com o sexo por si mesma sem qualquer base legal ou moral, não há necessidade de uma nova ênfase sobre o Sétimo Mandamento e suas aplicações do Novo Testamento.

Não furtarás . Não só é a vida do homem sagrado e sua sagrada casa, mas também o seu direito à sua propriedade é sagrado. O Antigo Testamento reconheceu que havia muitas maneiras em que esse mandamento poderia ser violados e exigiu a restituição múltipla, mesmo que o autor teve de ser vendido como escravo para pagá-lo (Ex 22:1 ; Lv 6:1 ). No Novo Testamento, Jesus citou este mandamento para o rico, jovem governante como um dos princípios envolvidos na garantia de vida eterna (Lc 18:20). E Paulo ladrões listado entre aqueles que não herdarão o reino de Deus (1Co 6:10 ). O princípio envolvido aqui não é simples. Roubar pode envolver roubo (a tomada dissimulada de bens alheios), roubo (entrada ilegal de um edifício para roubar), roubo (roubo por força ou ameaça), fraude, engano, burla, peculato, violação de confiança, encargos excessivos, falta de pagamento de dívidas, pagamento a menor de funcionários, a falta de dar um empregador o trabalho para o qual ele paga, e jogos de azar em todas as suas muitas formas. Contas de despesas acolchoados, declarações fiscais falsificados, fraudada competições, o suborno de funcionários, enganando como um caminho fácil para a acadêmica reconhecimento, tudo isso são violações contemporâneas do Oitavo Mandamento que chorar pela reafirmação e pelos ritos. O princípio da propriedade privada, que ele reconhece é também uma resposta forte ao comunismo e seu ensino que toda a propriedade pertence ao Estado. Para o Estado de confiscar o que pertence ao cidadão é o roubo da forma mais descarada. As salvaguardas adequadas sobre a posse da propriedade privada não residir na sua perda a favor do Estado, mas em reconhecimento do princípio de Cristo que todos os homens são simplesmente mordomos do que Deus confiou aos seus cuidados (Mt 5:42 ), e na aceitação de sua lembrete de que riquezas terrenas são apenas temporários, não é digno de nossa devoção (Mt 6:19 ).

Não dirás falso testemunho contra o teu próximo . Agora, a sacralidade da verdade é declarada. Esta não é uma proibição direta de mentir em geral, mas lida com um tipo específico de mentir-perjúrio em referência a um colega israelita. Perjúrio era um crime que, segundo a lei de Hammurabi trouxe sobre o infrator a mesma pena que o seu testemunho teria trazido sobre o acusado. O mesmo era verdade sob o código de Mosaic (Dt 19:15 ). Mas esta aplicação estreita do Nono Mandamento não significa que este é o único tipo de falsidade a que Deus se opõe. É simplesmente o início de instrução que se inicia com um caso concreto. Mais tarde, a lei declarada, "nem ... mentir uns aos outros" (Lv 19:11 ). Como foi observado em conexão com 19: 1-8 , uma palavra foi muito importante nas mentes dos israelitas. Foi também muito importante para Deus. Por uma palavra que ele havia criado o universo. Seu Filho viria a ser conhecido como "A Palavra". Assim, a palavra deve ser sempre utilizado em verdade. Mentir é para destruir toda a base para a comunicação, para fazer uma paródia das relações humanas, para reduzir todas as negociações para o nível de selva. A testemunha falsa pode destruir a reputação, a felicidade, a liberdade, a vida do outro. Perjúrio é simplesmente deitado no seu pior. Jesus também citou o Nono Mandamento em Sua resposta para a busca do rico, jovem governante para a vida eterna (Lc 18:20 ). E João, o Revelador, viu que todos os mentirosos estavam a ser lançados no lago de fogo para sempre (Ap 21:8 ). E Ele tinha muito a dizer sobre a cobiça em geral, alertando o homem que lhe pediu para se arbitrar a sua herança: "Acautelai-vos e guardai-vos de toda a avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui" (Lc 12:15 ). Ele seguiu sua resposta com a parábola do rico insensato e uma chamada para colocar o Reino de Deus em primeiro lugar, confiando no Pai celestial para cuidar das necessidades materiais (Lc 12:13 ). Paulo confessou que era neste ponto que a lei lhe havia condenado (Rm 7:1. ; He 13:5 ; 1Co 14:39 , KJV). No século XX, com a sua abundância material sem precedentes, não há necessidade de atender às advertências bíblicas contra a cobiça. A linha entre necessidade e luxo, entre prazer e desperdício legítimo tornou-se nebuloso para muitas pessoas. Apenas uma devoção próprio de Deus e do Seu Reino ajudará a deixar claro novamente.

b. O medo do Povo (20: 18-21)

18 E todo o povo percebeu os trovões e os relâmpagos, eo som da trombeta, eo monte fumegante.: e quando o povo, vendo isso, estremeceu e ficou de longe 19 E disseram a Moisés: Fala tu nós, e ouviremos; mas não fale Deus conosco, para que não morramos. 20 E disse Moisés ao povo: Não temais. Deus veio para vos provar, e que o seu temor esteja diante de vós, para que não pequeis 21 E o povo estava de longe, e Moisés se aproximava às trevas espessas onde Deus estava.

A vocalização real dos Dez Mandamentos não poderia ter tomado muito tempo. Mas pelo tempo que esses poucos minutos foram mais, as pessoas também tinham tudo o que queriam de os trovões e os relâmpagos, eo som da trombeta, eo monte fumegante e recepção direta da revelação divina. Eles estavam com medo e recuou. Aparentemente, Moisés permaneceu com eles ao pé da montanha, depois Deus o enviou para baixo (19: 21-25 ). E eles aproveitaram a conclusão dos Dez Mandamentos, quando a voz divina, aparentemente, fez uma pausa, para pedir a Moisés que lhes servem de intermediário para que a voz de Deus trazer a morte em cima deles. Moisés confortaram, explicando que Deus tinha uma vez mais procurado para provar eles (Ex 15:25 ;Ex 16:4) .

c. As regras do Pacto (20: 22-23: 19)

(1) Regras especiais Sobre Adoração (20: 22-26)

22 E disse o SENHOR a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel, vós tendes visto que falei com você do céu. 23 Não fareis outros deuses comigo; deuses de prata, ou deuses de ouro, não fareis para vós. 24 Um altar de terra tu a mim fazer, e sacrifício te nela teus holocaustos, e as tuas ofertas pacíficas, as tuas ovelhas e os teus bois: em todo lugar que eu gravar meu nome, virei a ti e te abençoarei. 25 E se tu me fizeres um altar de pedras, não o farás de pedras lavradas; pois se tu levanta a tua ferramenta em cima dele, tu profaná- Lv 26:1 Nem te subir degraus ao meu altar, para que a tua nudez não seja descoberto nela.

As primeiras palavras de Jeová a Moisés tinha a ver com a aplicação de uma forma prática o que Israel tinha aprendido sobre ele através da escuta diretamente a Ele. Quatro regras estão a ser seguido no culto divino: (1) os ídolos não estão a ser utilizados (os fundidos estão agora proibidos como os de escultura tinha sido no Segundo Mandamento), (2) altares estão a ser bastante simples, feito apenas de terra e erigido em locais aprovados pelo próprio Senhor, (3) se altares são feitas de pedra, para que estes sejam naturais, pedras brutas, mantendo o princípio da simplicidade, e (4) altares não estão a ser altamente elevado ao ponto que eles devem ser alcançado por etapas, para que a modéstia dos adoradores ser violado devido às suas roupas fluidas. A disposição aparente aqui para uma multiplicidade de altares, a diferença entre estes altares simples e os do tabernáculo e do templo, bem como a prestação aparente para os particulares a oferecer sacrifícios desde que foi constituída provisão para a manutenção da modéstia dos padres no altares mais elaborados (28: 42-43 ), fez com que estudiosos críticos para reivindicar uma contradição básica. Eles declaram que houve um período anterior, quando os altares privados foram aceites e sacrifícios particulares poderia ser oferecido, mas que a construção do templo de Salomão e da ascensão de uma classe adquiridos, sacerdotal levou a uma mudança gradual para o culto em apenas um lugar. Eles ensinam que o Pentateuco, escrito não por Moisés, mas sim por diferentes indivíduos em diferentes períodos da história judaica, teceu vários tópicos desse desenvolvimento evolutivo essencial para o que afirma ser um relato histórico coerente, dando ao leitor uma série sem esperança de contradições. Mas tal não é o caso. Aqui em Êxodo temos provisão feita para os locais altares simples, privados, que haviam sido erguidas pelos patriarcas desde tempos imemoriais em locais feitas memorável pelo aparecimento de Jeová. Altares inúmeras desse tipo foram erguidas durante todo o período da conquista, os juízes, os primeiros reis, e mesmo sob alguns dos profetas (Js 8:30. ; Js 22:10 ; . Jz 6:24 ; Jz 21:4. ; 1Sm 14:35 ; 2Sm 24:18. ; 2Sm 1:1 Reis 18:. 1Rs 18:30 ss ; 1Rs 19:10 , 1Rs 19:14 ). Para o tempo que o país viveu em conjunto no deserto, tal não seria necessário, e o tabernáculo foi fornecido no lugar. Em Dt 12:1 ). O lugar central do culto em Canaã foi o primeiro em Shiloh e mais tarde em Jerusalém. Quando o eventual centralização de culto para que o Senhor tinha planejado e instruiu teve lugar, os profetas, sacerdotes, e as pessoas iguais viu com clareza cada vez maior o perigo de altares privados e sacrifícios particulares e eles acabaram sendo abandonadas.


Wiersbe

Comentário bíblico expositivo por Warren Wendel Wiersbe, pastor Calvinista
Wiersbe - Comentários de Êxodo Capítulo 20 do versículo 1 até o 26
  1. A sabedoria do mundo (Ex 18)

Os estudiosos da Bíblia discordam em relação à interpretação desse capítulo, se a advertência de Jetro a Moisés é do Senhor ou da carne. Alguns apontam paraNu 11:0:8), mas devemos testar tudo pela Palavra de Deus (Is 8:20). Perguntamo-nos se a "sabe-doria mundana" de Jetro agradava a Deus, pois o próprio Jetro não ti-nha certeza disso (veja v. 23). Ele estava disposto a alegrar-se com tudo que o Senhor fizera (vv. 9-10), mas não estava disposto a acredi-tar que Deus podia ajudar Moisés com os fardos diários da vida. Moi-sés adotou o esquema de Jetro, e o povo concordou com isso (Dt 1:9), mas não temos garantia de que Deus aprovou o novo arranjo. Na verdade, em Números 11, a atitu-de de Deus sugere que aconteceu o contrário.

Os crentes enfrentam ataques diretos e abertos da carne, como os de Amaleque (17:8-16), mas tam-bém enfrentam idéias sutis da car-ne, como as de Jetro. Certamente, Moisés podia fazer qualquer traba-lho que Deus o chamasse a fazer, pois Deus nos capacita para cum-prir suas ordens. Como temos faci-lidade em sentir pena de nós mes-mos, em sentir que ninguém cuida de nós, e em achar que Deus nos deu um fardo grande demais! Leia Is 40:31 para ver a solução de Deus para esse problema.

  1. Notas introdutórias: a importância da Lei

Nenhum tópico foi mais mal-entendi-do entre os cristãos que a Lei de Moi-sés e sua aplicação hoje aos crentes do Novo Testamento. Confundir as alianças de Deus é interpretar erro-neamente a mente de Deus e perder as bênçãos dele; portanto, sábio é o crente que examina a Pàlavra a fim de estabelecer a posição e o propósito de todo o sistema mosaico.

  1. Nome

As pessoas, iniciando com Êxo-Dt 19:0), estavam sob o sis-tema mosaico. Chama-se isso de "a Lei de Moisés", "a Lei" e, às vezes, de "a Lei de Deus". Com freqüência, a chamamos, por uma questão de conveniência, de "lei moral" (em relação aos Dez Mandamen-tos), de "a lei cerimonial" (em re-lação aos exemplos e aos símbolos que encontramos no sistema sacrificial) e de "a lei civil" (em relação às leis diárias que regem a vida do povo). Na verdade, parece que a Bíblia não faz distinção entre as leis "moral" e "cerimonial", já que definitivamente uma é parte da ou-tra. Por exemplo, encontramos o quarto mandamento, que trata do dia de sábado, na lei moral, em-bora, com certeza, faça parte do sistema cerimonial e também dos dias santos judeus.

  1. Propósitos

Para entender a Lei, precisamos nos lembrar que Deus já fizera uma aliança eterna com os judeus por intermédio de Abraão, o pai deles (Gn 15). Ele prometeu-lhes suas bênçãos e deu-lhes a posses-são da terra de Canaã. Mais tarde, "acrescentou-se" a Lei Mosaica à aliança abraâmica, mas isso não a anula (Gl 3:13-48). A lei entrou lado a lado com a aliança anterior de Deus (Rm 5:20), contudo era uma medida provisória de Deus (Gl 3:19). O Senhor deu a Lei apenas a Israel para mostrar que eles eram o povo escolhido de Deus e sua na-ção santa (Êx 19:4-6; SI 147:1 9-20). Deus não deu a Lei para salvar as pessoas, pois é impossível ser sal-vo por guardar a Lei (Gl 3:11; Rm 3:20). Ele deu a Lei a Israel pelas seguintes razões:

  1. Revelar sua glória e santidade (Dt 5:22-5)
  2. Revelar a pecaminosidade do homem (Rm 7:7,Rm 7:13; 1Tm 1:0)

O "aio" era um servo treinado e cuja tarefa era preparar as crianças para a vida adulta. Quando a criança ama-durece e torna-se adulta, recebe sua herança e não precisa mais do aio. Israel, sob a Lei, estava em sua "in-fância espiritual", mas ela preparava esse povo para a vinda de Cristo (Gl 3:23-48); a um jugo, porque traz servidão (At 15:10; Gl 5:1; Rm 8:3); a um aio, porque prepara Israel para a vinda de Cristo (Gl 3:23-48; He 10:1-58 e Rm 3:20-45); (3) dar justiça (Gl 2:21); (4) dar paz ao coração (He 9:9); e (5) dar vida (Gl 3:21).

  1. Cristo e a Lei

"Porque a lei foi dada por intermé-dio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo" (Jo 1:17). Obviamente, há um contraste entre o sistema legalista de Moisés para Israel e a posição graciosa que o cristão tem no corpo de Cristo. Cristo nasceu sob a Lei (Gl 4:4-48) e cumpriu a Lei sob todos os aspectos (Mt 5:1 Mt 5:7). Vemos a pessoa e a obra dele na Lei (Lc 24:44-42). Ele é a finalidade da Lei para trazer justiça ao crente (Rm 10:1-45; Cl 2:13-51).

  1. O cristão e a Lei

O Novo Testamento deixa muito claro que o cristão não está sob a Lei (Rm 6:14 e Gl 5:18), mas vive na esfera da graça. Em Cristo, mor-remos para a Lei (Rm 7:1-45) e libertamo-nos da Lei (Rm 7:5-45). Não podemos nos enredar de novo na escravidão da Lei (Gl 5:1-48), o que significaria sair da esfera da graça e viver como servo, não como filho.

Isso significa que o cristão pode agir sem a Lei e ignorar as exigências santas de Deus? É claro que não! Os inimigos de Paulo lançaram-lhe essa acusação, porque ele enfatizou a posição gloriosa do crente em Cris-to (Rm 6:1). Em 2Co 3:0). Não tentamos obedecer a Deus na força da carne, porque isso é im-possível (Rm 7:14); a carne é fraca e pecaminosa e não pode se submeter à Lei. Mas nos consideramos mortos para o pecado (Rm 6:0; Jc 2:19)

  • Não fazer ídolos ou imagens (At 17:29; Rm 1:22-45; 1Jo 5:21; 1Co 10:7,1Co 10:14)
  • Não tomar o nome de Deus em vão (Jc 5:12; Mt 5:33-40 e 6:5-9)
  • Lembrar o dia de sábado
  • Em nenhum lugar do Novo Testa-mento, repete-se esse mandamento para que a igreja lhe obedeça hoje. Mt 12:0; Mt 5:21-40)

  • Não cometer adultério (Mt 5:27-40; 1Co 6:9-46)
  • Não dar falso testemunho (Cl 3:9; Ef 4:25)
  • Não cobiçar (Ef 5:3; Lc 12:15-42)
  • Observe estes "resumos da Lei" no Novo Testamento. Nenhum deles menciona o sábado: Mt 19:16-40; Lc 18:18-42. É claro que os "novos mandamentos" de amor são a motivação fundamental para o cristão de hoje Jo 13:34-43; Rm 13:9-45). O Espírito derrama esse amor em abun-dância em nosso coração (Rm 5:5). Assim, amamos a Deus e aos outros e, dessa forma, não precisamos do controle externo de uma lei em nossa vida. A antiga natureza não conhecia a Lei, e a nova natureza não precisa da Lei. O sábado era o dia especial de Deus para os judeus que estavam sob a Antiga Aliança, mas, para a igreja, que está sob a Nova Aliança, o Dia do Senhor é o dia especial de Deus. O sá-bado simboliza a salvação por meio de obras: seis dias de trabalho e, depois, descanso; o Dia do Senhor simboliza a salvação por meio da graça: primei-ro o descanso e, depois, o trabalho. O sábado, os sacrifícios, as leis alimenta-res, o sacerdócio e os cultos do tabernáculo acabaram todos em Cristo.

    Moisés, depois de dar a Israel a Lei de Deus, que está nos Dez Man-damentos, explicou e aplicou a Lei aos vários aspectos da vida do ho-mem. Onde quer que haja lei, deve haver interpretação e aplicação; de outra forma, a lei não é praticada e não pode ser útil de forma alguma. No início, eram os sacerdotes que ensinavam e praticavam a Lei em Israel, mas, em anos posteriores, os rabinos e os escribas tornaram-se os professores oficiais da Lei. Infe-lizmente, a interpretação deles era tão autoritária quanto a Lei original, e foi esse erro que Jesus expôs por meio de seus ensinamentos, em es-pecial no Sermão da Montanha (Mt 5:0). Para obter mais percepções a esse respeito, veja também Mar-cos 7.


    Russell Shedd

    Comentários da Bíblia por Russell Shedd, teólogo evangélico e missionário da Missão Batista Conservadora.
    Russell Shedd - Comentários de Êxodo Capítulo 20 do versículo 1 até o 26
    20.2 Eu sou. Antes de Deus nos dar os Dez Mandamentos, nos faz lembrar Quem Ele é, e o que faz por nós (que te tirei).

    20.3 Outros deuses. Não se deve amar, adorar ou obedecer a qualquer coisa que seja, acima da vontade divina.

    20.4 Imagem. A idolatria esta totalmente condenada, em todas as suas formas.

    20.7 Condenação da hipocrisia: "Não lançarás mão da aparência da religião como cobertura das tuas maldades". • N. Hom. O primeiro mandamento (3) mostra que o conhecimento de Deus e o desejo de servi-lo expulsam do nosso coração as ambições e as aspirações inferiores (Dt 6:5). O segundo reconhece todas as ajudas visíveis ao culto como um tropeço para a verdadeira adoração em espírito e em verdade, inclusive imagens de Cristo e dos anjos (em cima nos céus); dos apóstolos, dos mártires, dos santos (embaixo no terra) (4). O terceiro (7), é contra a linguagem profana, tão comum em cada época, contra o perjúrio, contra toda teologia que não seja bíblica, que não seja ensinada por pessoas convertidas a Cristo, e contra a hipocrisia. O quarto (8), é para guardar em memorial (Lembra-te), prática que o povo já observava (Êx 16:23), a qual gravava bem firme na mente o fato da criação de todas as coisas por Deus; para os crentes, aponta, também, para o futuro, à nova Criação em Cristo Jesus (Ap 21:1-66). O quinto mandamento (12) e o sétimo (14) enfatizam a santidade, a pureza e o valor da vida em família e em núcleo social e religioso. O sexto (13) preserva a santidade da vida humana. O nono conserva a pureza da verdade (16); o oitavo e o décimo conservam o direito da propriedade que cada um deve administrar como mordomo de Deus (v. 15 e v. 17).

    20.17 Casa. Aqui quer dizer "lar", e inclui tudo o que daí possa advir.

    20.19 Fala-nos tu. A atitude comum dos que não se converteram pessoalmente a Deus, mediante a obra de Jesus Cristo. Querem mediadores, sacerdotes, que lhes dêem preceitos carnais, que possam cumprir fisicamente, mas não de comunhão com Deus.

    20.20 Não pequeis. Até o temor que Deus impõe, é um ato de misericórdia para ajudar o homem de pouca fé a aprender a viver em santidade. Este temor é o princípio da sabedoria,Sl 111:10.

    20.22 Dos céus. A voz de Deus intervém na situação humana, como interveio no caos para criar o Universo (Sl 33:6), e por isso não há lógica em consultar a obras esculpidas pelo homem (23).

    20.24 Altar de terra. O altar é o lugar da adoração e do sacrifício. Mas tudo que sacrificar, até o sacrifício de louvor, que é o oferecer nosso próprio "eu" em adoração, vem primeiro da graça de Deus. O sacrifício que nos proporciona a vida eterna foi realizado por Deus (Jo 3:16). Por isso se considera uma profanação aproximarmo-nos de Deus com um culto oriundo de nossos próprios esforços, com nossa sabedoria e ciência (25).

    20.26 A ordem e a decência são exigidas em um culto, sem a mínima mescla de malícia As vezes, nossos cultos de hoje carecem disto.


    NVI F. F. Bruce

    Comentário Bíblico da versão NVI por Frederick Fyvie Bruce, um dos fundadores da moderna compreensão evangélica da Bíblia
    NVI F. F. Bruce - Comentários de Êxodo Capítulo 20 do versículo 1 até o 26

    2) Os Dez Mandamentos (20:1-20)

    Os princípios fundamentais da religião de Israel estão contidos nos Dez Mandamentos que são transmitidos ao povo por Moisés. Considerados no seu devido contexto, eles são os termos da aliança impostos por Deus a seus parceiros da aliança, visto que os registros das transações do Sinai apresentam características que ocorrem também nas alianças e tratados seculares daquela época. As comparações mais úteis têm sido feitas com os tratados de suserania do Oriente Médio, que ligavam um estado vassalo a um suserano (“senhor”) com a promessa de proteção durante o tempo em que as exigências do tratado fossem cumpridas. No Sinai, Deus, como Senhor e Salvador, ditou as suas normas, o povo demonstrou a sua aceitação e uma aliança foi ratificada (conforme 24.7,8).
    Que esse “decálogo” é bem antigo é sugerido pela ausência de exigências cultuais (às vezes, ele é chamado de “decálogo ético” para distingui-lo do “decálogo ritual” de 34:11-26); que não se trata simplesmente de um código de leis, mas de um documento constitutivo, é indicado pela forma em que as exigências são expressas e pela ausência de punições a serem aplicadas caso fossem violados mandamentos individuais. Há outras seções legais no Pentateuco (e.g., o “Livro da Aliança” em 20.21—23,33) que explicam os mandamentos contidos nos Dez Mandamentos. A forma em que os mandamentos são apresentados merece atenção detalhada. As leis do Antigo Oriente Médio geralmente eram divididas em duas categorias principais: leis casuísticas e leis apodícticas. Leis casuísticas são expressas na maioria das vezes na forma “Se... (então) ...” (conforme 21,7) e podem ter cláusulas subordinadas (“se”) apensas (conforme 21:8-11). Leis apodícticas tratam com absolutos e estão exemplificadas da maneira mais clara nos Dez Mandamentos.

    Estas são apresentadas principalmente na forma de proibições e são dirigidas ao israelita individual. Somente o quarto e o quinto mandamentos são expressos em forma de ordens afirmativas. Alguns eruditos têm con-jecturado que originariamente esses também eram proibições e então tentaram forçá-los a se amoldar ao padrão geral. O decálogo é repetido, com algumas pequenas modificações, em Dt 5:6-5; as divergências principais estão no tratamento dos quarto e quinto mandamentos. Parece ser correto afirmar que o comentário acrescentado a esses mandamentos não fazia parte da transmissão original; os mandamentos devem ter sido expressos de forma sucinta para que pudessem ser facilmente inscritos em pequenas tábuas. Três formas diferentes de contar dez mandamentos (conforme 34,28) nos v. 2-17 foram propostas. Neste comentário, vamos considerar o v. 3 o primeiro da série e os v. 4-6 o segundo, v. 2. Nos tratados de suserania mencionados, os termos eram normalmente prefaciados por um relato dos atos benevolentes realizados pelo suserano em favor do vassalo. A lembrança dos atos de libertação realizados por Deus são breves em comparação com outros exemplares, mas servem ao mesmo propósito,

    v. 3. além de mim (“diante de mim”, BJ): diversas explicações do termo hebraico foram sugeridas; em outros contextos, a expressão denota hostilidade e exclusão mútua. O mesmo termo é usado no hebraico no v. 23 e é traduzido, por exemplo, por “ao lado de mim” (BJ). v. 4. ídolo\ feito de madeira ou pedra. Em 34.17 (q.v.), “ídolos de metal” também são proibidos. E a produção de imagens para uso na adoração que é proibida; nesse sentido, a adoração israelita era iconoclasta. Independentemente das aberrações que tenham desfigurado a história subseqüente do povo de Israel, não há evidência que sugira que imagens de Javé tenham sido feitas em nenhuma época dessa história, nas águas debaixo da terra talvez reflita a cosmologia hebraica, mas também se poderia pensar em fontes e rios subterrâneos, v. 5. deles-, pode referir-se ao v. 4, embora o v. 3 de fato forneça um antecedente plural, zeloso é boa tradução, pois “ciumento” (BJ) tem conotações negativas. até a terceira e quarta geração “reflete a extensão máxima provável de membros de uma mesma família que vivam juntos numa casa” (Clements). v. 6. trato com bondade (“ajo com amor”, BJ): o amor conduz à obediência e tem sua recompensa (conforme Jo 14:21,Jo 14:23,Jo 14:24). v. 7. Concorda-se de forma unânime que esse mandamento protege o nome de Javé daquele uso ilegítimo que poderia ocorrer no juramento, na blasfêmia e na magia e, além disso, “sempre que Israel de alguma forma abrisse suas portas para o culto a outra divindade” (Stamm e Andrew).

    Invocar o nome de Deus para a concretização de um pedido maldoso ou fraudulento era convidar a intervenção furiosa do próprio Deus. V.comentário de Lv 24:16. Igualmente repreensível era a afirmação de alguns falsos profetas de que estavam proclamando o “peso da palavra do Senhor” (cf. Ml 1:1, ARC); o simples uso dessa expressão era proibido (Jr 23:33-24). v. 8. Lembra-te\ Dt 5:12 traz “guardarás”. O shapattu babilônio era o nome pelo qual era conhecido o décimo quinto dia do mês (lua cheia). Apesar da sua aparente ligação com o shabbãt hebraico (“sábado”), a tentativa de descobrir uma relação entre as duas instituições tem se mostrado infrutífera. Não há razão para duvidarmos da observância do sábado na época de Moisés, ou até antes disso. Os v. 10,11 apresentam razões religiosas e humanitárias para a instituição do sábado, v. 11. Conforme Gn 2.1ss).

    v. 13. Não matarás: o uso do verbo rãsah no AT não está restrito a um tipo específico de matar. No presente contexto, significa algo parecido com “assassinar”; não haveria razão em legislar contra homicídio não intencional! Nem a pena de morte (por parte do Estado) nem o matar na guerra estavam incluídos nessa interdição, v. 14. A relação sexual com uma mulher não casada ou noiva (com contrato de casamento) não era punida tão severamente quanto o adultério; observe a diferença entre as penas prescritas em 22.16 e em Lv 20:10 (conforme Dt 22:2,Mt 5:28 volta diretamente aos primeiros princípios. O v. 15 trata do roubo em geral. Alguns estudiosos preferem interpretar isso de forma mais restrita ao roubo de pessoas (seqüestro; conforme 21.16; Dt 24:7). Mesmo numa comunidade cristã, a prescrição talvez precise ser destacada e repetida (conforme Ef 4:28). v. 16. Lit. “Não responderás contra o teu próximo como testemunha falsa”. A evidência falsa não deveria ser colocada diante dos juízes com o objetivo de garantir a condenação de um réu. v. 17. não cobiçarás: afirma-se com freqüência que essa ordem aponta além da motivação para a ação de fato. Mas o sentido normal do verbo e o uso em Dt 5:21 de um sinônimo cujo significado não é questionado depõem contra esse ponto de vista. Hyatt observa que “o mal da cobiça era conhecido e condenado muito tempo antes de Moisés na literatura sapiencial egípcia”, casa é explicado por aquilo que segue; conforme a tradução de “casas” por “famílias” em 1.21. v. 20. A própria majestade da teofania teria o efeito positivo de desencorajar o povo a violar os mandamentos que lhe foram ordenados.


    3) O Livro da Aliança (20.21—23.33)
    Esse é o nome dado, com base em 24.7, à coleção de leis agrupadas nos próximos três capítulos. As leis são evidentemente antigas, pois as instituições que elas pressupõem são primitivas. Pode-se discernir uma riqueza de pontos de contato com outros códigos de leis do Oriente Médio. Isso é exatamente o que deveríamos esperar, visto que as necessidades e as condições sociais variavam pouco de país para país e de época para época. (As leis codificadas pelos persas no final do século VI a.G. revelam a sua dívida para com o Código de Hamurabi babilónico do século XVIII, que em Sl já era uma reformulação da lei casuística da Mesopotâmia.) Em todo o Oriente Médio o rei era o grande legislador, e aqui temos um ponto de contraste, e não de comparação. Os israelitas concebiam a lei como emanando diretamente de Deus. Essa convicção trazia consigo uma motivação embutida de obedecer às leis do Estado como sendo a vontade revelada de Deus; a obediência a essas leis era supervisionada pessoalmente pelo próprio Deus (conforme 22.23,24; 23.7). Os v. 22-26 têm como seu tema de ligação a adoração a Deus. v. 22,23. Deus lhes falou do céu e proclamou a sua singularidade; por isso nenhuma imagem idólatra é digna de ficar na presença dele. v. 24. altar de terra: de tijolos secados ao sol ou de terra batida. Exemplos de tijolos secados ao sol foram encontrados nos sítios arqueológicos de santuários cananeus. Esse é um tipo de altar muito antigo; contraste com 27:1-8. os seus holocaustos e as suas ofertas de comunhão: os tipos mais antigos de ofertas; ambos estão representados nos textos ugaríticos. Onde quer que eu...\ ainda não havia santuário central, v. 25. Somente pedras não lavradas podiam ser usadas na construção de altares (conforme Dt 27:5; Js 8:30,Js 8:31; lRs 18.31,32). A mão humana ou alguma ferramenta acarretariam profanação. Até mesmo o altar dos holocaustos associados ao tabernáculo era objeto de um ritual de propiciação (conforme 29.36). v. 26. Os altares cananeus às vezes tinham degraus. “Os degraus são proibidos porque a ordem é dirigida ao israelita comum que iria sacrificar com sua roupa normal” (Driver). V. também o comentário Dt 28:42.


    Moody

    Comentários bíblicos por Charles F. Pfeiffer, Batista
    Moody - Comentários de Êxodo Capítulo 19 do versículo 1 até o 38

    II. Israel no Sinai. 19:1 - 40:38.

    O ano da peregrinação ao Sinai teve dois resultados:
    1) Israel recebeu a Lei de Deus e foi instruída nos caminhos de Deus; e
    2) a multidão que escapou do Egito foi unificada, dando começo a uma nação. Este período é da maior importância para compreendermos a vontade e o propósito de Deus conforme revelado no restante do V.T. Este é o ponto central do que tão freqüentemente as Escrituras chamam de "a Lei". O registro da viagem ao Sinai e a doação da Lei ali, ocupam não só o restante do Êxodo, mas também o livro do Levítico e os primeiros capítulos de Números.

    A hipótese de Graf-Wellhausen, promulgada no século dezenove, que negou até mesmo a existência de um Tabernáculo, fez destas leis um simples reflexo dos costumes de séculos posteriores. Na primeira metade deste século temos um reverso desta filosofia, de modo que agora praticamente todos os mestres estão prontos a admitir que a estrutura e o coração da Lei são mosaicos. Críticos ainda insistem que a Lei, como nós a conhecemos aqui, foi modificada a partir do original e consideravelmente criticada em séculos posteriores. Embora não seja de todo impossível que conceitos e ordenanças fossem incluídos mais tarde, aqueles que consideram a Lei como uma revelação de Deus, aceitam-na na sua forma presente como sendo substancialmente aquilo que Moisés recebeu. Mesmo os críticos que negam isto teoricamente, acham que é difícil decidir qual das ordenanças teriam sido posteriormente acrescentadas.


    Moody - Comentários de Êxodo Capítulo 20 do versículo 1 até o 20

    Ex 20:1 como sendo o primeiro mandamento e Ex 20:4-6 o segundo. Esta divisão foi unanimemente aceita pela igreja primitiva e continua sendo hoje mantida pelas igrejas Ortodoxa Oriental e Protestantes.


    Dúvidas

    Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e Contradições da Bíblia, por Norman Geisler e Thomas Howe
    Dúvidas - Comentários de Êxodo Capítulo 20 versículo 13
    Ex 20:13 - Como pôde Deus dar o mandamento de não matar, se depois, em Ex 21:12, ele ordenou que os assassinos fossem mortos?

    PROBLEMA: Nos Dez Mandamentos, Deus proíbe matar, ao dizer: "Não matarás". Entretanto, em Ex 21:12 Ele ordenou que aquele que ferisse um outro homem, e este morresse, deveria também ser morto. Isto não é uma contradição, Deus ordenar que não matemos, e depois ordenar que matemos?

    SOLUÇÃO: Uma grande confusão tem surgido por causa da incorreta tradução do sexto mandamento, que assim dá a entender o que de fato não foi comandado por Deus. A palavra hebraica usada na proibição deste mandamento não é a palavra usual para "matar" (harag). A palavra usada é o termo específico para "assassinar" (ratsach). Uma tradução mais adequada deste mandamento seria: "Não assassinarás". Ora, Ex 21:12 não é um mandamento para que se assassine alguém, mas é um mandamento para se aplicar a pena capital no caso desse crime capital. Não há contradição alguma entre o mandamento que diz que as pessoas não devem cometer o crime do assassinato e o mandamento que diz que as autoridades estabelecidas devem executar a pena capital no caso desse tipo de crime.


    Francis Davidson

    O Novo Comentário da Bíblia, por Francis Davidson
    Francis Davidson - Comentários de Êxodo Capítulo 20 do versículo 1 até o 17
    b) Os Dez Mandamentos (Êx 20:1-17)

    Os quatro primeiros incluíam os deveres do homem para com Deus, e os demais seis diziam respeito aos seus deveres para com seus semelhantes. Os dez mandamentos são repetidos, em forma um tanto diferente, em Dt 5:0), conforme originalmente anunciadas e escritas nas tábuas de pedra, consistiam cada qual de uma sentença, como, por exemplo, "Honra a teu pai e a tua mãe", "Não cobiçarás". Se assim foi, as formas expandidas representariam então o comentário inspirado de Moisés, ao declará-las ele ao povo, nas duas ocasiões (ver Êx 19:9; Dt 5:5). A tradução "mandamentos" para aquilo que as Escrituras chamam de "dez palavras" impõe uma tonalidade por demais severa a elas. Foram dadas para que o povo cresse (Êx 19:9), andasse nelas e por meio delas fosse abençoado (Dt 4:40, Dt 4:5.1 nota).

    >Êx 20:2

    Eu sou o Senhor teu Deus (2). Os expositores judaicos consideram que esse foi o primeiro dos dez mandamentos, "para acreditar na existência de Deus" (Hertz), mas ainda é melhor considerar essas palavras como uma declaração de autoridade sobre a qual repousam todos os dez mandamentos. A soberania de Deus sobre Seu povo é a sanção para Sua exigência de que obedecessem aos mandamentos que seguem. Ele aparece aqui como um Deus pessoal que já tinha estabelecido uma relação íntima com Seu povo, livrando-o do Egito.

    >Êx 20:3

    1. O SENHOR É SEM IGUAL (Êx 20:3). Seu povo, por conseguinte, não deveria adicionar a adoração a deuses falsos à sua adoração ao Senhor, conforme tentaram fazer mais tarde, quando, por exemplo, introduziram o culto de Baal como adição. A unidade de Deus requer devoção total.

    >Êx 20:4

    2. O SENHOR É ESPÍRITO (Êx 20:4-6). Conf. Jo 4:24. Ele não pode ser adorado sob a forma de qualquer representação material, quer fosse produto da arte plástica, quer da pictórica. Tais coisas não apenas desviam a mente do conhecimento da espiritualidade pura de Deus, mas inevitavelmente são transformadas em objetos de veneração, e também provocam o aparecimento de muitas práticas sensuais. O mandamento do versículo 4 não proíbe qualquer escultura ou pintura. Conf. a serpente de metal, em Nu 21:8. Deus zeloso (5). Isso significa que somente Ele tem o direito de ser amado pelo Seu povo. Por causa deles mesmos, e para que santificassem e reverenciassem Seu nome, é que eles deviam fugir de toda idolatria. O zelo de Deus preserva a pureza da adoração de Seu povo. Visito a maldade... (5). Mediante Dt 24:16 (ver anotação) fica claro que Deus não pune os filhos por causa das ofensas de seus pais, mas se os filhos cometerem o mesmo pecado de seus pais, serão punidos da mesma maneira ("daqueles que me aborrecem"). Mas, além disso, os pecados dos pais influenciam seus filhos para o mal, e certos pecados atraem castigo que é inevitavelmente compartilhado pela descendência do pecador, como por exemplo, as enfermidades que são o resultado direto da imoralidade, e a pobreza, que resulta da extravagância. O temor destas últimas conseqüências exerce um freio saudável na conduta dos pais. Porém, enquanto a má conduta afeta apenas três ou quatro gerações, as conseqüências de uma vida pura beneficia a posteridade até um ponto quase ilimitado. A ira de Deus se estende somente até à terceira ou quarta geração; mas Sua misericórdia se estende até mil gerações. Ver Dt 5:9-5 nota.

    >Êx 20:7

    3. A SANTIDADE DO NOME DE DEUS (Êx 20:7). A proibição foi contra o juramento falso, isto é, usar o nome de Deus para atestar uma declaração mentirosa. Também pode incluir juramentos frívolos. Tão séria era essa ofensa que de modo algum podia ser perdoada sem punição. "O Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão". Este mandamento não exclui o uso do nome de Deus em juramentos verazes e solenes. Ver Dt 5:11 nota.

    >Êx 20:8

    4. O SÁBADO (Êx 20:8-11). O sábado (em heb. shabbath, do verbo sabath, "cessar" ou "descansar") era para ser principalmente um dia de descanso de todo trabalho exceto o inevitável, e devia incluir todos os membros da família e até os animais (a lei de Deus é sem paralelo entre as leis antigas, devido sua consideração para com as criaturas irracionais). Era chamado de "sábado do Senhor" (10), porque era dia santificado (8), dedicado à adoração a Deus e às coisas a Ele pertencentes. Sua observação foi sancionada pelo próprio exemplo de Deus (11: ver Gn 2:2-3). Podemos inferir que sua instituição é tão antiga como a criação, e parece já ter sido conhecido mesmo antes dela (ver, por exemplo, Êx 16:23); porém, é possível que seus detalhes específicos tenham sido estabelecidos pela primeira vez no Sinai. A palavra Lembra-te (8) deve ser entendida não como "recorda aquilo que já sabes", mas "conserva em lembrança perpétua". O repetido desprezo do sábado por parte de gerações posteriores ilustra e confirma a necessidade desse mandamento ser "relembrado". A bênção do Senhor, quanto a esse dia (11), se estende àqueles que observam Seu mandamento de observá-lo como dia santo. Ver Dt 5:12 nota.

    >Êx 20:12

    5. A HONRA DEVIDA AOS PAIS (Êx 20:12). O melhor comentário sobre este versículo é o livro de Provérbios e Ef 6:1-49. O respeito aos pais inclui não somente atenção às suas ordens, desejos e conselhos, mas também o cuidado por eles em suas necessidades (Mq 7:10-33) e o disfarçar de suas faltas (Gn 9:23; Pv 30:17). A promessa que diz: para que se prolonguem os teus dias, não pode ser considerada como garantia para todo indivíduo, mas assevera que a ordem correta no seio da família é a base tanto da continuação e prosperidade da nação como do indivíduo, e, em geral, seu cumprimento literal era de ser esperado. Ver Dt 5:16 nota.

    >Êx 20:13

    6. A SANTIDADE DA VIDA HUMANA (Êx 20:13). Uma salvaguarda geral aqui é feita em relação à santidade da vida humana. Adiante provisão é feita no tocante ao homicídio desculpável (Êx 21:13), acidental (Nu 35:23), ou justificável (Êx 32:2). A guerra, para os israelitas, quer ofensiva ou defensiva, era sempre feita por mandamento direto ou permissão de Deus. Ver Dt 5:17 nota.

    >Êx 20:14

    7. A SANTIDADE DO CASAMENTO (Êx 20:14). Outra lei que salientava a inviolabilidade do laço da vida em família, a base de toda ordem e sociedade humana. Essa lei torna o homem que a desobedece não menos culpado que a mulher. Para os judeus "ela envolve a proibição de linguagem imoral, conduta imodesta, ou associação com pessoas que zombam do caráter sagrado da pureza" (Hertz). Ver Dt 5:18 nota.

    >Êx 20:15

    8. A SANTIDADE DA PROPRIEDADE (Êx 20:15). Essa lei implica no direito de posse de propriedade privada. Furtar subentende não só o roubo direto, mas também a aquisição de propriedade mediante o tirar vantagem da ignorância ou da fraqueza de outrem. Ver Dt 5:19 nota.

    >Êx 20:16

    9. A SANTIDADE DO BOM NOME DO PRÓXIMO (Êx 20:16). Teu próximo inclui todos os nossos semelhantes. A difamação de caráter é proibida, não apenas formalmente, em tribunal de lei, mas por qualquer declaração falsa. Ver Dt 5:20 nota.

    >Êx 20:17

    10. CONTRA A COBIÇA (Êx 20:17). O último mandamento jaz à raiz dos quatro anteriores. O homem é responsável perante Deus não apenas no tangente às suas ações, mas também no tocante aos seus pensamentos, e a observância disso o salva de quebrar aqueles outros mandamentos. Dessa maneira, a palavra de Cristo (Mt 5:27-40) era apenas, como Ele mesmo disse, um cumprimento da antiga lei divina. Ver Dt 5:21 nota.


    Dicionário

    Matar

    verbo transitivo direto e intransitivo Assassinar; tirar a vida de alguém; provocar a morte de: matou o bandido; não se deve matar.
    verbo pronominal Suicidar-se; tirar a própria vida: matou-se.
    verbo transitivo direto Destruir; provocar destruição: a chuva matou a plantação.
    Arruinar; causar estrago: as despesas matam o orçamento.
    Trabalhar sem atenção ou cuidado: o padeiro matou o bolo da noiva.
    Fazer desaparecer: a pobreza acaba matando os sonhos.
    Saciar; deixar de sentir fome ou sede: matou a fome.
    [Informal] Gastar todo o conteúdo de: matou a comida da geladeira.
    [Informal] Diminuir a força da bola: matou a bola no peito.
    verbo transitivo direto e intransitivo Afligir; ocasionar sofrimento em: suas críticas mataram o escritor; dizia palavras capazes de matar.
    Cansar excessivamente: aquela faculdade o matava; o ócio mata.
    verbo pronominal Sacrificar-se; fazer sacrifícios por: eles se matavam pelos pais.
    Etimologia (origem da palavra matar). De origem questionável.
    verbo transitivo direto Costura. Realizar mate, unir duas malhas em uma só.
    Etimologia (origem da palavra matar). Mate + ar.

    de origem controversa, este vocábulo pode ser vindo tanto do latim mactare, imolar as vítimas sagradas, quanto do árabe mat, morto. Deriva da expressão religiosa "mactus esto": "santificado sejas", ou "honrado sejas", que se dizia aos deuses enquanto se imolava uma vítima (um animal, obviamente); daí resultou o verbo "mactare", que significava "imolar uma vítima aos deuses" e, depois, qualquer tipo de assassinato.

    Não

    advérbio Modo de negar; maneira de expressar uma negação ou recusa: -- Precisam de ajuda? -- Não.
    Expressão de oposição; contestação: -- Seus pais se divorciaram? -- Não, continuam casados.
    Gramática Numa interrogação, pode expressar certeza ou dúvida: -- você vai à festa, não?
    Gramática Inicia uma interrogação com a intenção de receber uma resposta positiva: Não deveria ter chegado antes?
    Gramática Usado repetidamente para enfatizar a negação: não quero não!
    substantivo masculino Ação de recusar, de não aceitar; negativa: conseguiu um não como conselho.
    Etimologia (origem da palavra não). Do latim non.

    advérbio Modo de negar; maneira de expressar uma negação ou recusa: -- Precisam de ajuda? -- Não.
    Expressão de oposição; contestação: -- Seus pais se divorciaram? -- Não, continuam casados.
    Gramática Numa interrogação, pode expressar certeza ou dúvida: -- você vai à festa, não?
    Gramática Inicia uma interrogação com a intenção de receber uma resposta positiva: Não deveria ter chegado antes?
    Gramática Usado repetidamente para enfatizar a negação: não quero não!
    substantivo masculino Ação de recusar, de não aceitar; negativa: conseguiu um não como conselho.
    Etimologia (origem da palavra não). Do latim non.

    Strongs

    Este capítulo contém uma lista de palavras em hebraico e grego presentes na Bíblia, acompanhadas de sua tradução baseada nos termos de James Strong. Strong foi um teólogo e lexicógrafo que desenvolveu um sistema de numeração que permite identificar as palavras em hebraico e grego usadas na Bíblia e seus significados originais. A lista apresentada neste capítulo é organizada por ordem alfabética e permite que os leitores possam ter acesso rápido e fácil aos significados das palavras originais do texto bíblico. A tradução baseada nos termos de Strong pode ajudar os leitores a ter uma compreensão mais precisa e profunda da mensagem bíblica, permitindo que ela seja aplicada de maneira mais eficaz em suas vidas. James Strong
    Êxodo 20: 13 - Texto em Hebraico - (HSB) Hebrew Study Bible

    Não matarás.
    Êxodo 20: 13 - (ARAi) Almeida Revista e Atualizada Interlinear

    1446 a.C.
    H3808
    lôʼ
    לֹא
    não
    (not)
    Advérbio
    H7523
    râtsach
    רָצַח
    matar, assassinar, cometer homicídio
    (do murder)
    Verbo


    לֹא


    (H3808)
    lôʼ (lo)

    03808 לא lo’

    ou לו low’ ou לה loh (Dt 3:11)

    uma partícula primitiva; DITAT - 1064; adv

    1. não
      1. não (com verbo - proibição absoluta)
      2. não (com modificador - negação)
      3. nada (substantivo)
      4. sem (com particípio)
      5. antes (de tempo)

    רָצַח


    (H7523)
    râtsach (raw-tsakh')

    07523 רצח ratsach

    uma raiz primitiva; DITAT - 2208; v.

    1. matar, assassinar, cometer homicídio
      1. (Qal) assassinar
        1. premeditado
        2. por acidente
        3. como vingador
        4. assassino (intentional) (particípio)
      2. (Nifal) ser morto
      3. (Piel)
        1. matar, assassinar
        2. homicida, assassino (particípio) (substantivo)
      4. (Pual) ser morto